Brasil tem reconhecimento pela qualidade da carne exportada
×

Brasil: reconhecido pela qualidade da carne bovina exportada

 

É sabido por todos ou pela maioria que o Brasil é um dos principais países do mundo, no fornecimento e exportação de carne bovina e derivados.

A imagem reconhecida mundialmente como fornecedor de produtos de alta qualidade, não pode ser ofuscada pelas condições de trabalho inadequadas, inseguras e deterioração da saúde dos trabalhadores. Nesse sentido, vamos apresentar uma breve abordagem sobre as diretrizes de SSO necessárias para o desenvolvimento de seus processos industriais.

Abordagem Legal para agroindústria

Publicada pela Portaria n° 555, de 18 de abril de 2013, a Norma Regulamentadora nº 36 – Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados (NR-36), estabelece os requisitos mínimos para a avaliação, controle e monitoramento dos riscos existentes nas atividades desenvolvidas na indústria de abate e processamento de carnes e derivados destinados ao consumo humano, visando garantir a segurança, saúde e a qualidade de vida do trabalhador, sem deixar de observar outras normas regulamentadoras e outros dispositivos legais aplicáveis.

Sugestão de leitura: Pecuária e gestão: saída para a crise da carne é a Certificação

Processo de estudos e análise

A Norma determina que os processos sejam precedidos de estudos e análise ergonômica dos postos de trabalho, observando às características antropométricas dos trabalhadores, dos equipamentos e máquinas, entre outros aspectos.

Este item da norma aborda diversas questões, tais como: realização dos trabalhos em pé, zonas de alcance horizontal e vertical que favoreçam condições de posturas adequadas, espaços suficientes para pernas e pés, barras de apoio para os pés, assentos próximos dos locais de trabalho para descanso, dispositivos e comandos acionadores, características estruturais como pisos antiderrapantes, sistema de escoamento de águas e resíduo, dimensionamento de áreas de trabalho e de circulação, proteção contra intempéries (área externa), limpeza e higienização constante, etc. Outro importante assunto neste item é em relação as atividades desenvolvidas na câmara fria, dispositivos de abertura das portas, alarme, sistema de comunicação, levando em consideração o modo a ser acionado pelo interior, em caso de emergência.

Estrados, passarelas e plataformas, devem estar em consonância com a NR 12, NR 35, entre outros. Os trabalhadores devem receber treinamentos sobre segurança no manuseio de produtos químicos, uso de equipamentos de proteção individual e planejamento e preparação a emergências, em especial a risco de acidente e vazamento de amônia.

Outro ponto importante, refere-se aos procedimentos de recepção e descarga de animais, inclusive em relação as empresas prestadoras de serviços e terceiros. Deve ser observados aspectos de sinalização e/ou separação das áreas de passagem de veículos, animais e pessoas, estabelecer plataformas de descarregamento de animais isoladas de outros setores ou locais de trabalho, postos de trabalho, da recepção até o curral de animais de grande porte, protegidos contra intempéries, medidas de proteção contra a movimentação intempestiva e perigosa dos animais de grande porte que possam gerar risco aos trabalhadores, entre outros aspectos.

Sugestão de leitura: Um novo olhar sobre a crise: porque certificar a produção de carne?

Brasil: Líder em produtos de alta qualidade

Há seis anos, o setor de abate de animais é líder no ranking de acidente de trabalho em Mato Grosso (líder na produção e abate de animais para o consumo humano), segundo o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MT). Ocorre que, desde 2012 o setor onde estão incluídos os frigoríficos registraram mais de 10 mil acidentes/ano.

De acordo com o Observatório Digital de Segurança e Saúde do Trabalho, em 2018 os setores de abate tiveram mais de 98 mil acidentes ocupacionais. Sendo o Brasil entre os principais países do mundo na Agroindústria. A imagem positiva do Brasil como fornecedor de produtos de alta qualidade e reconhecida mundialmente, não pode ser prejudicada por condições de trabalho inadequadas, inseguras, com deterioração da saúde dos trabalhadores e prejuízo ao meio ambiente.

Portanto, realize a implementação adequada de um sistema de gestão de saúde e segurança ocupacional em indústrias de abate de animais e garanta uma política de segurança e saúde de seus trabalhadores, agregando valor ao seu negócio.

Quer saber mais como funciona a implementação? Fale com um dos nossos consultores através das nossas redes de comunicação ou clique aqui.

Edson Filho | Consultor Verde Ghaia


Fontes Bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *