setembro 2019 | Grupo Verde Ghaia
×

Nestlé conquista Prêmio em Qualidade e em Segurança de Alimentos


 

A Nestlé é a maior empresa mundial de alimentos e bebidas. Está presente em mais de 200 países com mais de 2.000 marcas, incluindo as icônicas globais até às marcas favoritas dos mercados locais.

Atualmente atua em 13 segmentos de mercado: lácteos, cafés, bebidas, cereais, biscoitos, nutrição infantil, nutrição de performance, congelados e temperos, chocolates e achocolatados, balas, refrigerados, sorvete, águas e rações animais.

Conheça a História de atuação da Nestlé

Nestlé conquista Prêmio em Qualidade e em Segurança de Alimentos
Prêmio Compliance Brasil, da Verde Ghaia – Sicepot em BH.

Desde o seu surgimento em 1866, e inspirada pelo avanço científico de seu fundador, Henri Nestlé, a Nestlé assumiu o compromisso com a qualidade, o comprometimento com a responsabilidade empresarial, a excelência da transparência em seus negócios, o cumprimento de todas as leis vigentes e a segurança de que todas as suas atividades sejam sustentáveis.

A sua gestão empresarial é denominada de “Criação de Valor Compartilhado”. Trata-se de desenvolver suas principais atividades e parcerias em benefício coletivo dos consumidores das comunidades nas quais localizam-se suas unidades.

Ao fazer isso, a Nestlé mantém uma visão bastante ampla para o desenvolvimento de negócios e também acolhe o diálogo com parceiros externos comprometidos a agir em consonância aos princípios estabelecidos, que evoluem de acordo com as constantes mudanças ao redor do mundo. Isso inclui autoridades governamentais e regulatórias, organizações intergovernamentais, organizações não governamentais, entidades acadêmicas e profissionais, e comunidades locais.

Essa forma de trabalhar faz com que, em qualquer parte do mundo, o nome Nestlé represente uma promessa ao consumidor de que o produto é seguro e produzido segundo os mais altos padrões de qualidade, contribuindo para um futuro mais saudável.

Sistema de Gestão da Qualidade e Segurança de Alimentos

Estar em compliance é parte integrante da Política da Qualidade e Segurança dos Alimentos da Nestlé. Esta política segue as normas da NQMS – Nestlé Quality Management System (Sistema de Gestão da Qualidade Nestlé), elaborado na Suíça para ser aplicado em todas as suas fábricas espalhadas pelo mundo.

E é através da sua Política da Qualidade e Segurança dos Alimentos que a Nestlé garante a construção da confiança, pela oferta de produtos e serviços que atendam à expectativa e à preferência do consumidor e também obedece a todas as exigências internas e externas referentes à segurança alimentar, assuntos regulatórios e qualidade.

Quatro Pilares da Nestlé

Quatro Pilares da Nestlé para a excelência em Sistema de Gestão
Normas Internacionais: primeiro passo para excelência em Gestão de Risco
  • Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade por processos no qual as funções de toda a cadeia de valor são responsáveis em atingir os objetivos da qualidade;
  • Uma estrutura de Sistema da Qualidade baseada em requisitos estabelecidos de forma centralizada, em padrões de qualidade específicos por produto e em gestão local;
  • Obtenção de Conformidade através de execução sem falhas, comunicação factual e transparente e verificação através de auditorias independentes;
  • Implementação de programas de melhoria contínua para se conquistar definitivamente a confiança e preferência do consumidor através da excelência em competitividade.

No Brasil, todas as suas fábricas possuem um núcleo integrado que garante seu padrão de qualidade. Suas matérias-primas são selecionadas, vindo de fornecedores qualificados e dando preferência às fontes locais e abastecimento de fontes naturais, utilizando processos tecnológicos de última geração e automatizando sua produção em larga escala.

As normas ISO 9001 e FSSC 22000 são aplicadas em todas as unidades produtoras e cobre toda a cadeia produtiva, incluindo operações de P&D, produção, armazenagem e distribuição. Após sua entrega nos postos de vendas, a empresa disponibiliza ainda uma equipe para acompanhar e orientar a forma de estocagem e exposição.

A demonstração de cumprimento aos sistemas de gestão mencionados é realizada através de diversas formas de verificações periódicas com equipes de auditores devidamente preparados: auditoria interna da unidade, auditoria interna com auditores independentes e auditoria externa para certificação do sistema. Além disso, a empresa possui diversos profissionais da área tais como: biólogos, agrônomos, nutricionistas e engenheiros de alimentos.

Considerações Finais

Atualmente todas as trinta fábricas e os três centros de distribuição estão certificados quanto à aplicação da ISO 9001 e FSSC 22000.

Para a Nestlé, qualidade é um compromisso de todos, devendo ser buscado diariamente para promover melhorias constantes e atingir níveis superiores de qualidade, de forma ambientalmente sustentáveis e ao mesmo tempo criando valor compartilhado tanto para seus acionistas, clientes, colaboradores, fornecedores quanto para toda a sociedade.



Qual o passo a passo para me certificar na Norma ISO 9001?


 

A ISO – International Organization for Standardization ou Organização Internacional para Padronização – é uma organização não governamental fundada em 1947 e com sede em Genebra, Suíça. Seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificações, e seu intuito é incentivar o comércio de bens e serviços.

A ISO 9001 é uma das normas certificadoras mais conhecidas e abrange especificamente a Gestão de Qualidade, sendo responsável por definir os requisitos para gerenciamento de processos e estimulando as empresas a assumirem compromissos com a melhoria contínua.

ISO 9001 e suas atualizações

Como toda Norma, ao longo dos anos a ISO 9001 passou por uma série de atualizações. No entanto, apenas a ISO 9001:2015 é passível de certificação. As outras são diretrizes para se adotar nos processos internos da empresa.

ISO 9000:2015 – Abrange os conceitos básicos e terminologia da norma.

ISO 9001:2015 – Estabelece os requisitos para um sistema de gestão da qualidade.

ISO 9004:2009 – Mostra como aumentar a eficiência e eficácia de um sistema de gestão da qualidade.

ISO 19011:2011 – Estabelece as diretrizes para auditorias internas e externas de sistemas de gestão da qualidade.

ISO 9001:2015 – Propõe ferramentas estratégicas e diretrizes para ajudar as empresas a enfrentar alguns dos desafios mais exigentes. Ela assegura o comprometimento do pessoal, padroniza processos, potencializa ao máximo a eficiência das operações, e promove a redução de perdas. Como conseqüência, gera o aumento da produtividade, corta custos através da melhoria de sistemas e processos, fideliza clientes, promove a marca e aumenta a competitividade no mercado.

A ISO 9001: passo a passo para se certificar

Alguns gestores costumam enxergar as cerificações da ISO como conquistas impossíveis, mas tal conceito não poderia estar mais equivocado. A ISO 9001, por exemplo, é de aplicabilidade relativamente fácil e traz grandes benefícios à organização como um todo.

Um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) age nas rotinas produtivas, no planejamento e nos indicadores de resultados da empresa, auxiliando no mapeamento dos processos, padronizando as atividades e assim garantindo maior segurança, facilidade de execução, menores perdas e atendimento correto aos prazos. Tudo isto reflete na qualidade dos produtos e serviços oferecidos, e também na satisfação de clientes e fornecedores.

Passo a passo para conquistar o selo ISO 9001.

Elabore um planejamento estratégico. Este documento conterá as análises dos ambientes e das condições competitivas da organização em seu mercado de atuação. Neste planejamento também devem estar listados os objetivos da organização para um determinado período, bem como as ações necessárias para alcançar tais objetivos. Inclua também os indicadores de desempenho, as metas da organização e o que mais considerar relevante. O planejamento estratégico é praticamente um mapa para definir os padrões de qualidade da empresa.

Ciclo PDCA: A ISO 9001 é baseada no Ciclo PDCA (plan-do-check-act/planejar-fazer-checar-agir), uma ferramenta de gestão que visa promover a melhoria contínua dos processos, principalmente porque se volta para a causa do problema, e não para suas consequências. Assim, torna-se possível aperfeiçoar os planos de ação para atingir os resultados desejados com mais eficácia e qualidade.

A metodologia PDCA se concentra na análise e nas modificações de processos que não estejam atendendo às exigências, e pode ser aplicada em todos os setores. Para colocar em prática o PDCA, a organização basicamente deve avaliar cada etapa de seus processos, sempre verificando o que funciona e o que não funciona, e corrigindo o que for necessário. Lembrando que uma nova análise dos processos deve se dar em períodos regulares, até mesmo para se adequar às atualizações tecno-mercadológicas.

Estude os requisitos dos clientes. Conhecendo bem as necessidades dos clientes, sua empresa poderá implementar os controles operacionais adequados e assegurar que os desvios sejam detectados antes que o produto ou serviço chegue ao cliente final. Deste modo, os índices de satisfação serão cada vez maiores. A ISO 9001 também prevê atividades pós-venda a fim de verificar o atendimento aos requisitos.

