setembro 2019 | Página 2 de 3 | Grupo Verde Ghaia
×

Reforma Tributária em debate: mais uma edição do Brasil de Ideias


 

Reforma Tributária em debate: mais uma edição do Brasil de Ideias. Deivison Pedroza participa do Brasil de Ideias sobre a Reforma Tributária

Brasil de Ideias, junto com Revista Voto. Ouvindo os parlamentares: Rodrigo Maia, Marcel Van Hattem, Vinicius Poit, Jerónimo Coergen

No dia 16 de setembro aconteceu em São Paulo mais um ciclo do Brasil de Ideias, evento realizado pelo Grupo Voto e que contou com a participação de Deivison Pedroza, CEO e presidente do Grupo Verde Ghaia.

O Grupo Voto, importante e reconhecido veículo de comunicação do país, está completando 15 anos. Entre suas ações, destaca-se o Brasil de Ideias, considerado um dos mais expressivos fóruns de interlocução político-empresarial do país ao possibilitar a aproximação do setor público e setor privado para a retomada do crescimento do país. Neste ano, o encontro já foi realizado em Porto Alegre, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro e contou, nas duas últimas edições, com a presença dos ministros Osmar Terra, do Ministério da Cidadania, e Onyx Lorenzoni, da Casa Civil.

Desta vez, o tema do encontro foi “A Força do Legislativo Frente às Reformas que o Brasil Precisa – Reforma Tributária”. Os convidados foram o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) e os deputados federais Marcel Van Hattem (NOVO-RS), Vinicius Poit (NOVO-SP) e Jerônimo Goergen (PP-RS). Para o debate com os parlamentares, além de Deivison, estavam presentes mais de 150 líderes empresariais, políticos e formadores de opinião. Todos foram unânimes em afirmar que a aprovação das reformas tributária e administrativa são de extrema relevância para o desenvolvimento do país.

Vamos conhecer os principais pontos discutidos nesta edição do Brasil de Ideias.

Ajuste de contas

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou que não alimenta a pretensão de ser presidente do Brasil, enquanto as contas públicas não forem organizadas.

Reforma Tributária será votada em 2019

Rodrigo Maia garantiu que a Câmara ou o Senado votam, ainda este ano, a Reforma Tributária. “As duas casas estão trabalhando no tema e nosso esforço é para votar em ambas até o fim do ano”.

Volta da CPMF?

O presidente da Câmara dos Deputados descartou a possibilidade da volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, mais conhecida como CPMF. “[A volta da CPMF] não tem chance. Quem defendia a proposta não está mais no Governo. O Governo diz que não e o Congresso também diz que não”, afirmou.

Reformas Tributária e Administrativa devem caminhar juntas

Para Maia, se o Brasil não tiver coragem de fazer uma reforma administrativa junto à reforma tributária “será como enxugar gelo”.

O deputado federal Alexis Fonteyne concordou com Rodrigo Maia: “o sistema tributário brasileiro está todo distorcido. Ninguém sabe o quanto tem de tributo em um sapato, não temos nada de transparência. A reforma tributária é extremamente importante, acompanhada de uma reforma administrativa”. Ainda afirmou que se não for feito dessa forma, os custos existentes continuarão impedindo que os pequenos empresários possam empreender.

A opinião do deputado federal Jerônimo Goergen é a mesma dos outros parlamentares: “entendo que, se não aproximarmos os projetos que já estão tramitando no Congresso, não teremos uma boa reforma tributária. Além disso, precisamos de uma reforma administrativa andando paralelamente a isso”, apontou o deputado.

 Van Hattem e Poit concordaram e disseram que o principal intuito é simplificar o sistema tributário, por meio do IVA (Imposto Sobre Valor Agregado): “defendemos a proposta do IVA, que me parece mais coerente. Não podemos manter a corda sempre tencionada entre legislativo e executivo”, afirmou o deputado federal Vinicius Poit. “Precisamos simplificar o sistema tributário. Para reduzir os impostos e o tamanho do Estado, é preciso reduzir despesas. Nesse momento, temos as despesas travadas. Por isso o primeiro passo é simplificar”, defendeu o deputado federal Marcel Van Hattem.

A organizadora e responsável por este evento é Karim Miskulin. Na presença de Rodrigo Maia e ao final dos painéis dos deputados, Karim destacou que o país já avançou bastante com a aprovação da reforma da previdência, da Medida Provisória da Liberdade Econômica e com a perspectiva da reforma tributária, sendo que o presidente da Câmara, nas palavras dela, “teve um papel fundamental nisso tudo. Hoje temos um novo rumo e um norte para o nosso país. O senhor cresceu de forma absoluta em toda essa discussão”.

Por fim, Karim, para encerrar o evento, destacou que estamos em um momento muito importante para o Brasil: “esse é um momento de um novo Brasil, que errou muito no passado e não tem mais chance de errar. A nossa esperança está depositada em vocês, então, por favor, não desistam. E principalmente não desistam da reforma tributária, que é muito importante para o nosso país”.

Lançamento do Movimento Brasil de Ideias Mulheres Positivas

Durante o Brasil de Ideias foi lançado por Karim, junto com Fabi Saad, o Movimento Brasil de Ideias Mulheres Positivas. Ele é formado por mulheres que impactam a realidade social e econômica do Brasil e tem como objetivo o desenvolvimento do nosso país ao “gerar a interlocução do empresariado e lideranças femininas com o cenário político, além de criar uma nova cultura de protagonismo de mulheres no cenário público brasileiro”.

Deivison explica a relevância entre PICS e o Brasil de Ideias

Karim Miskulin, Deivison Pedroza, Rodrigo Maia, Marcelo Ramos, Wilson Ferreira.

O Pacto de Integridade e Compliance pela Sustentabilidade (PICS), conforme já apresentado pelo CEO Deivison Pedroza, no evento Prêmio Compliance Brasil, ele reafirma a importância do PICS como ferramenta para essencial na busca pelo Compliance efetivo. Para o CEO, o objetivo do PICS  é uma nova forma de se fazer gestão e garantir o crescimento das organizações de forma ética, íntegra e sustentável.

Através da parceria entre a Revista Voto e o Grupo Verde Ghaia, o Pacto (PICS) tem ganhado forças e sido bem recebido no Brasil de Ideias, além de ganhar elogios de vários setores governamentais e privados de todo o país.

Para o  CEO Deivison Pedroza é importante que tanto as empresas privadas quanto as públicas estejam envolvidas e comprometidas ao assumirem tais compromissos com o nosso país, unindo, de vez as forças entre o setor público e setor privado, visando um único objetivo: o desenvolvimento do Brasil.

Fonte: http://www.revistavoto.com.br / Matéria: Deputados defendem reformas tributaria e administrativa


Futuro, auto-disrupção e legado: a incrível palestra de Tiago Mattos no Fórum CEO Brasil 2019


 

Coube ao futurista Tiago Mattos realizar a palestra magna que abriu o Fórum CEO Brasil 2019, evento promovido pelo Experience Club e que reuniu 190 líderes empresariais no Tivoli Ecoresort Praia do Forte, na Bahia, de 5 a 9 de setembro. Em uma hora e meia, ele soube surpreender todos os CEOs ali presentes e mais uma vez deixou seu legado.

Não era esperado menos que isso. Tiago Mattos é empreendedor, educador, autor de vários livros, entre eles “Vai lá e Faz”, e futurista. Faz parte do corpo docente da Singularity University (sendo o único sul-americano entre 110 nomes com tal distinção). É também professor da disciplina de Futurismo no Transdisciplinary Innovation Program, na Universidade Hebraica de Jerusalém. Hoje, lidera a Aeroli.to, um laboratório de futurismo e experimentos em tecnologias exponenciais. Além disso, já fundou diversas iniciativas na nova economia, entre elas a Perestroika, que revolucionou a maneira de ensinar. Sem dúvida é um currículo incrível de alguém que possui uma mente sensacional.

Se Tiago tinha a intenção de causar impacto, garanto que seu objetivo foi cumprido. Para vocês terem uma ideia, assim que terminou sua palestra, tínhamos duas horas até o próximo compromisso, e nesse período, as suas três perguntas que nortearam toda a sua apresentação, não me saíam da cabeça:

1. Como está o meu radar para o futuro?

2. Como está a minha cultura de auto-disrupção?

3. Como está o meu legado?

Em qual tempo você vive? E qual o seu legado nele?

Na Verde Ghaia, eu como CEO, nunca pensei da forma tão futurista quanto Tiago apresentou em sua palestra. Por isso que estas questões mexeram tão fortemente comigo. Quando parei para refletir, eu também percebi, assim como ele, que a maioria das pessoas não vivem o presente, elas vivem o passado ou no presente. Elas se alimentam da ética, da moral, da estética do passado, tornando-se lideranças do passado, no presente. E as consequências disso são óbvias: usando ferramentas do passado ou baseando-se apenas nas experiências do passado, nunca haverá espaço para pensar no futuro. E muito menos construí-lo.

Por isso, temos a tendência de ignorar novas descobertas, uma vez que podem ser vistas como fantasiosas demais para nós, quando na verdade só estão inacessíveis, ainda. Engraçado que ao falar sobre os exemplos, do que já existe no mundo, em termos de tecnologia, novas economias ou novos formatos de trabalho, Tiago parecia estar descrevendo uma realidade paralela, que seria digna de um episódio de Black Mirror. Mas não era. Vou explicar melhor para você entender o que eu quero dizer.

Entre tantas iniciativas apresentadas, algo que me chamou muito a atenção foi o futuro das redes sociais. Foi falado sobre o Facebook Spaces, em que se utiliza óculos virtuais e é possível interagir através de um avatar. Mas existe duas coisas muito mais avançadas: primeiro, o Digital Humans, um avatar criado em tempo real através das expressões de uma pessoa. É algo muito, mas muito perfeito! Em segundo, vem o Facebook Codec Avatar, que mapeia um indivíduo e gera um avatar idêntico a ele, permitindo a comunicação entre as pessoas de uma forma que parece que, nós estamos frente a frente com ela. E tudo isso me faz voltar as 03 perguntas do Tiago pra repensar a minha gestão. E aí concordo mais ainda com a fala do Tiago, “estamos muito perto da Matrix, muito perto de fazer com que a rede social virtual, seja muito semelhante à rede virtual analógica”.

Tiago apresentou muitos outros exemplos. Mas, os que eu citei acima já são suficientes para que possamos perceber que estas tecnologias tem a capacidade de mudar o mundo. E por isso, quando pensarmos em futuro, nós, que somos de uma geração diferente dessa que já existe, devemos ter as nossas perspectivas alinhadas com as das próximas gerações. Caso contrário, estaremos fadados ao fracasso em qualquer tentativa de pensar na próxima década.

O que acontece quando seu radar não está para o Futuro?

Então, a mesma pergunta que Tiago fez, eu faço agora: “Tudo isso é futuro ou tudo isso já existe e não está fazendo parte do nosso presente?”. Pois é, entendi esse primeiro recado, caiu-me feito luva. Precisamos urgentemente tornar nosso radar mais sistemático para aquilo que já existe. Criar equipes dentro de nossas empresas para mapear as novas descobertas, usar uma parte do nosso tempo para pesquisar o que está sendo desenvolvido no mundo, analisar quais inovações estão por aí.

Se não começarmos a fazer diferente, agir com pensamento diferente em relação com o que já existe no mundo, estaremos vivendo o passado, no presente. E além disso, desperdiçaremos a chance de construir o futuro. Aliás, não é porque você acredita que não conheça algo, que ele ainda não exista. Já parou para pensar que ele, simplesmente, possa ainda não estar no seu radar.

A partir desse aprendizado, a segunda pergunta me deixou mais inquieto, visto que ela se refere à cultura da auto-disrupção. E foi aí que questionei sobre o meu radar, quanto a nossa organização ou mesmo quanto a nós, como lideranças que inspiram outros a inovar e serem criativos. Mas, afinal, como ser auto-disruptivo nos tempos atuais? Para explicar essas indagações, Tiago utilizou o livro de Charles Handy, “The second curve”, mostrando que a empresa que quer pensar no futuro precisa usar duas ferramentas: uma curva do presente e uma curva do futuro. Ao fazer isso, pode-se dizer que é impossível passar por qualquer crise. Tudo é superado mais facilmente.

Não vou me ater muito ao livro neste texto, porque seguindo os conselhos do Tiago, eu estou lendo-o agora. Depois disso, vou falar mais com vocês sobre essas curvas e como a genialidade da liderança se torna tão importante para saber utilizar os recursos disponíveis para se manter nelas e assim, ser auto-disruptivo. Além disso, tudo isso só funciona se o líder tiver uma visão orientada para o futuro.

Afinal, por que o Futuro é tão importante?

Utilizando uma citação de Thomas Frey, Communicating with the future, Tiago nos explica: “o jeito que você imagina o futuro muda suas ações no tempo presente. Portanto, não é apenas o presente que constrói o futuro. O futuro também constrói o presente”. Em outras palavras, os dois tempos estão intimamente ligados. E o problema está nas pessoas, visto que elas muitas vezes não percebem isso, impedindo que a empresa evolua, sua vida evolua!

A abordagem sobre o Paradoxo do Tempo, se baseia nos anos de estudo da psicologia do tempo, o recurso mais precioso do homem. Nessa obra, são apresentados dados científicos sólidos e histórias fascinantes que nos ajudam a compreender como o tempo afeta o ritmo de nossas vidas e o mundo ao nosso redor. O tempo passa para todos: para aqueles orientados para acontecimentos passados, focados nos prazeres do presente ou norteados por metas futuras. Cabe a cada um aproveitá-lo ao máximo e saber como gastá-lo com sabedoria.

Pensem mais sobre o seu radar no Futuro e na sua auto-disrupção. Creio que este é um momento para reflexão antes de entrarmos na 3° pergunta, que se refere ao que estamos deixando como legado. Reflita bem, para que na próxima semana, possamos discutir com ideias mais fervorosas e voltadas para o Futuro. Afinal, nosso legado depende do direcionamento do nosso olhar.

Nada de olhar para o retrovisor!

Até a próxima semana!

Deivison Pedroza – Fundador e CEO do Grupo Verde Ghaia


Tendências que vão marcar a Gestão Corporativa em 2020


 

No mundo dos negócios é difícil acompanhar as mudanças que acontecem a cada minuto em todo o mundo, pois somos bombardeados a todo o tempo com uma quantidade enorme de informações e dados. Se não soubermos lidar com isso seremos engolidos pelo mercado que está cada vez mais competitivo. Mas, há uma saída: se antecipar. Conhecer as tendências que vão marcar a gestão corporativa em 2020 é uma estratégia fundamental para se destacar no próximo ano.

Sem dúvida é necessário considerar a utilização da tecnologia como uma grande aliada para os negócios. A internet também é outra parceira fundamental, que veio para encurtar distâncias e eliminar fronteiras. Juntas, elas permitem unir a utilização de softwares e ferramentas para analisar os dados em tempo real, ao mesmo tempo verificando o que está acontecendo no mundo como também dentro da sua própria empresa.

Mas somente isso não basta. O empresário de 2020 precisa também se antecipar e conhecer todas as estratégias que podem ser usadas a seu favor. E é isso sobre isso que vamos falar neste artigo: quais as tendências da gestão corporativa que você definitivamente precisa conhecer para começar 2020 com o pé direito e seguro de estar fazendo um bom trabalho.

Gestão corporativa: o que é Business Inteligence?

Um termo que certamente você escutará muito por aí no próximo ano é o Business Intelligence. Essa é uma estratégia que já está em aplicação na maioria das empresas com visão de futuro e que tende a se tornar ainda mais sólida com o decorrer dos anos.

O termo Business Intelligence (BI), que pode ser traduzido como “inteligência de negócios” ou “inteligência empresarial”, se resume a uma série de mecanismos que visam reunir, agrupar, organizar e coletar dados que são essenciais para o crescimento do negócio.

Basicamente, o BI é capaz de reunir e listar um grande volume de informações, tornando-as acessíveis a qualquer hora e a qualquer momento. São informações que facilitam a tomada de decisões e que dão muito mais praticidade e segurança para a rotina empresarial.

É importante entender que o BI não aborda somente a parte comercial, mas destaca também a importância de todos os setores para o bom funcionamento da empresa. Através do BI os dados são reunidos e organizados para dar uma visão do todo, permitindo escolher quais as melhores estratégias a serem dotadas em determinadas áreas. Assim, a gestão corporativa torna-se mais assertiva em suas tomadas de decisão, e a organização como um todo cresce de forma sólida ao longo do tempo.

Soluções intuitivas podem lhe ajudar a ter melhores resultados

A gestão corporativa em 2020 demandará cada vez mais soluções intuitivas, que sejam simples e fáceis de serem interpretadas e utilizadas. Isso pode ser aplicado, por exemplo, a um bom software de gestão.

O software precisa funcionar e estar de acordo com as necessidades da empresa. Não adianta adotar um software que funcione perfeitamente bem para um determinado padrão de negócios, mas não atende as necessidades de outro. Em outras palavras, “o que pode ser bom para um pode não ser para o outro”. Por isso, analise sua empresa e escolha o que for melhor para a situação em que ela se encontra hoje visando atingir o objetivo que você deseja.

E lembre-se: quanto mais fácil de usar, mais rápido o trabalho será feito. Quanto mais simples sua interface, melhor para todos usarem. Quanto mais moderno, maiores são as chances de obter os resultados esperados.

Trabalho colaborativo: uma estratégia essencial na gestão corporativa

Gestão corporativa em 2020 - Investimento em automatizaçãoTão importante quanto organizar e padronizar as informações é tornar o trabalho cada vez mais colaborativo. Ou seja, quanto maior a colaboração dentro de uma gestão corporativa, mais a empresa vai se destacar no mercado, desenvolvendo um diferencial competitivo importantíssimo no mundo atual.

Em 2020 delegar funções continuará sendo uma estratégia sim. E ainda será muito necessária a figura de um líder, até mais que em épocas anteriores. Mas, é preciso também incentivar que os membros de uma equipe compartilhem suas sugestões, deem opiniões, trabalhem juntos visando atingir um resultado comum.

Investimento em automatização

Outra tendência para a gestão corporativa em 2020 é o investimento em automatizações que tornem determinada atividade mais fácil, rápida e eficaz para todos os envolvidos, especialmente para os seus clientes.

Nesse cenário, é preciso citar os softwares de gestão como sendo alguns dos elementos mais importantes para o crescimento de sua empresa, e que com certeza fará uma grande diferença na qualidade da gestão, na assertividade das tomadas de decisão e, consequentemente, na obtenção dos resultados desejados.

Novas capacidades para novos profissionais

https://www.youtube.com/watch?v=SEsQ2OeX4QQ

Foi-se o tempo em que as exigências para a contratação de profissionais eram mínimas. Às vezes, bastava um pouco de conhecimento técnico que a carteira de trabalho já era assinada.

Hoje, o mundo dos negócios está muito mais exigente do que em qualquer outra época. Ter um bom currículo é apenas um dos requisitos mínimos para conquistar uma boa vaga de emprego. Neste sentido, uma das tendências para 2020 é a proatividade. A gestão corporativa do próximo ano exigirá ainda mais que os profissionais apresentem traços de autonomia e disponibilidade, que não esperem receber ordens, mas que se antecipem, vão lá e façam.

Além da proatividade, a tendência é que os profissionais possuam um conjunto de habilidades que envolvem a criatividade, a motivação, o pensamento estratégico e crítico, a capacidade de inovar, a inteligência emocional e a autenticidade.

Essas habilidades remetem à outra tendência: da autogestão e da produtividade. O mercado está se adaptando a esse novo tipo de profissional, e para uma boa gestão corporativa, você precisa se adaptar também, incentivando que todos possam ser líderes de si mesmos na empresa. Ou seja, nada de chefe pegando no pé!

A ideia é que você consiga contar com um time preparado para atuar de maneira independente, não dependendo sempre de demandas, ou ordens e delegações de tarefas. A confiança, é claro, será a base desse relacionamento.

Por que investir em Chatbots no próximo ano?

Quando se fala em desenvolvimento e crescimento empresarial, um dos pontos cruciais é o atendimento ao cliente. Afinal, sem o cliente, uma empresa perde o motivo da sua existência.

A atenção que deve ser dirigida para atender o cliente deve ser uma das principais estratégias para a gestão corporativa em 2020. E a tendência nesse caso é a implantação de Chatbots. Afinal, chatbots é a possibilidade de oferecer ao seu cliente um atendimento em tempo integral, esclarecendo dúvidas, sanando dificuldades ou passando informações de forma rápida e simples.

É neste sentido que a tecnologia mais uma vez se torna nossa aliada. Porque através do aperfeiçoamento tecnológico constante os clientes poderão se comunicar tranquilamente com a máquina, usando linguagem natural e coloquial. Os sistemas super avançados serão cada vez mais capazes de compreender e esclarecer as questões dentro de sua programação.

Centralização dos serviços no cliente – o bem maior de qualquer empresa!

https://www.youtube.com/watch?v=QcKIr3IC_YE

Se o atendimento ao cliente é um dos pontos cruciais, quando se pergunta o que há de mais importante em uma empresa, a resposta tem que ser unânime: o cliente! Absolutamente tudo o que você faz e pretende fazer é para trazer uma experiência nova e satisfatória ao seu público-alvo.

 Por isso mesmo a centralização dos serviços no que diz respeito a gestão corporativa em 2020 estará toda voltada para o cliente. A ideia é proporcionar experiências cada vez melhores, de modo que a clientela volte sempre.

Para isso, é preciso estar a par de todas as novidades do marketing, acompanhar a jornada de compra e criar estratégias para que o cliente se sinta confortável e acolhido em todas as etapas do funil.

O uso de métricas e dados para fazer contato com aquele cliente inativo, e estratégias de fidelização também serão muito bem-vindas.

Antecipe-se e faça a diferença!

As tendências para a gestão corporativa em 2020 têm a intenção de fazer com que você compreenda a sua empresa como um todo. Não há mais espaço para atuações isoladas dos setores nem de pessoas. A organização precisa atuar de maneira uniforme.

Por isso, a gestão corporativa em 2020 parte do princípio de que você deve formar uma equipe de qualidade, construir uma base de valores sólida e apostar nos benefícios do mundo digital e da tecnologia. Faça-os com sejam seus verdadeiros aliados estratégicos na busca pelos melhores resultados para que você se destaque no mercado no próximo ano.


Deivison Pedroza – CEO e Fundador do Grupo Verde Ghaia


Compliance na prática: exemplos brasileiros para você se inspirar


 

Ouvir a palavra compliance pode ter causado estranheza em um primeiro momento. Mas não se assuste, seu significado é bem simples: compliance significa estar de acordo e cumprir com todas as normas, requisitos, legislações e condutas aplicáveis a uma atividade. E tão simples quanto seu significado é saber como aplicar o compliance na prática.

Isso parece uma missão quase impossível para você? Mas, e se eu disser que não é? Na verdade, muitas empresas hoje, no Brasil, podem ser consideradas referência em compliance, sendo inclusive reconhecidas e premiadas por isso. E não só empresas, mas muitas pessoas também, nomes que fizeram das suas organizações referência em ética e integridade, ao mesmo tempo em que cumprem com toda a legislação aplicável a seu negócio e crescem de forma sustentável.

Sem dúvida esses grandes expoentes do compliance no Brasil são verdadeiras fontes de inspiração para todos nós. E esse é o objetivo desse artigo: fazer com que você também se inspire para começar hoje mesmo a fazer com que sua empresa esteja em compliance.

Por que é necessário estar em compliance?

Em 2013 foi sancionada a Lei n° 12.846, também conhecida como Lei Anticorrupção, que foi regulamentada pelo Decreto n° 8.420/2015. Esta Lei responsabiliza objetivamente, no âmbito civil e administrativo, as empresas que praticam atos lesivos contra a administração pública nacional ou estrangeira. Como todas as empresas brasileiras mantém de alguma forma relações com a administração pública, como por exemplo, cumprir suas responsabilidades fiscais, obter licenças ou contratar serviços públicos, esta lei se aplica a todas as empresas brasileiras, sem exceção.

Desde então o compliance vem ganhando força no Brasil, pois a multa administrativa da Lei Anticorrupção, segundo a Controladoria Geral da União (CGU) pode chegar até a 20% do faturamento bruto anual da empresa, ou até 60 milhões de reais, quando não for possível calcular o faturamento bruto. Na esfera judicial, pode ser aplicada até mesmo a dissolução compulsória da pessoa jurídica. Mas o texto acena também com uma redução da pena para a empresa infratora que colaborar com o poder público e comprovar ter mecanismos para inibir fraudes.      

Nesse caso, é preciso que a empresa, todos os seus gestores e também seus colaboradores se atentem em se adequarem às políticas, regras, controles internos e externos que regem a atividade. Isso porque a própria Lei Anticorrupção afirma que a alta direção tem a responsabilidade pela implantação e efetividade de um Programa de Governança e de Integridade Corporativa, e todos na organização devem agir de acordo com esse programa. Se isso não acontecer, a empresa está em não compliance.

Manuais de conduta e boas práticas são bons exemplos que ajudam a empresa a comprovar que atua com transparência e ética, gerando ainda mais valor para a marca. Com isso, fornecedores, investidores e clientes se sentem mais confiantes e muito mais confortáveis em negociar. Além disso, quanto mais ética e em conformidade às leis e regulamentos estiver de fato a empresa, menor poderá ser a sanção a ela imposta caso algo aconteça.

Conheça o compliance officer

Para cumprir com as legislações aplicáveis e não estar sujeito às penalidades previstas, a empresa pode escolher por ter um compliance officer. Este é o nome do cargo profissional da área de compliance. Entre suas atribuições estão o combate à corrupção e à discriminação por gênero, raça, orientação sexual ou qualquer outro aspecto. Esse profissional também se preocupa com os impactos ambientais e a sustentabilidade das atividades desempenhadas pela empresa.

O profissional de compliance tem inclusive o objetivo de contribuir para a manutenção e preservação da cultura ética e de integridade da empresa, exercendo função de orientação e coordenação.

O compliance officer geralmente pode estar subordinado, dependendo da empresa onde atua, ao conselho de administração, diretor executivo, diretor de compliance, gerente de compliance, coordenador de compliance e analista de compliance. Se notar qualquer desvio de conduta, irregularidades ou ilicitudes, deve imediatamente reportar a seus superiores, para evitar as sanções previstas em lei.

Para se inspirar: principais nomes do compliance no Brasil

Fique ligado! Está chegando a data, faça sua inscrição para o Curso Compliance!
Fique ligado! Está chegando a data, faça sua inscrição!

Conhecendo como atua um especialista em compliance, vamos agora conhecer algumas pessoas que se destacam em seu trabalho.

1. Youri Sahione: é um dos nomes mais importantes do direito brasileiro. Mestre em Direito Penal pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2013) e graduado e Bacharelado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2006). Sahione é o Presidente em exercício da Comissão Anticorrupção. No compliance, sua atuação está diretamente relacionada com as questões políticas e financeiras do país, pois trabalha a frente do Compliance e Controle Social dos Gastos Públicos.

2. Roberta Volpato: Coordenadora da Comissão de Estudos sobre Riscos e Governança do Instituto Brasileiro de Direito e Ética Empresarial e membro da Comissão Permanente de Estudos sobre Compliance do Conselho Federal da OAB. Participou da criação do livro “Compliance: Como implementar”, em parceria com o professor Marcos Assis e tem ministrado palestras e cursos em todo território nacional.

3. Alexandre Serpa: são mais de 10 anos atuando com governança corporativa (Compliance, Auditoria, Gestão de Riscos e Controles Internos). Alexandre é uma referência no assunto, e acredita que Compliance deve ser tirado do status de “mito”, sendo traduzido para fatos.

4. Wagner Giovani: escreveu o livro “Compliance – a Excelência na Prática”. Nele são oferecidas todas as ferramentas para aplicação do conceito. Uma de suas principais bandeiras está relacionada à Gestão da Qualidade e Gestão Ambiental.

5. Pedro Ruske Freitas: é o coordenador geral de integridade substituto da CGU, e considera que o grande desafio é fomentar a utilização de programas de análise de integridade.

6. Fabiana Leschziner: sua principal atuação é em esclarecer sobre a estrutura das empresas para aplicação do Compliance. Um dos nomes mais importantes da movimentação anticorrupção no país, ela acredita que as empresas devem se preocupar em aplicar sistemas de Compliance.

6. Bruno Maeda: atua em assessoramento a empresas brasileiras e multinacionais para cumprimento de normas e regras, mantendo a integridade das atividades através da implementação de programas de compliance.

7. Luís Adams:  Sócio das práticas de Contencioso, Arbitragem e Compliance do Tauil & Chequer Advogados. No escritório de Brasília ele é responsável por assuntos relacionados aos tribunais superiores e supremos.

8. Fernando Merino: acredita que o Comitê de Auditoria cumpre um papel importante na implantação do programa de Compliance. No entanto, ele também acredita que o conselho inteiro deve ter responsabilidade sobre a boa gestão.

9. Rogéria Gieremek: advogada, ocupa atualmente o cargo mais alto de sua carreira: global chief compliance officer da Latam Linhas Aéreas. Ela é a responsável, em âmbito mundial, por coordenar os esforços de integridade da companhia, com iniciativas para combater a corrupção e a discriminação no trabalho, por exemplo.

Todos esses nomes são de extrema importância para o compliance. São profissionais que atuam e aplicam a iniciativa em suas rotinas, compreendendo que a integridade e a ética são essenciais para qualquer negócio.

Prêmio Compliance Brasil: as empresas reconhecidas e premiadas em Compliance

Muitas empresas também podem vir a se tornar fontes de inspiração para o nosso dia a dia, mostrando que, de complicado mesmo, o compliance só tem o nome. Implementá-lo é muito mais simples do que se imagina, desde que se conte com profissionais preparados, tal como o compliance officer e que haja o comprometimento de todos.

Com o objetivo de tornar reconhecidas publicamente e premiar cada uma destas empresas brasileiras que estão compliance, surgiu o Prêmio Compliance Brasil, considerado um dos mais importantes do país, sendo realizado pela Verde Ghaia. Este ano ele está em sua quarta edição, celebrando o cumprimento de normas e premiando as organizações que conseguem garantir uma postura mais qualificada e ética dentro de suas atividades ao mesmo tempo em que adotam práticas sustentáveis em todos os seus processos, alcançando a excelência em sua gestão legal.

São dez categorias diferentes que cada empresa pode concorrer: meio ambiente, saúde e segurança, segurança de alimentos, energia, qualidade, responsabilidade social, cadeia logística, gestão integrada, resíduos e inovação. As três melhores em cada categoria são premiadas.

Algumas das empresas que já ganharam o Prêmio Compliance Brasil em edições anteriores são: Nestlé, Comau, Coca Cola, Bunge, PKC Group, Kanjiko, Yamana Gold, Uberlândia Refrescos, Tarkett, Renault do Brasil, Mondeléz, BH Airport, entre outras.

Como é possível notar, não importa o tamanho da empresa, importa o comprometimento de cada uma delas com o compliance, porque seus responsáveis sabem que ter esse reconhecimento hoje em dia demonstra aos olhos do mercado e de toda a sociedade que a empresa se preocupa com as pessoas e com o meio ambiente, de forma ética, transparente e sólida.

Caso queira saber mais sobre esta importante premiação e quem foram todos os ganhadores das quatro edições do evento, é só clicar neste link. Com certeza exemplos não vão faltar para você se inspirar ainda mais em adotar o compliance na sua empresa, ou ser um compliance officer e, quem sabe, servir de inspiração também para outras pessoas.


Verde Ghaia está entre as 100 empresas que mais crescem no Brasil


 

Verde Ghaia se destaca como uma das 100 empresas que mais crescem no Brasil, de acordo com a Revista Exame.

Para quem é apaixonado pelo que faz, ter o reconhecimento de todo o seu trabalho é sensacional. E a Verde Ghaia sabe bem o que isso significa. Liderada pelo seu CEO, Deivison Pedroza, a organização está entre as 100 pequenas e médias empresas que mais cresceram no Brasil em 2019, com base nas taxas de crescimento obtidas entre os anos 2016 a 2018.

O levantamento foi feito pela revista EXAME em parceria com a Deloitte, e os resultados foram apresentados nesta quinta-feira, dia 12 de setembro, em São Paulo, e também publicados no site, na revista e no aplicativo EXAME.

Deivison Pedroza, CEO e Fundador do Grupo Verde Ghaia

As PMEs que mais crescem no Brasil

A Revista já está em sua 14ª edição. Além da divulgação das empresas que mais cresceram a cada ano, também é feito um dos mais tradicionais e completos levantamentos sobre as práticas e os desafios das empresas emergentes do país. A importância de um trabalho como este está em destacar e impulsionar a força dos empreendedores que fazem a economia do Brasil girar.

Para concorrer, as empresas tinham que ter faturado entre 10 milhões e 800 milhões de reais em 2018. Também era necessário responder a um questionário e seguir todo o regulamento, disponível no site da consultoria Deloitte, empresa que atua em mais de 150 países e que conta com 286.200 profissionais.

As empresas que obtiveram as taxas mais elevadas se classificaram no ranking das 100 PMEs emergentes de maior crescimento no país. Considerando toda a crise econômica que o Brasil vem passando nos últimos anos, ser reconhecida como uma das empresas que mais cresceram no país é motivo para muita comemoração.

Além disso, a Verde Ghaia também completou 20 anos de existência neste ano com a marca de 3200 clientes e mais de 36000 usuários de seus softwares de gestão no Brasil e em mais 05 países: Argentina, Colômbia, Paraguai, Uruguai e Moçambique.

Como ser uma empresa consolida num mercado tão instável?

Você deve estar pensando agora: como uma empresa consegue estar consolidada no mercado há 20 anos, continuar expandindo seus negócios mesmo com um cenário econômico desfavorável, e ainda ser reconhecida por isso a nível nacional?

O caminho nem sempre foi fácil. Mas, a Verde Ghaia chegou lá.

A empresa foi fundada por Deivison em 1999. Na época, sua proposta já estava muito a frente de seu tempo: ele queria melhorar processos de gestão ambiental. Hoje é fácil pensar em termos de meio ambiente, sustentabilidade, compliance. Agora, pense isso há duas décadas atrás!

A única certeza era a necessidade de algo novo. E a Verde Ghaia proporcionou essa novidade ao mercado, ao oferecer o primeiro sistema online de monitoramento de requisitos legais no Brasil. Inicialmente o foco era o meio ambiente.

Ao longo dos anos, tornou-se especialista na assessoria e no monitoramento de conformidade legal nas áreas de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho, Responsabilidade Social, Qualidade, Segurança de Alimentos, Sustentabilidade, Energia, Cadeias Logísticas e Mudanças Climáticas. E de uma empresa tornou-se um Grupo: o Grupo Verde Ghaia, sendo composta pelas empresas Verde Ghaia, Verde Ghaia Bioenergia, Verde Ghaia Franchising, Consultoria Online e pelo Instituto OKSIGENO.

Área de gestão da legislação:

  • monitoramento legal,
  • assessoria jurídica,
  • risco legal,
  • auditoria de conformidade legal.

Área de gestão integrada:

  • as certificações: a Verde Ghaia é certificada desde 2009 nas normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001, então tem toda capacidade e “know how” para ajudar seus clientes a se certificarem também,
  • a consultoria online,
  • seu software de gestão integrada (SOGI),
  • as auditorias do sistema de gestão.

Área de gestão de resíduos:

  • Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos e Serviços de Saúde,
  • com a VG Resíduos, trabalha com a gestão de resíduos e com o mercado de resíduos.

Por que a Verde Ghaia é uma das empresas que mais cresce no Brasil?

