junho 2012 | Grupo Verde Ghaia
×

Capital do RJ e os Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil


 

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Você sabe entende-lo e aplicá-lo ao seu negócio?
A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, da Cidade do Rio de Janeiro disciplinou a apresentação de planos de gerenciamento de resíduos da construção civil – PGRCC, através da RESOLUÇÃO SMAC Nº 512, DE 11-05-2012, como forma a privilegiar as alternativas de reaproveitamento e de reciclagem de resíduos de construção civil.

Plano de Gerenciamento de Resíduos
Plano de Gerenciamento de Resíduos

Plano de Gerenciamento de Resíduos

A presente resolução estabelece que as atividades de construção, reforma, ampliação, demolição e movimentação de terra sujeitas ao Licenciamento Ambiental Municipal, de acordo com a legislação vigente, deverão apresentar o Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil – PGRCC, para os empreendimentos que atenderem aos seguinte requisitos:

Edificações com área total construída (ATC) igual ou maior que 10.000 m2;
Empreendimentos ou obras que requeiram movimento de terra com volume superior a 5.000 m3;
Demolição de edificações com área total construída (ATC) igual ou maior que 10.000 m2 ou volume superior a 5.000 m3.

No entanto, para atividades consideradas de utilidade pública ou interesse social, a apresentação do Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil – PGRCC, poderá a critério do corpo técnico da SMAC, ser postergada para fase posterior a emissão da Licença Municipal de Instalação – LMI.

Ressalta-se que os Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil – PGRCC deverão ser assinados pelo Profissional Responsável pela Execução da Obra – PREO, ou por outro profissional devidamente habilitado, com a respectiva anotação de responsabilidade técnica, do Conselho Profissional correspondente ou documento similar. Também deverá ser apresentado em 2 (duas) vias para visto da SMAC, sendo uma via a ser disponibilizada ao requerente juntamente com a licença ambiental, devendo ambas, a licença ambiental e a via do PGRSS visada, permanecer na obra à disposição da fiscalização.

Direito Ambiental: As novas Tendências e Desafios

Resíduos da Construção Civil: gerenciamento de resíduos

Na retirada de Resíduos da Construção Civil das classes A, B e C deverá ser emitida uma Nota de Transporte de Resíduos – NTR, em via única e assinada pelo gerador, transportador e receptor dos resíduos. O gerador será o responsável por manter a NTR devidamente assinada no local da obra, mantendo-a a disposição da fiscalização. Excetua-se desta regra geral, os resíduos Classe A destinados ao nivelamento de terrenos, que poderá ser apresentada uma declaração do proprietário do respectivo terreno, autorizando o despejo do resíduo como comprovação do destino final, desde que a obra esteja devidamente licenciada pelo órgão competente.

Por fim, informamos que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente – SMAC disponibilizará a relação de empresas que se encontram em operação, licenciadas para a destinação ambiental de RCC – Classes A, B, C e D, que atendam aos termos desta Resolução, no entanto a SMAC não se responsabilizará pela não inclusão de empresas licenciadas por outros municípios do Estado do Rio de Janeiro, sendo a relação em questão meramente orientativa, cabendo ao usuário a escolha da empresa mais conveniente às suas necessidades.

 

Victor Hugo Araújo,
Colaborador do Banco de Dados


Reflexões Pós Rio +20


 

A Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável terminou na última sexta a meu ver sem surpresas. A Rio+20 ficará marcada pela distância entre a expectativa da sociedade civil e o que os governos e diplomatas foram capazes de produzir em 12 dias de diálogos.

 

Desenvolvimento Sustentável: avaliação da Rio+20

A metáfora do copo meio cheio ou meio vazio é válida para avaliar o sucesso ou o fracasso da Rio+20 . O copo meio vazio é a falta de compromissos com metas e prazos na conversão para uma economia verde. O copo meio cheio é o fato de um documento final ter sido aprovado, com compromissos, ainda que vagos, com o desenvolvimento sustentável, dentre 193 países com posições inconciliáveis, numa organização em que se decide por consenso.

O texto final da conferência fixa o ano de 2015 como sendo a nova data da sustentabilidade global. É quando deverão entrar em vigor os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ideia lançada no Rio e que deverá ganhar definições de temas e metas a partir de 2013. Os objetivos são o principal processo internacional lançado pela Rio+20, que também prometeu adotar um programa de dez anos para rever os padrões de produção e consumo da humanidade. Outras decisões esperadas, como um mecanismo de financiamento ao desenvolvimento sustentável e um acordo sobre a proteção do alto-mar, ficaram para depois.

Ao Brasil faltou ousadia, uma vez que, ocupamos o primeiro lugar entre os países megadiversos – grupo que reúne 17 países que respondem por 70% da diversidade de espécies do planeta -, abrigamos 12% da água doce do mundo, produzimos mais alimentos do que consumimos, e possuímos matriz energética renovável. Somos a sexta maior economia do mundo em  contraposição, ocupamos a 84ª posição no índice de desenvolvimento humano (IDH), devido a problemas como desigualdade social e pobreza.

Conferência da Rio+20: avaliação

A meu ver perdemos a oportunidade de ousar e nortear o mundo para uma concreta busca da economia verde. O grande tema da Rio + 20 era “Que futuro queremos” , mas o documento final não nos fornece a rota nem os meios de percorrê-la.Como País anfitrião deixamos  a desejar na condução do processo, apesar das dificuldades oriundas da crise europeia.

De toda forma, a visão do copo cheio ficou por conta dos eventos paralelos, da sociedade civil organizada e do movimento nas redes sociais que como destacou a ex Ministra Marina Silva pode ser a esperança de um novo mundo.

“Está surgindo um novo tipo de ativismo: o ativismo autoral. Nós, os mais velhos, somos da época do ativismo dirigido. Precisávamos de partidos e organizações para atuarmos. Hoje, as tecnologias da informação permitem que cada pessoa seja autora de sua militância. Hoje somos todos protagonistas. Mas temos que ter o cuidado de não cair no individualismo. O interesse coletivo tem que ser autoral”.

Sou daqueles que fica com o copo meio cheio, uma vez que, se a Rio 92 foi um grande encontro para conscientização e alerta, a Rio+20 foi uma convenção para combinar os caminhos a seguir. Que a conferência seja apenas o início de um amplo debate e com ações para construção do mundo que queremos.

Segue abaixo um excelente quadro resumo elaborado pelo Jornal Folha de São Paulo sobre a conferência.

Imagem: Folha de São Paulo
FONTE: Verde Ghaia, por Leonardo Gontijo – Diretor do Departamento Jurídico da Verde Ghaia, consultor ambiental e professor universitário
Por Leonardo Gontijo Vieira Gomes *


Evite multas e penalidades investindo em treinamentos das NRs


 

As recentes mudanças na legislação de saúde e segurança no trabalho pedem novos treinamentos e o não cumprimento da obrigatoriedade proposta pelas normas de regulamentadoras do MTE podem gerar multas, penalidades, acidentes de trabalho, entre outros.

Portanto, para atender essa demanda e otimizar o trabalho dos técnicos e gestores da saúde e segurança, a Verde Ghaia oferece novos cursos de SST, cada vez mais focados nos ramos de atividades dos nossos clientes.

Mudanças na Legislação de Saúde e Segurança no Trabalho

Confira alguns deles a seguir:

 NR 5 – CIPA

A Norma Regulamentadora nº. 5 do MTE prevê a obrigatoriedade do treinamento para membros da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA ou ainda para as pessoas designadas pela empresa para o cumprimento das atribuições no caso dela não se enquadrar no dimensionamento previsto no quadro anexo da NR.

