×

Jornada de trabalho deve ser respeitada


 

A Jornada de trabalho hoje, aprovada pelo artigo 7º, inciso XIII, da Constituição Federal diz que a o colaborador deve fazer 8 horas diárias, compondo as 44 horas semanais. Contudo é comum que muitos colaboradores façam hora extra, desrespeitando o artigo 59 da CLT, o qual permite apenas 2 horas extras diárias. Há alguns casos, em que a jornada de trabalho chega a 12 horas, embora seja permitido, são casos isolados, como por exemplo, segurança armada, vigias.

Tanto o objetivo da Constituição Federal quanto da CLT é determinar às organizações o limite da jornada de trabalho e de horas extras, evitando que ambos os lados, empregador e empregado, excedam os limites estipulados por lei. Obedecendo as regras, os dois lados têm as suas vantagens, isto é, o empregado consegue administrar seu dia melhor, fazendo planos com família e amigos, descansando o que contribui para o seu bem-estar. Consequentemente, o empregador tem trabalhadores mais dispostos e satisfeitos.

Um caso relatado pelo Jornal Contábil, informou que “O TRT do Rio Grande do Norte condenou uma empresa de segurança e transporte de valores a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil por jornada excessiva de trabalho.” O caso foi jugado como dano moral, uma vez que que não se cumpriu a jornada estabelecida, desrespeitando as normas estabelecidas.

Entenda melhor porque o excesso da jornada de trabalho pode ocasionar danos morais e condenação, acesse o link.

Fique alerta! Se existem regras elas devem ser respeitadas. Portanto, empregador e empregado estão em uma via de mão única, pois as regras devem ser respeitadas por ambos os lados. Afinal, todos ganham com isso!

 

 

 


Qual a importância das Normas Regulamentadoras para a gestão?


 

As Normas Regulamentadoras (NR) do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE) referem-se ao conjunto dos requisitos e procedimentos que dizem respeito à segurança e à medicina do trabalho, bem como à preservação e proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.

Na gestão empresarial, cumprir estas normas é imprescindível para garantir um sistema de gestão eficaz, e evitar que sua empresa esteja suscetível a sofrer as penalidades previstas nas legislações pertinentes.

As NRs devem ser cumpridas por todos os empregadores e são obrigatórias tanto para as empresas privadas quanto para as públicas, e também para órgãos públicos da administração direta e indireta e órgãos dos poderes Legislativo e Judiciário, principalmente quando há colaboradores geridos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Dada sua importância, vamos então saber um pouco mais sobre as normas regulamentadoras, como surgiram, quais são e por que são tão importantes para garantir o sucesso da gestão da sua empresa.

Surgimento das Normas Regulamentadoras

Qual a importância das Normas Regulamentadoras para a gestão?

Antes do estabelecimento das NRs haviam muitos acidentes, adoecimentos e mortes motivadas pela falta de segurança nos mais diversos tipos de trabalho. A informalidade dos contratos laborais também era bem elevada. Se fazia necessário um norteamento legal e parâmetros regulatórios para balizar ações de melhorias nesses ambientes, reduzindo assim o alto número de acidentes.

Dessa forma, a lei n° 6.514 de 22 de dezembro de 1977 contém os artigos 154 a 201 da CLT que tratam sobre a segurança e a medicina do trabalho. Mais especificamente, no artigo 200, fica definido que cabe ao MTE estabelecer as disposições complementares às normas relativas à segurança e à medicina do trabalho.

Foi assim que em 08 de julho de 1978, o Ministério do Trabalho, com o objetivo de padronizar, fiscalizar e fornecer orientações sobre procedimentos obrigatórios relacionados à Segurança e Medicina do Trabalho, aprovou 28 Normas Regulamentadoras. Atualmente, temos 36 NRs aprovadas pelo MTE.

Cada uma das Normas Regulamentadoras visa:

Prevenir acidentes e doenças provocadas ou agravadas pelo trabalho;
Estabelecer os parâmetros mínimos e as instruções sobre saúde e segurança de acordo com cada atividade ou função desempenhada; e
Nortear as ações dos empregadores e orientam os colaboradores, fazendo com que o ambiente de trabalho se torne um local saudável e seguro.

Mas, quais são as NRS existentes?

São as 36 Normas Regulamentadoras: Conforme definido pelo MTE, hoje existem 36 NRs, que abrangem as mais diversas atividades a fim de garantir a segurança e a saúde do trabalhador, e também preservar e proteger o meio ambiente. São elas:

NR-01 – Norma Regulamentadora Nº 01 – Disposições Gerais;

NR-02 – Norma Regulamentadora Nº 02 – Inspeção Prévia: todo estabelecimento novo, antes de iniciar suas atividades, deverá solicitar aprovação de suas instalações ao órgão regional do TEM. Logo após a inspeção prévia, é emitido o CAI (Certificado de Aprovação de Instalações). Quaisquer modificações substanciais nas instalações e/ou nos equipamentos de seu(s) estabelecimento(s) deve ser comunicada e solicitada aprovação do órgão regional do MTE;

NR-03 – Norma Regulamentadora Nº 03 – Embargo ou Interdição: estabelece situações de emergência nas quais empresas se sujeitam a paralisar totalmente ou parcialmente suas obras, considerando obra todo e qualquer serviço de engenharia de construção, montagem, instalação, manutenção ou reforma. Durante o embargo da obra, podem ser desenvolvidas atividades necessárias à correção da situação apresentada, desde que seja adequado aos trabalhadores, que continuam recebendo os salários como se estivessem trabalhando;

NR-04 – Norma Regulamentadora Nº 04 – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT): todas as empresas que possuam empregados regidos pela CLT, conforme o grau de risco de sua atividade principal e o seu número de empregados, obrigatoriamente, deverá constituir o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT), com a finalidade de promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho.

NR-05 – Norma Regulamentadora Nº 05 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA): a formação da mesma deva ocorrer em qualquer empresa ou instituição que podem admitir trabalhadores, além de empregados contratados com carteira assinada. Empresas que possuem no mínimo 20 empregados são obrigadas a manter a CIPA. A realização do treinamento da CIPA maximiza a conscientização de prevenção dos acidentes e das doenças de trabalho, de modo a assegurar um local de trabalho apropriado para as funções que serão exercidas.

NR-06 – Norma Regulamentadora Nº 06 – Equipamentos de Proteção Individual (EPI): a empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, os EPIs adequados ao risco do trabalho. Os EPIs devem estar em perfeito estado de conservação e funcionamento, a fim de resguardar a saúde, a segurança e a integridade física dos trabalhadores.

NR-07 – Norma Regulamentadora Nº 07 – Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO): o objetivo desta norma é promover e preservar a saúde dos trabalhadores. É obrigatória a elaboração e a implementação do PCMSO, por parte dos empregadores, que admitam trabalhadores como empregados.

NR-08 – Norma Regulamentadora Nº 08 – Edificações: estabelece requisitos técnicos mínimos que devem ser observados nas edificações, para garantir segurança e conforto aos seus trabalhadores.

NR-09 – Norma Regulamentadora Nº 09 – Programas de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA): estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação do PPRA, que visa à prevenção da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.

NR-10 – Norma Regulamentadora Nº 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade: estabelece os requisitos e as condições mínimas de execução de medidas de controle e sistemas preventivos, visando garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade. E somente poderão trabalhar com instalações elétricas os trabalhadores que tiverem treinamento sobre os riscos desse tipo de trabalho.

NR-11 – Norma Regulamentadora Nº 11 – Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais: refere-se à implantação da segurança para operações de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras, a fim de garantir resistência, segurança e conservação.

NR-12 – Norma Regulamentadora Nº 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos: estabelece medidas de prevenção de acidentes e doenças do trabalho nas fases de projeto e utilização de máquinas e equipamentos de todos os tipos e ainda visa regularizar a sua fabricação, importação, comercialização, exposição e cessão a qualquer título.

NR-13 – Norma Regulamentadora Nº 13 – Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações: dispõe os requisitos mínimos para a gestão da integridade estrutural de caldeiras a vapor, vasos de pressão e suas tubulações de interligação nos aspectos relacionados à instalação, inspeção, operação e manutenção, visando à segurança e à saúde dos trabalhadores.

NR-14 – Norma Regulamentadora Nº 14 – Fornos: determina recomendações de utilização, instalação, manutenção e construção de fornos industriais em ambientes de trabalho.

NR-15 – Norma Regulamentadora Nº 15 – Atividades e Operações Insalubres: descreve as atividades, as operações e agentes insalubres, sendo eles qualquer tipo de ambiente que possa vir a oferecer algum risco a saúde dos trabalhadores.

NR-16 – Norma Regulamentadora Nº 16 – Atividades e Operações Perigosas: regulamenta as atividades e operações legalmente consideradas perigosas, estipulando as recomendações prevencionistas correspondentes. Esta norma determina que o exercício de trabalho em condições de periculosidade assegure ao trabalhador a percepção de adicional de 30% (trinta por cento), incidente sobre o salário, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participação nos lucros da empresa. Todo trabalho considerado de risco está descrito no Anexo nº1 e no nº2 da NR-16.