Outro destaque da Verde Ghaia é o SOGI, seu software online de gestão integrada, legal e estratégica, que permite processos mais ágeis de monitoramento e gestão. Através da inteligência artificial, seus clientes podem interpretar todas as leis aplicáveis a seu negócio e cumpri-las de maneira correta e segura, sempre contando com apoio e suporte necessário dos consultores especializados da Verde Ghaia.

O SOGI foi desenvolvido através de uma metodologia própria, e é totalmente alinhado às normas internacionais de certificação ISO. Também é constantemente atualizado com o que existe de mais moderno no mundo em termos de tecnologia e de legislações. Hoje, já está em sua 8ª geração e é considerado o software de gestão mais completo existente no mercado, fazendo da Verde Ghaia referência no mercado nacional quando o assunto é sistemas de gestão.

Como a empresa também sabe que é difícil manter-se sempre em conformidade com todas as leis, normas e requisitos, foi criado o Prêmio Compliance Brasil, para reconhecer as boas práticas e o controle legal adotados pelas organizações em todo o país, sendo um incentivo para que as empresas brasileiras acolham práticas sustentáveis em seus processos. Este prêmio é um sucesso, já está em sua 4ª edição, e grandes e médias empresas já foram reconhecidas e premiadas pela excelência em suas gestões.

Clientes e Colaboradores: atualizados e capacitados no mercado

O Grupo Verde Ghaia também aposta em constante atualização e capacitação, tanto de seus clientes quanto de seus mais de 140 colaboradores. São cursos, treinamentos, blogs com conteúdos diversos e Educação a Distância (EaD), a fim de otimizar o processo de treinamento de profissionais e estudantes, possibilitando assim aprendizagem a qualquer hora e em qualquer lugar. E ainda tem muito mais, é só acessar o site que você fica sabendo tudo sobre a empresa.

Pode existir diversidade de serviços e produtos, mas o objetivo da Verde Ghaia é sempre um só: oferecer o melhor. Não é à toa que está em constante crescimento. A empresa sempre busca maneiras de se reinventar quando é preciso e fortalecer o que está dando certo.

Por isso, não importa o cenário econômico: a Verde Ghaia sempre estará em expansão. E agora, sendo reconhecida por isso e se destacando como uma das 100 PMEs que mais crescem no Brasil, sobram motivos para continuar trilhando o caminho escolhido, com a certeza de que ainda há muito mais a conquistar.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Leia mais sobre os desafios empresariais:

FÓRUM CEO BRASIL 2019: quais os desafios das empresas até 2030?

Verde Ghaia Consultoria Online é aprovada pelo Programa de Aceleração InovAtiva

Brasil de Ideias recebe o Pacto pela Integridade e Compliance em Sustentabilidade – PICS

 


FÓRUM CEO BRASIL 2019: quais os desafios das empresas até 2030?


 

Sabe aquelas coisas que acontecem com a gente e que dá vontade de sair contando para todo mundo? Então, essa é a exata sensação que estou tendo agora, depois de ter participado do 3º Fórum CEO Brasil 2019. Eu já havia participado das duas edições anteriores, e todas foram incríveis. Mas o evento deste ano foi sensacional, inexplicável, único!

Ainda nem sei, como explicar em palavras a experiência e aprendizado que tive entre os dias 05 a 08 de setembro. Foram quatro dias ao lado dos melhores empresários e CEOs do Brasil, de algumas das mais importantes companhias do mercado brasileiro. As palestras mais pareciam aulas de empreendedorismo, com uma leitura perfeita do presente, contendo muitas dicas e insights de como construir o futuro que desejamos para os negócios e para o Brasil.

O Fórum CEO Brasil foi realizado no Tivoli Praia do Forte, na Bahia, um lugar paradisíaco.  O evento contou com vários momentos para o networking e troca de experiências, como o café da manhã, jantar, esportes, passeios, shows a noite além, é claro, das apresentações e debates. Cada detalhe foi especialmente pensado pela equipe do Experience Club, que existe há mais de 14 anos e que hoje, conta com mais de 370 empresas associadas e 2,2 mil executivos entre seus membros.

Palestra de Abertura Fórum CEO Brasil

Tiago Mattos - Palestrante de Abertura do Fórum CEO Brasil
Tiago Mattos – Palestrante de Abertura do Fórum CEO Brasil.

A palestra de abertura, feita pelo CEO do Experience Club, Ricardo Natale, já foi impactante. Com o tema “Quais os grandes desafios das empresas até 2030?”, ele me fez pensar sobre como vejo o Grupo Verde Ghaia, do qual sou presidente e CEO, daqui dez anos. Esse exercício foi muito interessante e importante porque às vezes, não nos damos conta de que não pensamos na sobrevivência a médio e longo prazo de uma empresa.

Muitas vezes queremos crescer, queremos ser os melhores, mas esquecemos de analisar vários outros fatores que podem impactar esse crescimento de forma negativa. Quando não consideramos um tempo maior, como dez anos por exemplo, nós deixamos de fora do radar, elementos importantes que podem determinar o sucesso ou a falência de um empreendimento.

Então, o mesmo exercício que fiz lá, eu sugiro que você faça também: você consegue ver como vai estar seu negócio em 2030? Você vê o crescimento dele? Consegue ver a evolução da sua organização ao longo do tempo? Como é esta evolução? Qual o propósito da sua empresa existir? E mais importante, qual a causa que a sua empresa tem para que ela exista? E não parou por aí, Natale fez mais uma provocação: “será que não faz sentido começar a desenhar o nosso modelo de negócio até 2030? Será que já não está na hora de desenvolver essa agenda paralela na nossa empresa?”.

Depois de ouvir essa palestra, vou ser sincero com vocês. O meu lema era estar sempre quatro anos a frente de meus concorrentes. Este lema continua valendo para a minha vida. Mas, o foco não será mais os meus concorrentes. Será eu mesmo. E sabe por quê? Porque além desse lema me ensinar a pensar no meu negócio em 2030, uma outra frase me impactou, profundamente, “a função mais importante de um CEO é pensar em como criar um negócio que vai destruir o seu próprio negócio. Por isso, é preciso se antecipar, porque se você não o fizer, alguém o fará”.

Eu, como CEO, preciso me antecipar. Devo mudar hoje a própria visão que eu tinha do meu negócio e dos meus concorrentes. Tenho que me reinventar já, pensando em como quero estar em 2030. Preciso agir agora, tendo como objetivo os próximos dez anos. Necessariamente, eu preciso analisar como toda a tecnologia que já existe e ainda vai existir vai impactar toda a estrutura da Verde Ghaia. Preciso usar tudo o que está sendo desenvolvido a meu favor e assim, tirar o máximo proveito do que construí e está sendo construído.

Afinal, a tecnologia serve para ser a nossa aliada.

Quais as tendências Corporativas para 2030?

Conceito de negócios da Gympass conquistando o mundo.
Conceito de negócios da Gympass conquistando o mundo.

O tema do Fórum CEO, deste ano, 2019, foi “Brasil 2030”. O seu objetivo foi debater as tendências da próxima década, e por isso, todas as apresentações e debates, nesses 04 dias, foram sobre os conteúdos que mais estão impactando as organizações no momento:

  • inovação
  • novos modelos de negócios
  • empreendedorismo
  • inteligência artificial
  • educação continuada
  • gestão de colaboradores
  • futuro do trabalho
  • dentre outros temas

Principais Palestrantes

A 3ª edição do Fórum CEO Brasil, nas palavras de Natale, “é um evento indispensável aos líderes empresariais que desejam reciclar seus conceitos, aprender sobre novos modelos de negócios e conhecer pessoas extraordinárias, além de viver experiências surpreendentes”. Por isso, o evento não poderia deixar de convidar pessoas renomadas e que respiram Gestão, Liderança, Inovação e Educação.