O treinamento de membros e designados é tão importante quanto a existência da própria CIPA. É através do treinamento desses agentes da prevenção que conceitos importantes e informações mínimas necessárias lhe serão passadas, pois não se faz prevenção sem conhecimento. Por essas e outras razões que um treinamento de qualidade pode ser fator determinante para encaminhar a gestão da CIPA ou do designado para o sucesso.

NR 11 – OPERADOR DE EMPILHADEIRA

Um operador de empilhadeira que não recebe capacitação pode representar vários  riscos, como por exemplo:  risco para sua vida, tombamento, acidente com pedestres, danos ao equipamento, manuseio incorreto da carga.

A NR 11 – Transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais – prevê a obrigatoriedade de treinamento para a prevenção da saúde e segurança do operador desse instrumento de trabalho. É crescente a necessidade de estocagem de materiais em extensas dimensões, haja vista o tamanho de fábricas e armazéns de produtos. Analisando essa procura do mercado e visando à alta qualificação de profissionais, a Verde Ghaia formulou o curso de Formação de Operador de Empilhadeira, que atende às exigências da norma de segurança – NR-11 e oferece ao operador técnicas eficazes para o correto manuseio de empilhadeira, garantindo, assim, a segurança do operador, da máquina e dos materiais por ela transportados.

NR 12 – Máquinas e equipamentos

As medidas de proteção para a operação, manutenção, inspeção ou intervenção em máquinas e equipamentos foram regulamentadas na NR 12. Essa capacitação dever ser realizada para os operadores de máquinas e equipamentos, maiores de 18 anos, salvo na condição de aprendiz (Consultar o Capítulo IV da CLT, “Da Proteção do Trabalho ao Menor”, artigo 402 ao 441).

Conheça outros treinamentos da Verde Ghaia através do telefone 31 2127-9137 e e-mail


Como fiscalizar tempo de direção e descanso do motorista profissional


 

Foi publicada no dia 14 de Junho de 2012, no Diário Oficial da União, a Resolução Contran nº 405, de 12-06-2012 que dispõe sobre a fiscalização do tempo de direção do motorista profissional de que trata o artigo 67-A, incluído no Código de Transito Brasileiro – CTB, pela Lei nº 12.619, de 30 de abril de 2012.

Descanso motorista profissional: Cálculos

Descanso motorista profissional, é um item presente na resolução. A sua finalidade visa estabelecer os procedimentos para fiscalização do tempo de direção e descanso do motorista profissional na condução dos veículos de transporte e de condução de escolares, de transporte de passageiros com mais de 10 (dez lugares), e de carga com peso bruto total superior a 4.536 (quatro mil e quinhentos e trinta e seis) quilogramas.

Ressalta-se que motorista profissional é aquele condutor que exerce atividade remunerada na condução do veículo; e tempo de direção o período em que o condutor estiver efetivamente ao volante de um veículo em movimento.

O art.3º desta Resolução dispõe sobre as condições na qual o motorista profissional, no exercício de sua profissão fica sujeito, conforme determinação da Lei 12.619, de 2012. Essas condições estipulam os intervalos mínimos de descanso que cada motorista deve observar e cumprir para estar dentro do que é considerado seguro, e em conformidade à lei. É responsabilidade do motorista profissional o controle do tempo de direção estipulados.

Descanso motorista profissional: Condutas previstas

Importante frisar que, a fiscalização das condutas previstas na Resolução Contran nº 405, de 12-06-2012 é de competência do órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via em que ocorrer a abordagem do veículo.

Por fim, informamos que o descumprimento dos tempos de direção e descanso previstos, sujeitará o infrator à aplicação das penalidades e medidas administrativas previstas no inciso XXIII do art. 230 do Código de Trânsito Brasileiro, entre elas, a retenção do veículo.

Os órgãos de trânsito com circunscrição sobre a via têm até 45 dias, contados a partir do dia 14-06-2012, para orientar os condutores quanto aos requisitos contidos nesta Resolução, além de implementar campanhas educativas regulares quanto ao tempo de direção e descanso.

FONTE: Verde Ghaia, por Elícia Marzagão Campolina – Colaboradora do Banco de Dados


Projeto de Educação Ambiental Infantil: Semente Ecológica


 

Projeto Semente Ecológica foi criado em 1999 pela empresa de consultoria em sustentabilidade Verde Ghaia, mantenedora do Instituto Oksigeno, com a publicação de uma revistinha de educação ambiental para crianças.

Projeto Semente Ecológica voltada a Educação Infantil

Em 2006, o Instituto Oksigeno se tornou gestor do projeto, ampliando suas ações para além das revistinhas em quadrinhos, com a adoção de metodologias para educar de forma lúdica, com apresentações teatrais, brincadeiras e oficinas ecológicas, como, por exemplo:

  • Palestras,
  • Brincadeiras,
  • Cartilhas,
  • Livros,
  • Oficinas ecológicas,
  • CDs e DVDs.

Atividades Desenvolvidas com Comunidades 

No último Dia Mundial do Meio Ambiente o projeto de educação ambiental infantil Semente Ecológica, do Instituto Oksigeno fez sucesso em suas apresentações nos Parques Municipal Américo Renné Giannetti e das Mangabeiras animando e conscientizando crianças e adolescentes. Confira os vídeos!

Conheça um pouco sobre o Projeto Semente Ecológica.


Daniela Cavalcante entrega homenagem ao representante da PBH no ICLEI – Ações Sustentáveis


 

Neste sábado, dia 16 de junho, Daniela Cavalcante, vice-presidente do Instituto Oksigeno e Diretora Técnica da Verde Ghaia, entregou placa ao representante da Prefeitura de Belo Horizonte no ICLEI, em homenagem às boas ações sustentáveis realizadas durante o evento.

iclei instituto oksigeno

Homenagem às Ações Sustentáveis

O Instituto OKSIGENO parabeniza a Prefeitura de Belo Horizonte, na gestão do prefeito Márcio Lacerda, pelas ações socioambientais realizadas durante o Congresso Mundial do ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade. A elaboração do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa – referente às fontes poluidoras inevitáveis geradas no evento, e sua compensação reforçam o compromisso do Município com a sustentabilidade.

O Instituto Oksigeno foi responsável pelo inventário de emissões de gases de efeito estufa correspondente às fontes poluidoras inevitáveis como transporte dos participantes e geração de resíduos durante  a realização do evento. A Verde Ghaia foi a auditora do Selo de Evento Sustentável do Governo de Minas Gerais, tornando o ICLEI o primeiro evento a receber o certificado.

As equipes do Oksigeno e da Verde Ghaia, coordenadas por Gizelle Fonseca – coordenadora da Consultoria de Sustentabilidade da Verde Ghaia e coordenadora do Instituto Oksigeno, realizou entrevistas e coletaram informações para a realização do inventário e para auditoria do Selo de Evento Sustentável do Governo de Minas.

inventário auditoria Selo Evento Sustentável

Encontros realizados pelo ICLEI visam discutir sobre ações sustentáveis

Os encontros do ICLEI aconteceram de 14 a 17 de junho em diversos lugares de Belo Horizonte, confira:

Sesc Palladium – Abertura do Congresso na noite do dia 14 de Junho
Parque Municipal Américo Renné Gianetti – O Pavilhão no Parque abrigará as diversas sessões plenárias.
Hotel Othon Palace – O hotel será utilizado para sessões paralelas  e oficinas
Prefeitura de Belo Horizonte – Reunirá sessões paralelas e oficinas
Automóvel Clube – Espaço Gourmet – Será o local onde a maioria das refeições será servida.

Confira depoimentos de algumas personalidades que estiveram presentes  no ICLEI:

David Cadman – Presidente do ICLEI
Izabella Teixeira – Ministra do Meio Ambiente Cerimônia de Abertura ICLEI
Alexandre Padilha – Ministro da Saúde

Verde Ghaia, por Mônica Rosa
Coord. Comunicação Externa e Marketing


Verde Ghaia participa do “Conexão Empresarial” em Araxá


 

Deivison Pedroza, presidente da Verde Ghaia, está entre os mais de 400 empresários e políticos mineiros que participam da edição especial do “Conexão Empresarial” no Grande Hotel de Araxá, voltado para os que buscam incrementar os negócios com troca de conhecimentos. O evento que começou nesta quinta-feira estende-se até o dia 17, com palestras, atividades de networking, entretenimento e lazer.

Conexão Empresarial”

Regulamento

Entre as atividades está o lançamento do Prêmio Top of Sustainability, promovido pela Editora VB Comunicação e Instituto Oksigeno, com auditoria da Verde Ghaia. Confira o regulamento abaixo.

O “Conexão Empresarial” foi criado em 2009 pela Editora VB Comunicação, comandada por Paulo César de Oliveira (PCO) para fortalecer as relações e o conhecimento em almoços/debates, promovidos mensalmente, com a presença de lideranças empresariais de Minas e do Brasil em conferências ministradas por nomes influentes do cenário político-econômico. O sucesso repercutiu e deu origem a Edição Especial do projeto, realizada anualmente em um destino sempre fora de Belo Horizonte, onde os maiores representantes do PIB se encontram para debates sobre a economia brasileira e empreendedorismo num clima de descontração, entretenimento e networking.

1- Natureza do prêmio

O prêmio Top of Sustainability foi criado como forma de incentivo e valorização de empresas, cujos projetos, produtos, profissionais e campanhas tenham seu viés voltado para a sustentabilidade. A Editora VB COMUNICAÇÂO, ao lado do INSTITUTO OKSIGENO, quer conhecer, divulgar e homenagear instituições que realmente possuem iniciativas socioambientalmente responsáveis.

O discurso em favor de um mundo melhor já deixou de ser aludido como algo periférico e passou a ser considerado como condição “sine qua non” nos meios de comunicação, porém as ações que impactam efetivamente no meio ambiente, bem como no social, ainda são pouco expressivas.

Nos próximos anos essas questões ficarão ainda mais evidentes devido aos importantes eventos ocorridos este ano no Brasil como, por exemplo, o ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade (Belo Horizonte), a Rio + 20 e a Copa do Mundo de 2014.

Assim, a Editora VB Comunicação afirma seu compromisso jornalístico com a sociedade através deste prêmio, tornando ainda os cases vencedores uma série de bons exemplos para os mineiros.

2- Características da Premiação

Será selecionada a empresa que apresentar resultados positivos nas dimensões da conformidade legal e na excelência das práticas do tripé da sustentabilidade: responsabilidade social, meio ambiente e econômico. As empresas finalistas participarão de evento comemorativo promovido pela EDITORA VB COMUNICAÇÃO e INSTITUTO OKSIGENO a ser realizado no mês de setembro de 2012, no qual o vencedor será anunciado.

3- Categorias de Premiação

Uma equipe composta por profissionais e personalidades de destaque pela luta em prol do desenvolvimento sustentável, indicadas pela EDITORA VB COMUNICAÇÃO e INSTITUTO OKSIGENO, irá eleger as melhores iniciativas em 05 categorias:

Mineração;
Siderurgia;
Metal mecânica;
Automotivo;
Saúde e educação.

As personalidades avaliarão as empresas conforme a Carta de Orientação do Prêmio Top of Sustainability, a qual revelará os seguintes critérios para avaliação e escolha da melhor representante da categoria nos seguintes quesitos:

Investimento na área social,
Investimento ambiental,
Desenvolvimento campanhas educativas,
Trabalho de desenvolvimento da comunidade e colaboradores.