NR-17 – Norma Regulamentadora Nº 17 – Ergonomia: estabelece parâmetros de ergonomia a fim de garantir a saúde, segurança e conforto do funcionário. Cabe ao setor de segurança do trabalho estruturar um ambiente ergonomicamente apto para o desempenho das funções.

Qual a importância das Normas Regulamentadoras para a gestão?

NR-18 – Norma Regulamentadora Nº 18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção: estabelece diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e de organização, que objetivam a realização de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na Indústria da Construção.

NR-19 – Norma Regulamentadora Nº 19 – Explosivos: determina o parâmetro de depósito, manuseio e armazenagem de explosivos. É uma atividade de alto risco em envolve a NR-16.

NR-20 – Norma Regulamentadora Nº 20 – Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis: estabelece as disposições regulamentares acerca do armazenamento, manuseio e transporte de líquidos combustíveis e inflamáveis, objetivando a proteção da saúde e a integridade física dos trabalhadores em seus ambientes de trabalho.

NR- 21 – Norma Regulamentadora Nº 21 – Trabalho a Céu Aberto: impõe a existência de abrigos, ainda que rústicos capazes de proteger os trabalhadores contra intempéries, sendo eles quaisquer condições climáticas que estejam mais intensas; vento forte, chuva torrencial, tempestade, furacão, seca, vendaval etc.

NR-22 – Norma Regulamentadora Nº 22 – Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração: determina os preceitos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento da atividade mineira com a busca permanente da segurança e saúde dos trabalhadores.

NR-23 – Norma Regulamentadora Nº 23 – Proteção Contra Incêndios: destaca as medidas de proteção contra incêndios, visando à prevenção da saúde e integridade física dos trabalhadores e a mesma deve ser realizada em todas as empresas.

NR-24 – Norma Regulamentadora Nº 24 – Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho: decreta condições sanitárias e de conforto em locais como instalações sanitárias, vestiários, refeitórios, cozinhas, alojamentos e refeitórios.

NR-25 – Norma Regulamentadora Nº 25 – Resíduos Industriais: refere-se a medidas preventivas relacionadas a resíduos industriais no que diz respeito ao destino final do mesmo.

NR-26 – Norma Regulamentadora Nº 26 – Sinalização de Segurança: fixa as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para prevenção de acidentes, identificando os equipamentos de segurança, delimitando áreas, identificando as canalizações empregadas nas indústrias para a condução de líquidos e gases advertindo contra riscos.

Qual a importância das Normas Regulamentadoras para a gestão?

NR-27 – Norma Regulamentadora Nº 27 – (Revogada pela Portaria GM n.º 262, 29/05/2008).

NR-28 – Norma Regulamentadora Nº 28 – Fiscalização e Penalidades: estabelece os critérios a serem adotados pela fiscalização do trabalho quando da aplicação de penalidades pecuniárias (multas), critérios que devem ser aplicados durante a visita do agente fiscal do trabalho (prazos, por exemplo) e a interdição de locais de trabalho ou estabelecimentos.

NR-29 – Norma Regulamentadora Nº 29 – Segurança e Saúde no Trabalho Portuário: regula a proteção obrigatória contra acidentes e doenças profissionais, assim como facilitar os primeiros socorros a acidentados e alcançar as melhores condições possíveis de segurança e saúde aos trabalhadores portuários.

NR-30 – Norma Regulamentadora Nº 30 – Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário: refere-se à proteção e regulamentação das condições de segurança e saúde dos trabalhadores aquaviários e que realizem trabalhos a bordo de embarcações.

NR-31 – Norma Regulamentadora Nº 31 – Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura: estabelece os preceitos a serem observadas na organização e no ambiente de trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento de quaisquer atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura com a segurança e saúde e meio ambiente do trabalho.

NR-32 – Norma Regulamentadora Nº 32 – Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde: tem a finalidade de cuidar da saúde dos profissionais da área da saúde, tanto da área hospitalar quanto os que estão no Ensino e Pesquisa.

NR-33 – Norma Regulamentadora Nº 33 – Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados: define o reconhecimento de espaços confinados, assim como a avaliação, monitoramento e controle de riscos que ali pode haver.

NR-34 – Norma Regulamentadora Nº 34 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval: estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção à segurança, à saúde e ao meio ambiente de trabalho nas atividades da indústria de construção e reparação naval.

NR-35 – Norma Regulamentadora Nº 35 – NR-35 – Trabalho em Altura: estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com esta atividade.