Envolva toda a empresa. Um Sistema de Gestão da Qualidade é parte integrante da administração geral de uma organização e faz diferença em todos os departamentos: operacional, administrativo, financeiro, setor de qualidade, manutenção, compras etc. Para implementar um SGQ eficaz, o esforço deve ser coletivo. Todos devem participar, sem exceção.

Organize-se. Nenhuma empresa consegue homogeneizar seus processos se não estiver devidamente organizada. Documentos, arquivos, recibos e até mesmo o espaço físico… Tudo deve estar em seu devido lugar e de fácil acesso. Este passo, inclusive, facilita muito caso haja necessidade de auditoria.

Usufrua da tecnologia. Para organizar e padronizar processos, tire pleno proveito da tecnologia. Hoje já temos vários softwares de gestão que auxiliam desde a organização das tarefas ao monitoramento legal da atividade do negócio.

Auditorias internas e externas. Toda organização que pretende conquistar um selo ISO precisará passar por uma auditoria, cuja função será exatamente constatar que todos os requisitos necessários para conquistar a certificação estão sendo cumpridos.

Quando todos os seus processos estiverem padronizados e funcionais, você deve realizar uma auditoria interna, a qual servirá como uma grande revisão e preparo antes da auditoria externa, aquela que concederá o selo ISO à empresa.

Considerações Finais

A certificação ISO 9001 configura valor à sua marca, melhorando a imagem da organização perante órgãos governamentais e instituições financeiras, e com isso facilitando a abertura para negociações e até obtenções de empréstimos e financiamentos.

Mas, mais importante: com a ISO 9001, a organização alinha suas metas de qualidade ao planejamento estratégico da empresa, tendo como princípio a prevenção de falhas, defeitos, retrabalhos, desperdícios, atrasos e outros riscos que possam ameaçar a qualidade de seus produtos e serviços. Com isto, cria-se uma mentalidade voltada a riscos, sempre atenta a oportunidades a melhorias constantes.

Em tempos de crise, estabelecer um Sistema de Gestão de Qualidade é um diferencial competitivo que não apenas pode garantir a permanência da empresa no mercado, como também ser o primeiro passo para se tornar um líder em seu setor.


Publicadas Portarias que aprovam e regulamentam a NR 03


 

PUBLICADAS PORTARIAS QUE APROVAM E REGULAMENTAM NOVO TEXTO DA NORMA REGULAMENTADORA 03 – EMBARGO E INTERDIÇÃO

Foram publicadas no Diário oficial da União, no dia 24/09/2019, as Portaria ME Nº 1.069, de 23-09-2019 e Portaria ME Nº 1.068, de 23-09-2019 que dispõem sobre procedimentos relativos aos embargos e interdições, aprovando e regulamentando a Norma Regulamentadora nº 03.

Dentre as diretrizes trazidas por estas Portarias, a Norma Regulamentadora nº 03 passa a vigorar com a redação constante do Anexo da Portaria ME nº 1.068, de 24/09/2019, cujas alterações entrarão em vigor em 120 (cento e vinte) dias, contados do dia 24/09/2019.

A disposições trazidas pela Portaria ME Nº 1.069, de 23-09-2019, disciplinam os procedimentos de embargo e interdição previstos na Consolidação das Leis do Trabalho CLT e na Norma Regulamentadora nº 03. As disposições nela contida são medidas de caráter urgente, tendo por objetivo evitar o dano à integridade física do trabalhador.

A Portaria 1.069/19 ainda institui como obrigatório o uso do sistema eletrônico para a lavratura de Termos e Relatórios Técnicos relativos a embargo ou interdição, inclusive aqueles referentes aos levantamentos ou manutenções.

Fica estabelecido para entrada em vigor destas normas, o prazo de 120 (cento e vinte) dias da data de sua publicação.

Para maiores esclarecimentos, acesse a íntegra do texto destas Portarias por meio do módulo LIRA do Sistema SOGI ou através do site Future Legis.

Marcelo Augusto Baltazar Fernandes Júnior / Departamento Jurídico


Publicada Portaria que altera a Norma Regulamentadora – NR 28


 

Foi publicada no Diário Oficial da União, no dia 24/09/2019 a Portaria ME nº 1.067, de 23/09/2019 que dispõe sobre alterações na redação da Norma Regulamentadora nº 28 – Fiscalização e Penalidades.