4- Indicação das empresas

Participarão do prêmio empresas que realizam a gestão da sua conformidade legal nos quesitos de Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança, Responsabilidade Social e/ou Segurança de Alimentos. A Verde Ghaia, empresa especializada em gestão da sustentabilidade, será responsável por indicar cinco empresas para cada categoria.

Empresas que ainda não fazem a gestão da sua conformidade legal deverão entrar em contato com a Verde Ghaia até o dia 30 de julho para obter informações de como participar do prêmio através do e-mail tsousa@verdeghaia.com.br indicando no assunto: TOP OF SUSTAINABILITY.

A escolha será realizada através de informações e indicadores do cadastro das empresas no Sistema Online de Gestão Integrada. As informações colhidas pela Verde Ghaia das cinco empresas de cada categoria com maior índice de conformidade legal serão repassadas aos profissionais e personalidades indicados pela EDITORA VB COMUNICAÇÃO e INSTITUTO OKSIGENO.

Cada personalidade ficará responsável por uma categoria e deverá escolher a que mais atende os requisitos citados no item 4. Com esses nomes em mãos, a Verde Ghaia finaliza a seleção, auditando as cinco vencedoras para escolher a empresa mais sustentável, ou seja, a grande vencedora do Top of Sustainability.

Metodologias utilizadas

Os profissionais da empresa utilizarão como metodologia:

Entrevista, por telefone, com responsáveis pelos Sistemas de Gestão das empresas: para conferência das certificações internacionais.

Auditoria de Conformidade Legal presencial e utilização do Sistema Online de Gestão Integrada – SOGI para avaliação da aplicação das normas dos sistemas de gestão implantados. A empresa será auditada por uma equipe multidisciplinar formada por advogados, engenheiro civil, engenheiro ambiental, técnico de saúde e segurança, biólogo, geógrafo, auditor líder em qualidade, mestre em responsabilidade social, dentre outros.

A Verde Ghaia é a única empresa de consultoria, do mundo, a conquistar a certificação integrada em 2009 e a re-certificação em 2010 e 2011. Prova do seu pioneirismo e do compromisso com a qualidade de seus serviços, são os 1,5 mil clientes conquistados, que atuam em variados segmentos, em níveis nacionais e internacionais, em 14 anos de atuação.

 5- Cronograma de trabalho

15/06/2012Lançamento Prêmio Top of Sustainability no Conexão Empresarial em Araxá.

1ª Etapa: 18/06/2012 a 29/06/2012 – Escolha das personalidades avaliadoras.

2ª Etapa: 02/07/2012 a 30/07/2012 – Seleção das empresas participantes do Prêmio Top of Sustainability.

3ª Etapa: 01/08/2012 a 15/08/2012 – Seleção da melhor empresa em cada categoria pelas personalidades brasileiras, a partir de critérios pré-definidos pelo Prêmio.

4ª Etapa: 16/08/2012 a 07/09/2012 – Auditoria nas cinco (05) empresas selecionadas em cada categoria para seleção da grande vencedora do Prêmio Top of Sustainability.

5ª Etapa: 10/09/2012 a 13/09/2012 – EDITORA VB COMUNICAÇÃO comunica as empresas participantes e finalistas sobre a festa de premiação, na qual serão divulgados os resultados.

6ª Etapa: 19/09/2012 – Evento para divulgação do Prêmio Top of Sustainability e premiação dos vencedores.

6- Critérios de Pontuação

A avaliação será qualitativa. Todas as empresas serão avaliadas igualmente, vencendo quem tiver melhor desempenho em seus sistemas de gestão, conformidade legal e ações sociambientais.

A possibilidade de empate é remota, mas se mesmo assim acontecer, a comissão técnica decidirá em censo comum ou, se for necessário, realizará nova auditoria nas empresas em questão. Situações não contempladas no regulamento e/ou critérios, serão analisadas pela comissão técnica, cuja decisão será soberana não cabendo recursos ou questionamentos.