NR-36 – Norma Regulamentadora n.º 36 – Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados: estabelece requisitos mínimos para avaliação, controle e monitoramento dos riscos existentes nas atividades desenvolvidas na indústria de abate e processamento de carnes e derivados destinados ao consumo humano, de forma a garantir a saúde e segurança do trabalhador.

Estas são as 36 NRs aprovadas no MTE. De acordo com a evolução dos meios de trabalho, do avanço da tecnologia e da mudança nas relações de trabalho, estas Normas Regulamentadoras passam por alterações, de modo a atualizar os conceitos existentes e inserir as boas práticas legais vigentes nas normas internacionais e nacionais. Sempre com o objetivo de preservar a saúde e a integridade dos trabalhadores, considerando também a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.

Qual a maneira mais fácil de cumprir as NRs?

Se você acha difícil seguir as NRs que sua empresa é obrigada a cumprir, a Verde Ghaia está aqui para te ajudar!

A Verde Ghaia é uma empresa de consultoria ambiental que está há mais de 20 anos no mercado, possui mais de 2000 clientes e trabalha com consultores especializados utilizando o que tem de mais moderno quando o assunto é sistema de gestão. Ela é especializada nas áreas de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho, Responsabilidade Social, Qualidade, Segurança de Alimentos, Sustentabilidade e Mudanças Climáticas.

Através de uma metodologia própria, a Verde Ghaia desenvolveu a plataforma online SOGI que te auxilia a cumprir os objetivos e metas do seu negócio de maneira personalizada. O SOGI possui diferentes Módulos que se encaixam perfeitamente à atividade desenvolvida pela sua empresa, garantindo que assim você esteja cumprindo todas as NRs aplicáveis a ela.

Utilizando o SOGI, você pode ter a certeza que estará cumprindo todas as obrigações exigidas para sua empresa, vai conhecer todos os perigos e riscos significativos em seu ambiente de trabalho, vai descobrir onde há oportunidades de redução de custos ou de investimentos, vai proporcionar maior qualidade de vida para seus colaboradores, obtendo assim maior produtividade para seu negócio, além de outras inúmeras vantagens.

Se você possui colaboradores no regime CLT e deseja que a sua empresa tenha um sistema de gestão eficaz, então é obrigatório que você cumpra com todas as NRs que dizem respeito a seu negócio. E isso é importante para seu sistema de gestão pois garante a melhoria na qualidade de seus processos e dos seus resultados e também a saúde e a segurança de todos os seus colaboradores, evitando toda e qualquer forma de sanções, multas e penalidades que poderia vir a sofrer caso não cumprisse as NRs.

As NRs são muito importantes para a gestão da sua empresa!
E não importa qual o seu negócio.

Se você tiver qualquer dúvida ou quer saber mais como estar de acordo com todas as NRs, entre em contato agora com um dos consultores Verde Ghaia!

Conheça os nossos Cursos EAD sobre as Normas Regulamentadoras


Qual a importância da Metodologia 5S para as Organizações?


 

Estamos quase finalizando o ano de 2018. Falta pouco para começar aquele período em que desfazemos de muita coisa acumulado no decorrer do ano. Mas, já pensou ter sua empresa em ordem o ano todo? Não acumular papéis e objetos desnecessários?

Muitas organizações estão preocupadas em manter seus processos em ordem, através de uma boa gestão. É neste momento que entra o Plano de Implantação do sistema 5S. Obviamente, todos nós já ouvimos falar a respeito. Quer saber sobre a Implantação do 5SSuas vantagens para a empresa? E quanto isso pode custar? Então, vamos lá!

Plano de Implantação da Metodologia

5S é uma metodologia que ajuda na melhoria e na , compreendendo desde a organização e limpeza até o comportamento dos colaboradores. É uma metodologia simples é prática que qualquer empresa pode implementar.

Os resultados dessa implementação são realmente eficazes, pois não apenas o ambiente de trabalho melhora como também, o comportamento do colaborador. As melhorias são realmente significativas tanto no campo das relações interpessoais, no humor quanto na produtividade.

Para que um ambiente de trabalho seja amistoso é necessário que a “casa esteja em ordem”, como equipamentos em boas condições de uso, que todos os colaboradores tenham seus materiais necessários para o trabalho, que os materiais de uso diário estejam disponíveis e de fácil acesso, que as comunicações interna e externa cheguem até aos interessados, que os processos sejam executados em tempo hábil, dentre outros.

Vamos então, aprender como proporcionar melhor controle das suas atividades e otimizar os seus processos e ações, eliminando o desperdício.

O que são os 5S’s?

É uma metodologia de apoio para melhoria dos processos, promovendo um espirito de rigor e disciplina. Essa metodologia se divide em 5 Senso.