De acordo com as disposições desta norma, fica alterado o Anexo II da Norma Regulamentadora nº 28, que conforme previsto na Portaria SIT nº 787, de 27 de novembro de 2018, deve ser interpretado com a tipificação de “Tipo 1” – NR Geral.

Além disto, ficam revogadas uma série de Portarias em sua íntegra, além de revogar alguns artigos de outras Portarias. Vale ressaltar que esta Portaria entrará em vigor 45 (quarenta e cinco) dias após a data de sua publicação.

Para maiores esclarecimentos, acesse a íntegra do texto desta norma por meio do módulo LIRA do Sistema SOGI ou através do site Future Legis.

Marcelo Augusto Baltazar Fernandes Júnior / Departamento Jurídico


PUBLICADA NOVA REDAÇÃO DA NR 24


 

Entrou em vigor no dia 24 de setembro de 2019, através do Diário Oficial da União, a Portaria ME nº 1.066, de 23/09/2019 que aprova a nova redação da Norma Regulamentadora nº 24 – Condições de Higiene e Conforto nos Locais de Trabalho.

Dentre as alterações trazidas pela norma, fica determinado que a Norma Regulamentadora nº 24 e seus Anexos serão interpretados conforme o disposto na tabela abaixo:


Regulamento Tipificação
NR-24 NR Especial
Anexo I Tipo 2
Anexo II Tipo 2
Anexo III Tipo 2

Tais Anexos, I, II e III, aplicam-se a Condições Sanitárias e de Conforto Aplicáveis a Trabalhadores em “Shopping Center”, a Trabalhadores em Trabalho Externo de Prestação de Serviços e a Trabalhadores em Transporte Público Rodoviário Coletivo Urbano de Passageiros em Atividade Externa, respectivamente.

Por fim, esta Portaria ainda revoga a Portaria SSST nº 13, de 17 de setembro de 1993.

Para maiores esclarecimentos, acesse a íntegra do texto desta Portaria por meio do módulo LIRA do Sistema SOGI ou através do site Future Legis.

Marcelo Augusto Baltazar Fernandes Júnior / Departamento jurídico


Flexibilização na Lei Trabalhista e fim do E-Social


 

O Diário Oficial da União publicou a Lei Nº 13.874, de 20-09-2019, que institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica; estabelece garantias de livre mercado; altera as Leis nºs 10.406, de 10-01-2002 (Código Civil), 6.404, de 15-12-1976, 11.598, de 03-12-2007, 12.682, de 09-07-2012, 6.015, de 31-12-1973, 10.522, de 19-07-2002, 8.934, de 18-11-1994, o Decreto-Lei nº 9.760, de 05-09-1946 e a Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 01-05-1943; revoga a Lei Delegada nº 4, de 26-09-1962, a Lei nº 11.887, de 24-12-2008, e dispositivos do Decreto-Lei nº 73, de 21-11-1966; e dá outras providências.

Alterações Relevantes na Legislação Trabalhista

Em seu Art. 15, a Lei trouxe alterações relevantes na legislação trabalhista:

Agora a CTPS será emitida pelo Ministério da Economia preferencialmente em meio eletrônico. Excepcionalmente, a CTPS poderá ser emitida em meio físico. A identificação única do empregado será o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF).

O empregador terá o prazo de 5 (cinco) dias úteis para anotar na CTPS, em relação aos trabalhadores que admitir, a data de admissão, a remuneração e as condições especiais, se houver, facultada a adoção de sistema manual, mecânico ou eletrônico, conforme instruções a serem expedidas pelo Ministério da Economia.

Para os estabelecimentos com mais de 20 (vinte) trabalhadores será obrigatória a anotação da hora de entrada e de saída, em registro manual, mecânico ou eletrônico, conforme instruções expedidas pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, permitida a pré-assinalação do período de repouso. Se o trabalho for executado fora do estabelecimento, o horário dos empregados constará do registro manual, mecânico ou eletrônico em seu poder. Fica permitida a utilização de registro de ponto por exceção à jornada regular de trabalho, mediante acordo individual escrito, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho.

Será o Fim do E-social?

A Lei também traz em seu Art. 16 o fim do e-Social. O Sistema de Escrituração Digital de Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (e-Social), que unifica o envio de dados de trabalhadores e de empregadores, será substituído por um sistema mais simples, de informações digitais de obrigações previdenciárias e trabalhistas.