Conheça os Palestrantes mais fera do III Fórum CEO Brasil

  • Tiago Mattos, CEO da Aerolito, futurista, empreendedor, educador e autor;
  • João Barbosa, cofundador da Gympass, que trouxe o tema “disrupção pela atividade física”;
  • Patrícia Ellen, Secretária de Desenvolvimento Econômico do Governo de São Paulo, que falou sobre a eficiência no padrão nas políticas públicas;
  • Rodrigo Galvão, CEO da Oracle, propôs a mudança no modelo de entrevistas;
  • Cesar Gon, cofundador e CEO da CI&T;
  • Daniel Castanho, presidente do Conselho da Ânima, discutiu sobre o modelo de educação do futuro;
  • Caio Coppolla, jornalista da Rádio Jovem Pan, debateu se o Brasil é o país da política;
  • Tallis Gomes, cofundador e CEO da Singu, fundador do Easy Taxi, trouxe uma palestra incrível sobre o modelo de gestão 4.0;
  • Alfredo Soares, head Global SMB da VTEX, falou sobre o futuro das vendas;
  • Konrad Dantas, fundador e Chairman do Kondzilla, trouxe o universo da música para o evento;
  • Nina Silva, fundadora e CEO da Black Money, contou sobre o dinheiro na mão de todos;
  • Wellington Vittorino, fundador e CEO do Instituto Four, discutiu um pouco sobre a formação de grandes líderes;
  • E muito mais.

O que aprendi com o Fórum CEO Brasil?

Nesses quatro dias conheci modelos inspiradores de brasileiros vencedores, tanto aqui em nosso país, como também nos quatro cantos do mundo. Pude conhecer as tendências para 2030 e entendi que, por mais que a gente estude, tenha anos de experiência, viva cotidianamente uma vida toda voltada para o nosso negócio, ainda não sabemos quase nada.

E isso é fantástico!

A capacidade de aprender, se antecipar e se reinventar. Faço uso das Palavras de Tiago Mattos que disse em o Ser Humano precisa de apenas 03 habilidades para o futuro: Aprender a aprender, aprender a desaprender e aprender a reaprender. É basicamente, o que faz pessoas comuns se tornarem verdadeiros empreendedores, empresários, CEOs e líderes de sucesso.

Saí de lá empolgado e inspirado, mas um tanto incomodado, desconfortável e preocupado. Como posso ser melhor? Como tornar o Grupo Verde Ghaia melhor? Como estar pronto para 2030? São tantos os aprendizados e reflexões que um texto não é suficiente.

Por isso, ao longo dos próximos dias vou compartilhar tudo o que foi vivido no Fórum CEO Brasil 2019: aprendizados adquiridos, impressões que tive, reflexões que fiz. Mas, não vou só contar não. Eu vou também mostrar como você pode utilizar o que foi tratado no evento a seu favor, para usar no seu negócio, independente do tamanho ou ramo de atividade ou para a sua própria vida! Espero que você também reflita e que assim como eu, você se sinta incomodado e se transforme ou transforme o seu negócio!

E eu posso te garantir: muita coisa vai te surpreender.

Enquanto isso, reflita sobre tudo que eu te disse aqui, e nos vemos na próxima semana!

Deivison Pedroza – Fundador e CEO do Grupo Verde Ghaia


Quais as mudanças ocorridas na NR 12?


 

A Norma Regulamentadora NR 12, apresenta diretrizes para a segurança do trabalhor em máquinas e equipamentos. Essa norma foi criada na década de 70, sendo a sua última revisão em 2010.

A alteração dessa norma advém de uma antiga discussão sobre a sua complexidade, fugindo da disposição dos Padrões Internacionais de proteção de máquinas, além de gerar insegurança jurídica sobre a sua correta aplicação.

Banner de chamada para as mudanças ocorridas na NR12
Conheça mais sobre as mudanças da NR 12

Contudo, em julho deste ano, 2019, houve um alarde sobre a postura do Governo Federal quanto a realização de algumas modificações propostas para nas normas que regem o trabalho formal. Porém, a que mais chamou a atenção dos trabalhadores e empregadores foi a Norma Regulamentadora em Saúde e Segurança no trabalho – NR12. O objetivo dessas mudanças nas NRS é de consolidar as diretrizes, simplificando assim, os decretos trabalhistas e garantindo regras mais objetivas e claras para o trabalhador e empregador.

Hoje, o Brasil possui 36 Normas Regulamentadoras em vigor, também conhecidas como NRs e que somam, aproximadamente, 6,8 mil DISTINTAS. As primeiras NRs a sofrem alterações foram a NR 01 que trata sobre a saúde e segurança e a NR 02 que exigia a fiscalização do empreendimentos, antes mesmo de sua abertura.

A outra Norma Regulamentadora que sofreu alteração e que queremos destacar nesse artigo é a NR 12. Seu objetivo é garantir a integridade física dos colaboradores, bem como preservá-los de acidentes no trabalho através do uso de máquinas e equipamentos.

O Por quê da mudança nas Normas Regulamentadoras?

Cronograma das Normas Regulamentadoras

Segundo o Secretário Rogério Marinho, as alterações ocorridas nas NRs não representam riscos às atividades, houve o cuidado de não torná-las simplistas para que as mudanças não impactassem em resultados negativos, como o aumento de acidentes no trabalho. A proposta é justamente ao contrário, é fazer com que as empresas encarem a NR 12 com mais clareza em suas diretrizes, reduzindo a burocratização. O Secretário também afirmou que as mudanças trazidas pela NR 12, será um marco para reindustrialização do país.

Nas 03 Normas Regulamentadoras, citadas acima, houve consenso entre os trabalhadores, empregadores e governo. Em breve, haverá outras revisões, destacam-se as seguintes NRs, tais como, NR 24 (instalações sanitárias), NR 17 (ergonomia) e NR 18 (Construção civil).

Para finalizar, o Secretário Marinho comunicou que a preocupação em preservar a saúde e segurança do trabalhador é primordial, assim como trazer possibilidades de crescimento para país, mas para isso, é preciso “retirar entulhos burocráticos que atrapalham quem empreende. Não é à toa que se fala de custos elevados no Brasil”.

“Ainda neste ano, será iniciada a revisão da Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho, estabelecida pelo Decreto nº 7.602, de 7 de novembro de 2011, buscando construir uma estratégia nacional para redução de acidentes.” (Fonte: Secretaria do Trabalho – Ministério da Economia)

Para saber mais sobre as NR 12, a Verde Ghaia preparou um Webinar com dois colaboradores do dept. Jurídico para explicar sobre as mudanças ocorridas e o impacto delas para os colaboradores e empregadores.

Assista!