1º SEIRI – Senso de organização
2º SEITON – Senso de arrumação
3º SEISOU – Senso de Limpeza
4º SEIKETSU – Senso de Padronização/ higiene
5º SHITSUKE – Senso Disciplina

1º SEIRI – Senso de Organização

O 1º Senso se refere a ter somente o necessário no seu local de trabalho, destinando cada coisa para onde será útil na sua rotina de trabalho. O Seiri diz que ao organizar seu espaço de trabalho será necessário:

1.Verificar o que é útil e necessário
2.Separar aquilo que não tem utilidade para o setor
3.Descartar o que não serve e/ou disponibilizar para outro setor

As vantagens para o seu ambiente de trabalho

1.Liberação de espaço;
2.Eliminar materiais, equipamentos, prateleiras, ferramentas de trabalho e instrumentos em desuso;
3.Eliminar dados de controle ultrapassados;
4.Eliminar itens fora de uso e sucatas.

2º SEITON – Senso de Arrumação 

O nome “arrumação” já indica tudo, não é mesmo? Portanto, designar um local para guardar os objetos de modo organizado e que todos saibam onde encontrá-los é o segredo para que seja possível localizar, rapidamente, tudo que for preciso naquele momento.

As vantagens para o seu ambiente de trabalho

1.Rapidez e facilidade para encontrar documentos, materiais, equipamentos e outros objetos de uso comum e/ou diário.
2.Diminuição de cansaço físico por movimentações desnecessárias;
3.Melhoria do fluxo de pessoas e materiais;
4.Economia de tempo;
5.Diminuição de acidentes.

3º SEISOU– Senso de Limpeza

Deixar o local limpo e em perfeitas condições de funcionamento é o que diz o 3º SEISOU, o Sendo da Limpeza. Quando se fala em limpeza, neste caso, tenha bem claro que “mais do que limpar… é não sujar.”  Portanto, sempre que usar algo, tente deixar sempre limpo e nas condições adequadas para serem utilizadas novamente.

Isso porque o Senso de limpeza significa também, zelar pelos objetos e materiais de trabalho individual ou coletivo. É senso da conservação e da preservação.

As vantagens para o seu ambiente de trabalho

1.Melhoria do local de trabalho;
2.Satisfação dos colaboradores por trabalhar em local limpo;
3.Maior segurança e controle sobre os equipamentos, máquinas e instrumentos de trabalho;
4.Eliminação do desperdício;
5.Proteção da nossa saúde;
6.Valoriza a imagem do departamento.

4º SEIKETSU– Senso de Higiene

No 4º Senso diz que é preciso manter as condições de trabalho favoráveis à saúde física e mental de todos, bem como criar um ambiente de trabalho agradável que contribua para atividades que envolvam formação de equipes. É uma maneira de criar relações entre os colaboradores e envolve-los na participação das atividades internas da empresa.

As vantagens para o seu ambiente de trabalho

1.Equilíbrio físico e mental;
2.Melhoria do ambiente de trabalho;
3.Melhoria das áreas comuns (banheiros, copa, etc.);
4.Melhoria das condições de segurança.

5º SHITSUKE– Senso de Disciplina

O último Senso diz respeito a autodisciplina. Por isso, é importante desenvolver o hábito de observar e seguir normas, regras, procedimentos, atender especificações, sejam elas formais ou informais, escritas ou verbais.

SHITSUKE, Senso da Disciplina diz que devemos pensar se o que queremos é:
É o querer de fato;
O ter vontade de…
O se predispor a…

Sendo assim, devemos fazer o que tem que ser feito, de maneira como deve ser feito, mesmo que ninguém veja. E isso é o que significa a disciplina do 5º Senso – SHITSUKE.

As vantagens no ambiente de trabalho

1.Trabalho diário agradável;
2.Melhoria nas relações humanas;
3.Valorização do ser humano;
4.Cumprimento dos procedimentos operacionais e administrativos;
5.Melhor qualidade, produtividade e segurança no trabalho.

Metodologia Para Implantação do Programa

Partiremos do ponto de vista que se trata de um departamento, que apesar de grande abrangência, tem um espaço físico consideravelmente reduzido, assim como o número de colaboradores.

O modelo possui as seguintes etapas, executadas de forma interativa. Sendo que a manutenção nunca termina, o que é coerente com a lógica clássica da melhoria contínua: Preparação / Implantação / Manutenção.

Preparação
Nesse momento é preciso selecionar pessoas chave para integrar à equipe. É nesta etapa que será realizada uma discussão com todos os membros da equipe para obtenção do comprometimento e definição de objetivos. Portanto, defina a sua Equipe e dê início a implantação.