Além disso, a Lei altera o processo de alvará e licenças dos pequenos comércios; o valor jurídico dos documentos públicos digitais; o abuso regulatório, para impedir que o Poder Público edite regras que afetem a “exploração da atividade econômica” ou prejudiquem a concorrência; a desconsideração da personalidade jurídica; negócios jurídicos; súmulas tributárias; fundos de investimentos e extinção do fundo soberano.

Para mais esclarecimentos, acesse a íntegra do texto desta Lei por meio do módulo LIRA do Sistema SOGI ou através do site Future Legis.

Letícia Caroline Nunes Ferreira / Legislação e Pesquisa


Como atender as principais exigências do consumidor nos dias de hoje?


 

Não se pode negar que nos dias de hoje as exigências do consumidor são uma pauta bastante recorrente no mercado, e não é para menos! Afinal, são essas exigências que vão determinar o que o consumidor vai ou não comprar, o que ele precisa, o que ele não quer mais e, principalmente, o que o mercado vai oferecer para sanar essa necessidade.

Diante de tal cenário, é fundamental que as empresas dediquem esforços para compreender melhor tudo que permeia o comportamento do consumidor e as exigências feitas por eles.

Isso é de suma importância, porque entendendo o comportamento do consumidor será possível compreender suas exigências. Em outras palavras, isso possibilita o entendimento de como clientes em potencial deverão responder a um novo produto ou serviço e ainda permite considerar onde estão oportunidades que eventualmente não estejam sendo atendidas por algum motivo.

Para esse entendimento, as empresas precisam fazer um questionamento: será que as ações da organização estão realmente conseguindo acompanhar as mudanças e também as exigências do consumidor? Caso a resposta seja não, calma, é possível atender a estas exigências de forma simples. E quer uma dica? Tem muito a ver com tudo que permeia um bom sistema de gestão.

Vamos lá!

Você consegue compreender de fato, as exigências do consumidor?

Diferencie-se dos seus concorrentes: Respire inovação

É importante ter em mente que os consumidores tendem a basear suas decisões na forma como se sentem, e muitas vezes utilizam a emoção para decidir pela compra, sem nem ao menos precisar realmente de tal produto ou serviço comprado.  

As empresas devem fazer uso dessa informação e basear suas estratégias de comunicação e os valores que defende nisso. Caso contrário, se pensar de forma tão simplificada sem considerar as emoções do cliente, a chance de colocar a empresa em risco é enorme. E se não saber olhar para as exigências do seu consumidor, sempre entregando o mesmo produto ou serviço, você não vai sair da zona de conforto. E sabemos muito bem que a zona de conforto não é lugar para empresas que querem crescer ficarem estacionadas.

Uma das maneiras de ficar atento a este ponto é ter um bom sistema de gestão implementado na empresa, que possa gerenciar todos os aspectos do negócio. Isso vai ajudar a atender também as principais exigências do consumidor.

Quando bem implantando, todos passar a ter uma melhor consciência sobre as responsabilidades dos processos da empresa e isso também pode ser uma resposta positiva para o consumidor final.

A crise é um alerta sobre a forma de como o consumidor se comporta

Os tempos de crise também podem afetar o comportamento do consumidor e até mesmo fazer com que eles tenham posições mais exigentes. Isso porque, de uma maneira geral, é preciso levar em conta que a crise acarreta 3 perfis de consumidores distintos, ou seja, aqueles que estão sem emprego, o que acabaram perdendo um e os que ainda permanecem empregados.

Por isso, a tendência geral quando há uma crise é a contenção de gastos. E então os consumidores poderão optar por produtos ou serviços que tenham melhor qualidade e com preços que estejam mais de acordo com o que podem gastar no momento.

Não ofereça o preço mais baixo, agregue valor e qualidade!

Mesmo em tempos de crise, não é o preço mais baixo que vai fazer o cliente comprar ou não. Na verdade, é uma total ilusão pensar que somente praticar preços menores no mercado irá satisfazer as exigências do consumidor – isso é um erro e um pensamento muito limitado!

Segundo o especialista Eduardo Multari, Diretor de Compras na Pfizer na América Latina, no passado era mais recorrente ter compradores que eram, simplesmente, operacionais. Isso quer dizer que o comportamento mais comum consistia no fato de que os consumidores realizavam cotações e tentavam fechar compras considerando sempre o menor preço.

Hoje em dia esse cenário mudou – e muito! O mercado está cada vez mais globalizado e a competitividade muito mais elevada. E a economia, especialmente no Brasil, ainda não está tão boa assim. Então, o importante nos momentos de crise é oferecer qualidade, agregar valor a seu produto, mostrar que você possui um diferencial em relação a concorrência e que, mesmo pagando um pouco mais, vale muito mais a pena comprar seu produto ou serviço.