Dúvidas: tsousa@verdeghaia.com.br

 7- Premiação

Grande vencedor: 

Prêmio Top of Sustainability
Menção honrosa na festa de premiação;
Espaço de 15 minutos para apresentação da empresa na festa de premiação;
Publicação de reportagem especial e publicidade nas publicações da EDITORA VB COMUNICAÇÃO;
Divulgação em veículos de comunicação digital da empresa auditora – especialista em gestão da sustentabilidade, Verde Ghaia.

Vencedores nas categorias:

Placa/Troféu comemorativa Prêmio Top of Sustainability
Menção honrosa na festa de premiação;
Espaço de 10 minutos para apresentação da empresa na festa de premiação;
Publicação de reportagem especial e publicidade nas publicações da EDITORA VB COMUNICAÇÃO;
Divulgação em veículos de comunicação digital da empresa auditora – especialista em gestão da sustentabilidade, Verde Ghaia.

 8- Coordenação e auditoria

A realização, desenvolvimento, premiação e divulgação do Prêmio Top of Sustainability serão de responsabilidade da EDITORA VB COMUNICAÇÃO e INSTITUTO OKSIGENO, em coordenação com o VERDE GHAIA.

A EDITORA VB COMUNICAÇÃO reserva-se a prerrogativa de alterar este regulamento naquilo que julgar conveniente, sempre que necessário e no melhor espírito de contribuição para melhorias no Prêmio.

9- Dúvidas

Para orientações, contato via email tsousa@verdeghaia.com.br
Telefone 31 2127-9137
Responsável: Taís Ude / Verde Ghaia


Oksigeno e Verde Ghaia participam do ICLEI 2012 visando Evento Sustentável


 

O Instituto Oksigeno é o responsável pelo projeto entregue ao Governo de Minas Gerais que tinha como objetivo incentivar o evento do ICLEI a ser certificado pelo Selo de Evento Sustentável do Governo. Com a aceitação do mesmo, o ICLEI torna-se o primeiro evento a conquistar esta certificação.

Instituto Okisegno promove Evento Sustentável

O Congresso Mundial do ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade 2012, que será realizado de 14 a 17 de junho, em vários locais do município de Belo Horizonte, acontece pela primeira vez na América Latina e tem a sustentabilidade como tema central. Durante todo o evento, consultores do Instituto Oksigeno avaliarão e receberão informações sobre as fontes poluidoras inevitáveis, como transporte dos participantes e os resíduos gerados para fazer o inventário de emissões de gases de efeito estufa. A Verde Ghaia atuará como auditora desse processo.

Para esta edição, são esperados mais de mil participantes, entre representantes de governos locais e nacionais, organizações internacionais, empresários, acadêmicos e ONGs.

A ideia é debater sobre questões ambientais e a sua interatividade com aspectos políticos, econômicos, urbanos, sociais e culturais. Na ocasião, serão realizadas palestras com renomados especialistas e líderes mundiais envolvidos com a questão da sustentabilidade como o presidente do ICLEI, David Cadman; o coordenador executivo da Rio+20, Brice Lalonde; a diretora-geral da International Union for Conservation of Nature (IUCN), Julia Marton-Lefèvre; além de representantes do governo nacional e local como a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira; o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia e o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, entre outros.

O Congresso Mundial do ICLEI já foi realizado em cidades como Atenas, Grécia (2003), Cidade do Cabo, África do Sul (2006) e Edmonton, Canadá (2009).