Verificação do ambiente
É interessante que seja aplicado um questionário a todos os colaboradores para que seja possível analisar a percepção do ambiente setorial quanto de toda a empresa, ajudando no processo de preparação e definição de prioridades. Além disso, é possível perceber se há descontentamento com o ambiente físico e/ou emocional na empresa.

Roteiro Sugestivo para implantar o 5S

1ª etapa: equipe de implantação
Formada por pessoas comprometidas. Sugere-se no mínimo 03 pessoas, de diferentes setores da organização, sendo uma delas da alta direção. É fundamental que a equipe tenha disponibilidade para conduzir os processos, orientar, esclarecer dúvidas e fazer visitas rotineiras de acompanhamento.

2ª etapa: Planejamento
Equipe de implantação pode ser a responsável pela elaboração de um cronograma, um plano de orientação que determine quais ferramentas serão utilizadas, bem como dividir as atividades em etapas.

É importante que todas as tarefas e responsabilidades sejam distribuídas para que todos se comprometam com os prazos de cumprimento. Por isso, a disciplina é muito importante.

3ª etapa: Fotos e registros
Não se esqueça de registrar a situação atual da organização. Vá em todas as áreas, especialmente onde forem percebidas as maiores necessidades de melhoria. Posteriormente, a equipe pode se reunir e discutir as falhas, as ações corretivas, dar sugestões de melhoria com base nas informações documentadas através de fotos e relatórios.

É importante que a opinião de cada um seja ouvida, principalmente por que, cada um da equipe pertence a áreas diferentes da organização. Além de que, a percepção de um pode ser diferente do outro, e ideias diferentes podem gerar resultados melhores quando se busca por melhorias.

4ª etapa: Reunião
A equipe pode convidar toda a organização para uma reunião, na qual serão compartilhados todos os dados, mostrando a importância de que todos tenham compromisso e disposição para implantar a metodologia 5S.

Durante a reunião, a equipe pode iniciar o trabalho de conscientização dos colaboradores, destacando a importância do programa 5S para a melhoria do trabalho e na qualidade de vida, bem como explicar os objetivos da implantação, apresentando vantagens do programa e os seus benefícios para os campos pessoal e profissional.

5ª Etapa: Implantação
Após a reunião de sensibilização com a organização, o programa começa a ser efetivamente implantado.

As responsabilidades deverão ser divididas conforme as áreas de trabalho, bem como os mapas de acompanhamento do trabalho. Em casa fase, as pessoas envolvidas devem se reunir para definir as atividades, esclarecer dúvidas, citar exemplos, propor metas e o que for necessário conforme as demandas.

A interação da organização com a Equipe responsável pela implantação da metodologia é importante, para que não fiquem dúvidas a respeito do programa e para que tudo corra bem na fase seguinte.

6ª Etapa: Acompanhamento
A equipe organizadora precisa se planejar e se organizar para fazer visitas nas áreas onde acontecerão as implantações da metodologia. Deve haver pelo menos dois membros da equipe organizadora, supervisionando a visita.

Nas visitas, os quesitos necessários para a implantação do programa devem ser acordados entre as partes, com base na orientação do colaborador. Os pontos positivos, como os negativos devem ser apontados com sugestões de melhoria. Lembre-se que o principal é manter os colaboradores do setor motivados para que sigam as instruções. Sugerimos que seja feito um mapa de acompanhamento mensal para verificar os benefícios, os resultados, as mudanças.

É essencial que todos sigam o programa, desde os gerentes e diretores aos técnicos de apoio.

Check retornos

Observe nos retornos aos setores os seguintes itens:

Grau de alcance do sistema 5S
Importância da implantação do programa da Metodologia 5S
Aspectos positivos
Aspectos negativos

Algumas dicas Importantes

Implantação do 1º S
Convide os colaboradores, estimulando-os a questionar a utilização de diferentes objetos de uso diário, que fazem parte do ambiente de trabalho. Exemplo: materiais, máquinas e ferramentas, copos, papel.

“Dia D”
Escolha um dia para que, em forma de mutirão, seja realizada “uma faxina” nos espaços e de trabalho e no setor, colocando em pratica o 2º e 3º S (Arrumação e Limpeza)

4º e 5º S
Faça “blits” na organização, vá aos dos setores e nas áreas específicas para apontar possíveis não conformidades. Se não houver não conformidades, que tal pensar numa premiação? Todo mundo gosta de receber elogios e ser lembrado.

Manutenção
Repassar para os gestores e gerentes, o grau de assimilação dos 5 sensos. Funciona como se fosse um dispositivo que determina “como” e “quando” o sistema deve recomeçar. Desse modo, colocamos em prática o ciclo PDCA.