Outro ponto fundamental refere-se em ter colaboradores preparados para entender os consumidores e os valores da empresa, sendo mais colaborativos e menos operacionais, bem como dedicar esforços para conhecer de forma mais assertiva quem são seus fornecedores e ainda todas as possibilidades de fornecimento envolvidas – que é o que veremos nos tópicos a seguir.

Empresas que tem a capacidade de ter esse comportamento sobrevivem a qualquer período, sejam bons ou ruins, porque entenderam quais as exigências do consumidor e as satisfazem.

Aposte em colaboradores menos operacionais e mais colaborativos

Para que se possa atender de forma eficiente as evidentes exigências do consumidor é preciso entender que nos dias atuais não é suficiente ter um time de colaboradores apenas operacional. Hoje, é essencial que a colaboração prevaleça entre eles, a fim de desenvolver as novas habilidades exigidas no mundo atual.

Em suma, os talentos devem ser mais amplos, com uma maior capacidade analítica e inovativa, com maior controle emocional e empatia, para entender realmente o cliente. Tudo isso é levando em conta nos dias atuais pelos consumidores e, novamente, as empresas precisam pensar nesse perfil de colaborador.

Invista em strategic sourcing e atenda as exigências do consumidor

Strategic sourcing é um método utilizado principalmente na área de suprimentos que avalia o custo total dos insumos (e não somente o menor preço) antes da efetivação de cada compra. São avaliados os custos internos e externos que afetam os produtos e serviços finais, como por exemplo o poder de negociação com fornecedores, a importância dos materiais para a empresa e os níveis de serviço, além do financeiro e logística.

Esse método está relacionado ao investimento na qualificação de líderes de uma empresa, para que se tornem profisionais do Strategic Sourcing a fim de compor um time de compras ainda mais eficiente e promissor.

Vale salientar que muitas empresas ao redor do mundo já entenderam que esse é um fator imprescindível para suprir as exigências do consumidor e também garantir a maximização do custo-benefício, agilizando o fluxo de atendimento do mercado. Isso porque, através da strategic sourcing, torna-se possível desenvolver uma visão ainda mais profunda sobre o mercado de uma maneira geral e ainda abordar uma série de estratégias dentro dos processos corporativos.

Além disso, é uma forma muito relevante de se estabelecer uma redução de riscos dentro da empresa, principalmente no que diz respeito à área de compras – tudo por meio de Políticas e Compliance.

Invista em Supply Chain: superação de desafios e consolidação do sucesso

Investir em Supply Chain é a melhor maneira de ir ao encontro de uma dose elevada de proatividade, bem como dinamismo, liderança, visão, energia e até mesmo maturidade dentro de uma empresa!    

Esse termo é comumente confundido com os processos de logística, mas é preciso salientar que o Supply Chain engloba, na verdade, um conjunto de métodos, conceitos e também formas de se conduzir operações a respeito do fluxo de mercadorias, podendo atingir positivamente as exigências do consumidor.

Importantes personagens, como distribuidores, atacadistas e até mesmo transportadores são inseridos no que chamamos de “teatro de operações” de forma totalmente estratégica, sendo que cada um desempenha um papel extremamente relevante.

A aplicabilidade de tal conceito se faz indispensável nos dias de hoje, uma vez que ele aposta no uso de tecnologias que permitam conceber uma melhor gestão das operações. Ou seja, possibilita o uso de recursos mais modernos e dinâmicos.

Em suma, o Supply Chain visa a integração das diversas fases pertinentes ao poder de venda em uma empresa, garantindo uma visão mais positiva no mercado, e logicamente, também pelo consumidor final.

Exigências do consumidor x sistema de gestão

Perceberam algo em comum entre tudo o que foi falado aqui? Todos os pontos destacados como necessários para analisar o comportamento dos consumidores e entender as suas exigências nos dias de hoje fazem parte igualmente de um bom sistema de gestão.

Isso não é coincidência, porque somente tendo um bom sistema de gestão que envolva todos os setores da empresa, e que saiba fazer a leitura dos seus clientes, entendendo o que eles necessitam e exigem, é que vai possibilitar o crescimento. Olhar para o cliente é essencial, mas também saber olhar para dentro da própria empresa é fundamental.


STRESS NO MUNDO CORPORATIVO


 

Stress, de uma forma simples e clara, pode ser resumido em uma única palavra: EXCESSO!