Nota Técnicas são publicadas para o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro


 

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PUBLICA NOVAS NOTAS TÉCNICAS

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro publicou do DOE do dia 04 de setembro de 2019 as novas Notas Técnicas através da Portaria CBMRJ Nº 1.071, de 27-08-2019, as quais estabelecem os requisitos para o cumprimento do COSCIP, regulamentando as medidas de segurança contra incêndio e pânico, além de procedimentos administrativos para regularização e fiscalização das edificações e áreas de risco, regulamentando o Decreto nº 42, de 17 de dezembro de 2018, que dispõe sobre o Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico COSCIP.

De acordo com a Portaria, as Notas Técnicas, foram divididas em 05 grupo distintos, que são:

GRUPO 1 GENERALIDADES

GRUPO 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

GRUPO 3 – RISCOS ESPECÍFICOS

GRUPO 4 – EDIFICAÇÕES E ESTRUTURAS ESPECIAIS

GRUPO 5 – REUNIÃO DE PÚBLICO E EVENTOS

Em cada Nota Técnica consta a data da entrada em vigor da mesma.

Importante ressaltar que, visando a melhoria contínua dos processos executados pelo Departamento Jurídico, a forma de disponibilização dessas Nota Técnicas será feito de forma diversa.  Todas as obrigações aplicáveis a todas as Notas Técnicas estarão disponíveis em um único requisito, no caso, a Portaria CBMRJ Nº 1.071, de 27-08-2019.

Informamos ainda que serão mantidas nas Liras apenas a última versão das Notas Técnicas do Corpo de Bombeiros. Dito isto, as Notas Técnicas inseridas individualmente dos anos anteriores serão mantidas no Módulo Lira por 90 dias, contados do dia 04/09/2019, ou seja, até o dia 04/12/2019, para que todas as obrigações evidenciadas sejam migradas para o novo cadastro que é a Portaria CBMRJ Nº 1.071, de 27-08-2019. Ressaltamos que, após o dia 04/12/2019 todas as antigas NT’s serão excluídas do Módulo Lira, sendo mantido apenas a Portaria CBMRJ Nº 1.071, de 27-08-2019 com todas as obrigações aplicáveis as NT’s.

Para maiores esclarecimentos, acesse a íntegra do texto desta Portaria por meio do módulo LIRA do Sistema SOGI ou através do site Future Legis.

Bruna Marques da Costa / Departamento Jurídico


Leia mais:


Decreto: Regularização de uso de Recursos Hídricos em Minas Gerais


 

Publicado Decreto Sobre Regularização De Uso De Recursos Hídricos Em Minas Gerais

Foi publicado no DOE de Minas Gerais do dia 05 de setembro de 2019, o DECRETO Nº 47.705, DE 04-09-2019, que estabelece normas e procedimentos para a regularização de uso de recursos hídricos de domínio do Estado de Minas Gerais, o qual entrará em vigor trinta dias após sua publicação, ou sejam em 05 de outubro de 2019.

Decreto sobre o uso de Recursos Hídricos

Dentre as determinações trazidas pela norma, temos a obrigatoriedade de obtenção da outorga de direito de uso para as intervenções que alterem o regime, a quantidade ou a qualidade dos recursos hídricos, a montante ou a jusante do ponto de interferência, conforme os seguintes modos de usos:

  • captação ou derivação em um corpo de água;
  • explotação de água subterrânea;
  • construção de barramento ou açude;
  • construção de dique ou desvio em corpo de água;
  • rebaixamento de nível de água;
  • construção de estrutura de transposição de nível;
  • construção de travessia rodoferroviária;
  • lançamento de efluentes em corpo de água;
  • retificação, canalização ou obras de drenagem;
  • transposição de bacias;
  • aproveitamento de potencial hidroelétrico;
  • sistema de remediação para águas subterrâneas contaminadas;
  • dragagem em cava aluvionar;
  • dragagem em corpo de água para fins de extração mineral;
  • outras intervenções que alterem regime, quantidade ou qualidade dos corpos de água.

Um ponto que merece destaque é a determinação de que o processo de renovação de outorga de direito de uso de recursos hídricos seja formalizado até o último dia de vigência da outorga anteriormente concedida.

Outra questão relevante da norma é de que para a perfuração dos poços tubulares profundos para explotação de água subterrânea, deve-se obter autorização prévia emitida pelo Igam. Nos casos em que, por qualquer motivo, não seja possível a utilização do poço tubular profundo, ou o titular da autorização prévia de perfuração não tenha mais interesse em utilizá-lo, deve ser providenciada o tamponamento do mesmo, bem como a comunicação ao Igam, concluídos no prazo máximo de trinta dias após a perfuração.

Para maiores esclarecimentos, acesse a íntegra do texto deste Decreto por meio do módulo LIRA do Sistema SOGI ou através do site Future Legis.

Bruna Marques da Costa / Departamento Jurídico


Leia Mais:


Mondelez: excelência em Monitoramento de Requisitos


 

Mondelez conquista o 1° lugar no Prêmio Compliance Brasil, realizado pela Verde Ghaia com o objetivo de parabenizar seus clientes pela dedicação e esforço em cumprir seus requisitos legais. Sabemos que essa tarefa não é fácil! Mas, quando uma organização investe em gestão, os resultados não poderiam ser outro.

Conheça o Case de Sucesso da Mondelez em monitoramento de seus requisitos legais em Saúde e Segurança Ocupacional.

Case de Sucesso da Mondelez

Janice Zanardo e Marcelo Zanella –
Coordenadores de SSMA Mondelez.

A Gestão de Legal Compliance de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA) foi iniciada na metade de 2015. Já utilizávamos os serviços da Verde Ghaia de levantamento da legislação aplicável de acordo com os aspectos e impactos, perigos e riscos da organização e fazíamos internamente a auditoria de requisitos legais. Mas sabíamos da necessidade de ir além para uma gestão de excelência, então decidimos fazer a auditoria de conformidade legal de escopo completo com time especializado da Verde Ghaia, e sabíamos que na primeira auditoria levantaríamos muitas oportunidades.

A realidade nos mostrou que tínhamos razão, uma grande quantidade de Gaps foram levantados e mais uma vez, entendemos que deveríamos ir além, para uma gestão mais adequada, com a definição de priorização e comprometimento da Alta Direção, e por isso contratamos a avaliação de riscos.

Com a visibilidade clara do que deveríamos priorizar, iniciamos uma gestão mensal com indicadores de atendimento de Requisitos, Obrigações e Atendimento ao Plano de Ação, tanto a auditoria como a avaliação de riscos foram procedimentadas e formalizadas em um fluxo de processo, ambas realizadas anualmente.

Gestão de Indicadores da Mondelez

Monitore seus Requisitos Legais e facilite a sua Gestão

Em 2017 a gestão dos indicadores de compliance de SSMA passou a ser semanal, com discussão inclusive de riscos futuros. A discussão é realizada em duas etapas, uma com o time de Saúde, Segurança e Meio Ambiente, para validação dos indicadores, levantamento de riscos futuros e acompanhamento das ações; e outra com o time de liderança da planta, onde o Gerente de SSMA analisa os indicadores, dá visibilidade dos riscos e verifica o andamento das ações. Quando necessário, há um processo de escalonamento.

A gestão com time multidisciplinar interno, com especialistas Verde Ghaia e um time de liderança  comprometido em fazer o certo, são a chave do sucesso para termos em 4 anos o aumento em 40% do indicador de Compliance, e a conquista do 1º lugar em Saúde e Segurança do Trabalho no Prêmio Compliance 2019.


Blog VG