Afinal quanto custa implantar a Metodologia 5S? 

Baixo custo para a empresa ou para os setores.
Envolve tempo de toda a organização e principalmente da equipe designada. Mas, não interfere diretamente na rotina de trabalho.
Algumas fases da implantação podem variar, dependendo do número de pessoas envolvidas e o grau de conformidade do setor.

Quanto mais rápida a mobilização e dedicação, menor será o tempo e os gastos.

Princípios do Método 5S para você não se esquecer

“Se você sabe e não faz, é como se você não soubesse.”
“Os três primeiros S, ou seja, as 3 primeiras fases, são a base para o sucesso da implantação do programa.”
“Ordenar é identificar.”
“O ambiente mais limpo não é o que mais se limpa, e sim o que menos se suja.”
“Organização do pessoal reflete organização do ambiente.”
“Todo o trabalho tem de ser feito em equipe.”
“A tolerância também é uma ferramenta de trabalho, desde que usada na medida certa.”

 

Referência

http://www.anvisa.gov.br/reblas/procedimentos/metodo_5S.pdf

 

Saiba ainda mais sobre esse assunto tão útil para todos.

Inscreva-se no Curso EAD Verde Ghaia “5S”. É gratuito e possui emissão de certificado!

 


Como melhorar a gestão do meu negócio?


 

Sabe quando as coisas não andam na sua empresa? Os processos são burocráticos e demandam mais tempo que o previsto, os retornos ao cliente são atrasados e muitas vezes chegam a não acontecer.

Confira algumas dicas para melhorar a gestão  da sua empresa e torná-la ainda mais rentável.

Há também aquelas situações desgastantes em que as informações ou documentos são difíceis de serem encontrados ou, pior ainda, atender o comprador com rapidez e agilidade é um baita desafio. Se boa parte ou quase tudo que apontamos acima faz parte da sua lista de erros que precisam ser corrigidos, temos algumas dicas que podem auxiliar e muito a gestão da sua empresa.

É importante frisar que a gestão envolve uma série de áreas e aspectos importantes que precisam ser observados e alinhados. Neste artigo, entretanto, apontaremos algumas dicas que podem melhorar a rapidez e qualidade da gestão, fatores essenciais para o bom funcionamento de qualquer empreendimento.

1ª dica: Melhore a rapidez nos processos

Quem não quer acelerar os processos? Para a conclusão perfeita na prestação de serviços ou entrega de produtos é essencial que os processos sejam realizados com rapidez e competência.

Uma questão que é um desafio para a maioria dos empresários ou para quase todos é o fato de não ser muito bom em todas as áreas da empresa. Geralmente as organizações são muito excelentes no cerne do negócio, mas em outros campos apresentam péssimos desempenhos. Para entender melhor, vejamos uma ilustração.

Exemplo: Uma confeitaria tende a ser muito boa, ou pelo menos é o que pressupõe, no que diz respeito aos produtos fornecidos, bolos, tortas, doces, etc, mas por ser que não seja tão qualificada na área do marketing ou da administração das contas.

Por essa razão muitas organizações, as vezes apresentam um excelente produto ou serviço para o mercado, todavia chegam a fechar as portas pela má administração ou por não ampliar a cartela de clientes.

Por essa razão uma dica muito válida é terceirizar as áreas menos cruciais do seu negócio como o setor de TI, impressões, marketing entre outros. Essa prática se chama outsourcing e tem crescido muito nos últimos anos por gerar rapidez a áreas que eram um desafio para as organizações, além de proporcionar em muitos casos até a redução de gastos.

Empresas especialistas no segmento como a Copygreen Outsourcing reduzem em até 80% gastos com impressões e otimizam os processos por oferecer profissionais experts no assunto e equipamentos de alta performance para os clientes.

2ª dica: Opte sempre pela automatização

Um processo muito importante na modernização das empresas é justamente a automatização.

Hoje com as inovações do mercado, é possível automatizar quase tudo: atendimento ao cliente, documentos, análise de dados, relatórios, entre tantos outros pontos do empreendimento.

Lembre-se que no mercado, só vence aquele que de fato alcançar o seu melhor!

Um entrave muito comum às grandes empresas é o fornecimento de documentos, relatórios e dados concernentes ao negócio às intuições legais. Para isso há ferramentas de automação como o soGI da Verde Ghaia que monitora a gestão através da validação de novos requisitos legais, gera relatórios, indicadores e mantém todos os documentos legais acessíveis a um clique do cliente.

3ª dica: Descomplique!