Todos nós temos um nível individual de suportabilidade,  ou seja, o quanto suportamos de cada situação específica. Quando a situação é inusitada, 99% das pessoas ficam estressadas, ou seja, não suportam a carga,  que muitas vezes pode até ser algo leve e tranquilo de lidar.

Quando a situação é rotineira, o peso vai se acumulando, até ficar excessivo e alcançar o grau máximo de suportabilidade, então a pessoa entra em stress com todos os seus sintomas e características.

No mundo corporativo,  podemos dizer que há uma somatória das duas situações, porque apesar de haver uma rotina, sempre ocorrem situações inusitadas.

Sendo assim, temos que adotar, TODOS OS DIAS, EM TODAS AS SITUAÇÕES E O TEMPO TODO,  um comportamento para não deixar que o stress se instale.

E esse comportamento chama-se : AUTO GERENCIAMENTO.

Como Funciona?

Funciona assim:  cada elemento da empresa tem que estabelecer o auto controle em relação a si mesmo e em relação aos demais elementos do sistema. Para estabelecermos o auto controle é preciso basicamente três coisas:

1- NUNCA LEVAR PARA O LADO PESSOAL.

Tenha em mente que nada do que acontece na empresa tem a ver com você, acontece por causa da empresa.  E mesmo que você seja o alvo num dado momento, SEMPRE pense da seguinte forma:  “ESTA PESSOA NÃO ESTÁ FALANDO DE MIM, ELA ESTÁ FALANDO DO PROBLEMA “

Como todo problema tem solução, não há porque estressar.

2- ESTAMOS TODOS DO MESMO LADO!

Lembrar que, apesar de muitas vezes, aparentemente parecer o contrário, temos que ter sempre em mente que ESTAMOS TODOS DO MESMO LADO!

E que o fato do outro estar nervoso e muitas vezes agressivo na forma de se colocar em relação a mim, não significa que ele está contra mim.

Como dizia Darwin, QUEM SOBREVIVE NÃO É O MAIS FORTE, MAS QUEM MELHOR SE ADAPTA. Portanto, sempre que for começar uma reunião, uma discussão ou até mesmo um embate, busque dentro de si a PAZ E A TRANQUILIDADE, e mantenha isso O TEMPO TODO!

Você verá que nunca irá ultrapassar seu limite de suportabilidade, aliás, só vai ampliá-lo. E com isso, o stress nunca se instalará.

3- PROBLEMA RESOLVIDO OU EM ANDAMENTO DE RESOLUÇÃO,  PROBLEMA ACABADO!

No instante seguinte, deve ser esquecido como elemento de preocupação e deve ser deixado no tempo e no espaço dele, ou seja, no passado.

Aí, é só dar um suspiro de alívio, tomar um copo d’água e seguir em frente livre, leve e solto. E NÃO PENSAR MAIS NAQUILO,  porque problemas  resolvidos ou em resolução mantidos mentalmente são excessos e EXCESSO GERA STRESS.


Eduardo Rios Oliveira / Médico, Especialista em Comportamento Humano. Pai da Colaboradora Ana Rios da área de Risco e Compliance


Futuro: o quanto ele influencia no seu legado?


 

Para ter essa percepção e descobrir se você fala de estratégia em relação ao futuro ou se discute apenas tempo com sua equipe de trabalho, é só fazer um teste simples, proposto por Philip Zimbardo, considerado por muitos como o melhor psicólogo do mundo. Zimbardo é autor do livro “The Time Paradox” e nele afirma que cada pessoa tem um algoritmo de tempo, enxergando-o de uma forma diferente. Ou seja, cada um tem a sua orientação temporal quando consideramos passado, presente ou futuro.

Sem olhar para o futuro é impossível fazer inovação, disrupção, e a organização sempre ficará presa no presente. Por isso, não veja o que é, veja o que pode ser. Ultrapasse essa barreira temporal que possa existir identificando como cada pessoa se comporta diante de cada período de tempo. Isso é essencial para que todos na empresa possam falar a mesma língua e terem a mesma visão de futuro, elaborando estratégias para alcançá-lo – e não desculpas para ficar estacionado no presente utilizando ferramentas do passado.

E esse foi o segundo aprendizado que tive com Tiago aquela noite: em que tempo eu vivo? Em que tempo as pessoas ao meu redor vivem?  E gostaria que você também pensasse: em que tempo você vive?  Em que tempo a sua empresa, a sua equipe vive? Se quer achar a resposta, leia também esse livro de Zimbardo, indicado por Tiago. Ele também já está na lista das minhas leituras obrigatórias.