Informações: World Congress 2012
FONTE: Verde Ghaia


Reflexões sobre sustentabilidade numa visão da Rio +20


 

Ontem, quando estava lendo algumas notícias sobre a Conferência das Nações Unidas, Rio +20, três frases, de duas pessoas que admiro, me chamaram a atenção:

“Empresa que respeita o ambiente costuma ter resultado melhor.” Fábio Barbosa
“Desenvolvimento Sustentável é saber usar os recursos de milhares de anos, não para o lucro de poucos em alguns anos.” Marina Silva
“Nós estamos vivendo uma doença chamada o mal do excesso, o que nos falta é a falta da falta” Marina Silva

Sustentabilidade: Rio+20

Ao refletir sobre o teor das frases destacadas, constatei que a humanidade possui em suas mãos uma oportunidade única em tempos de Rio + 20, a de se reverter um pouco o caminho que se está traçando para os próximos anos.

É sabido que meio ambiente é uma parte da sustentabilidade, que não é só ambiental, tem a questão social, econômica, da garantia da dignidade da pessoa humana, da diversidade, da relação com fornecedores e tudo mais.

A Rio+20 mostra que este tema é crescente e não é um assunto que pode ser resolvido dentro das fronteiras de cada país. Assim, como fluxos financeiros e migratórios não se restringem mais a fronteiras, as questões do meio ambiente também não. Não há possibilidade de um país cuidar disso sem que outros o façam.

Penso que a questão ambiental não deve ser vista como uma restrição ao andamento dos negócios, mas sim como uma inspiração para inovação e desenvolvimento de novos negócios. Há uma série de oportunidades que estão surgindo como resposta a essa demanda da sociedade, desde materiais biodegradáveis a diesel menos poluente ou embalagens retornáveis.

Baseando no que disse Leonardo Boff creio que se impõem três atitudes que precisamos desenvolver em tempos de Rio +20. A primeira é conscientizar os tomadores de decisões e toda a humanidade dos riscos a que estão submetidos o sistema-Terra, o sistema-vida e o sistema-civilização.

Sustentabilidade: atitude que urge

A segunda atitude é que urge deslocar a discussão do tema do desenvolvimento para o tema da sustentabilidade.

A terceira atitude é de trabalho crítico e criativo para proposta de novos rumos. Há muitas iniciativas que podem ser implementadas e que apontam para o novo tais como, Economia Verde, Ecoeficiência, Análise do Ciclo de Vida, Consumo Consciente, Valorização de produtos locais, diminuição de deslocamentos, transparência, relatórios sócio ambientais, relações ganha –ganha, etc.

Como destacado por Fábio Barbosa é fato que as empresas que possuem mais transparência e confiabilidade nos relatórios ambientais e sociais representavam menor risco de acidentes. Que as empresas que cuidam da questão ambiental têm, em geral, uma administração competente também nas demais áreas, como por exemplo, boa performance financeira.

Enfim, seja por convicção, seja por conveniência, acho que todos que valorizam o tema, de alguma maneira contribuem para que caminhemos na direção correta. Aqueles que vêm por convicção e estão fazendo a coisa certa, já deram a sua contribuição para o processo, ganharam muita visibilidade e muita perenidade nos seus negócios. Aqueles que estão vindo por conveniência acabam comprometidos sem que percebam.

Considerações Finais

Deste modo, a sociedade tende a cobrar cada vez mais das empresas, uma vez que a sustentabilidade do negócio deixou de ser como há dez anos, quando era uma curiosidade, talvez um devaneio. Neste esteio, a grande mudança é visão do “novo consumidor”, especialmente os jovens, mais conscientes, que certamente nos próximos anos vão determinar o padrão de produção de muitas empresas.

Mais uma vez, destacamos o disposto por Fábio Barbosa ao contemplar que temos que buscar o mundo do “e” e não o mundo do “ou”. Não podemos ficar no debate simplista de que ou se produz alimentos ou se controla o impacto ambiental. Temos, através da Ciência, de normas claras e de produtividade, buscar o equilíbrio entre estes os dois. A Rio +20 é mais uma oportunidade para todos mostrarem que a compatibilização é possível.

FONTE: Verde Ghaia, por Leonardo Gontijo * Consultor ambiental e professor universitário

Por Leonardo Gontijo Vieira Gomes *


Blog VG