Por fim, Tiago Mattos, futurista, dono de uma mente brilhante, fechou a sua apresentação com uma provocação sensacional: como está o nosso legado? Raríssimas vezes paramos para pensar nisso. E talvez nunca chegamos a pensar da forma correta.

Qual o seu legado?

Tiago Mattos e Deivison Pedroza

O legado é o que fica para as atuais e futuras gerações, é o que muda o mundo e é completamente diferente de propósito. Legado é aquilo que está no coração do nosso modelo de negócio. Legado é aquilo que os outros definem que seja, não você. Legado é algo muito maior que o próprio empreendedor e é o que dá sentido à nossa existência.

Então, o meu terceiro aprendizado foi: o meu legado tem que ser reconhecido pelos outros como tal, e eu devo fazer a diferença na vida das pessoas, hoje e no futuro, com algo que eu me orgulhe. Estou fazendo isso? O que me orgulha hoje que eu já fiz no passado? O que me dá motivos para querer sempre mais? Para ajudar nessa reflexão, cito a frase de Anne Lise Kjaer, também futurista, apresentada por Tiago na palestra: “Eu quero ver os líderes no futuro dizer: eu não quero ser o melhor no mundo, eu quero ser o melhor para o mundo”. Você está sendo melhor para o mundo?

E para deixar você mais tranquilo, saiba que quando se deixa de pensar no futuro presente para começar a pensar no futuro real, quando o foco passa a ser a disrupção da organização e a auto-disrupção de nós mesmos como lideranças e quando paramos para pensar em nosso legado, na forma como os outros veem nosso trabalho e o impacto dele na vida das pessoas, as inquietações são naturais e surgem porque fazem parte do processo de mudança. Então não se assuste. Você está no caminho certo.

Eu tive a certeza que estava no dia 05 de setembro. Uma palestra. Três perguntas. Três aprendizados para uma vida obtidos em apenas uma noite. Impossível terminar esse dia mais satisfeito.


Empresas Brasileiras obtém incentivos Fiscais para se instalarem no Uruguai


 

Sua empresa possui ou pretender instalar uma unidade no Uruguai?  A Verde Ghaia tem algumas informações para te ajudar!

A Verde Ghaia monitora, analisa e auxilia na interpretação e aplicação dos requisitos legais de Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional e Qualidade não só do Brasil, mas também de diversos países como Argentina, Chile, Colômbia, Paraguai, Honduras, Moçambique, Bolívia e Uruguai.

Hoje, falaremos desse último,  no qual o “Ministerio de Industria, Energia e Minería”  uruguaio acabou de publicar a Lei nº 19.748/2019 que incentiva o desenvolvimento de Parques Industriais e Parques Científico-tecnológicos, declarando essa atividade a nível de interesse nacional.

Podem se instalar nesses Parques empresas de atividades industriais, empresas prestadoras de serviços, inclusive aquelas que prestam serviços de logística. Empreendedores e incubadoras de empresas, instituições de formação e capacitação, investigação e inovação, bem como instituições ligadas à geração de conhecimento aplicado. Para isso, basta às empresas apresentarem para a Comisión Asesora do Ministerio de Industria, Energía y Minería do Uruguay um projeto da atividade de acordo aos requisitos estabelecidos na legislação pertinente.

Com o fim de incentivar os projetos de inversão, a Lei traz benefícios fiscais tanto para usuários como para instaladores de Parques Industriais e Parques Científico-tecnológicos. Benefícios esses que abrangem a exoneração de 15% até 100% (dependendo se sejam usuários ou instaladores respectivamente) do Impuesto a la Renta de las Actividades Económicas (IRAE), Exoneración del Impuesto al Patrimonio para bens que compreendam melhorias para as atividades industriais e agropecuárias, bem como para procedimentos, invenções ou criações que incorporem inovação tecnológica e suponham transferência de tecnologia, dentre outros benefícios.

Como Monitorar as leis do seu segmento no Uruguai?

A Verde Ghaia já possui um vasto acervo de requisitos legais, e oferece o serviço de monitoramento e consultoria para conformidade legal e compliance das normas do Uruguai nas áreas de Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional, Responsabilidade Social e Qualidade. Por meio da equipe Internacional VG já atendemos a vários clientes na América Latina, incluindo o Uruguai.

Por isso, para contar nosso apoio, não deixe de entrar em contato com a gente para obter mais informações por meio do e-mail [email protected] ou no telefone (31) 2127-9135.

É a Verde Ghaia rompendo as fronteiras com soluções em Compliance.


Blog VG