O conceito de gerir tudo sozinho de forma controladora e autoritária é uma ideia ultrapassada no mundo dos negócios. Dê autonomia aos gerentes e líderes da sua equipe para realizarem tarefas importantes no que diz respeito a área de atuação deles.

Além de gerar alertas importantes que precisam ser cumpridos pelas empresas no que diz respeito às suas obrigações legais. É claro que tudo precisa ser monitorado e supervisionado a partir de relatórios e informações transparentes que podem inclusive passar por um processo simples de automatização.

Crie um ambiente acessível, onde as ações podem ser registradas e informadas, preferencialmente de modo online, sem burocracias.

Para que os líderes tenham autonomia e você, esteja seguro no desenvolvimento das tarefas deles é importante inclusive que haja profissionais capazes e excelentes no que fazem. Para isso, é essencial atentar a 4ª dica.

4ª dica: Separe o profissional do pessoal

Outro problema que gera grandes entraves na gestão é a condução de setores importantes por familiares ou amigos. Não é um problema ter um familiar no seu negócio, desde que você saiba dividir muito bem as questões profissionais das pessoais.

O profissional precisa ser cobrado pelo trabalho que ele realiza e não por quem ele é. Tenha sempre em mente que a empresa não irá sobreviver se os cargos não forem ocupados por entendedores do assunto e pessoas habilitadas em desenvolver com excelência aquilo que elas estão sendo pagas para fazerem.

Esse não é só um problema das organizações familiares, há pequenas e médias empresas que há uma dificuldade muito recorrente em que, por receios de atritos ou de possíveis ruídos na relação pessoal, o profissional deixa de ser cobrado ou corrigido pela gerência.

Vamos melhorar os resultados da sua Gestão? Fale conosco e será um prazer te ajudar alcançar os seus objetivos!


ISO 37001 – Cresce o número de empresas que adotam leis antissuborno


 

É fato que muitas empresas têm investido cada vez mais nos chamados programas de compliance — a novidade é que alguns deles têm sido voltados para evitar esquemas de corrupção, como desvios de função, pagamentos de propinas e vantagens indevidas a servidores públicos ou fornecedores. Inclusive, há até mesmo uma norma para reger tais requisitos: a ISO 37001 — “Sistemas de Gestão Antissuborno”— que visa apoiar as organizações na luta contra a corrupção, criando um modelo de integridade, transparência e conformidade. A norma ISO 37001 substitui a BS10500 desde outubro de 2016.

 

 

Embora esta norma não possa garantir a erradicação do suborno, ela representa um belo apoio na implementação de medidas eficazes para preveni-lo e reduzi-lo ao máximo. A ISO 37001 é uma norma de sistemas de gestão antissuborno que pode ser aplicado em qualquer organização e tem como objetivo principal apoiar o combate aos atos ilícitos por meio de uma cultura de integridade, transparência e conformidade com as leis e regulamentações aplicáveis.

Estar em conformidade, principalmente no que diz respeito a questões de honestidade, é essencial para a sustentabilidade, sobrevivência e perpetuidade de qualquer empresa.

Crise de imagem é prejuízo incalculável

A imagem é o bem mais caro de uma empresa. Por isso, uma reputação  uma vez manchada por possíveis esquemas de corrupção certamente incita desconfiança no mercado, e isto afeta diretamente na rentabilidade de uma organização.  As companhias envolvidas em escândalos também apresentam mais dificuldade para levantar recursos: quanto pior a nota na classificação de risco de uma companhia, mais altos serão os juros do crédito concedido a ela.

A partir de tal contexto, os investimentos em programas de controle interno se mostram importantíssimos – e até mesmo indispensáveis para a sobrevivência dos negócios. Uma governança bem elaborada também é importante para tornar a companhia mais atrativa em caso de venda ou abertura de capital.

Se a empresa já identificou processos de corrupção, mas deseja realmente mudar, é recomendável fazer uma reestruturação completa, a qual inclui até mesmo vender ativos para quitar dívidas, total renovação do quadro de gestores e até modificação do nome fantasia, deixando claro para o mercado que houve renovação e que a intenção é ser o mais transparente possível.

As medidas adotadas

Embora muitas empresas possuam seus códigos internos de ética e algumas até mesmo já tenham adotado programas de compliance estruturados, é preciso ficar bem claro que não pode ser apenas uma determinação “de papel”. As regras precisam ser instituídas e cumpridas fielmente.

Eis algumas medidas que podem auxiliam na instituição de uma ética adequada:

– Criação de um departamento de compliance, inclusive com status de diretoria a fim de impor respeito e demonstrar que o exemplo vem de cima;

– Afastamento de quaisquer suspeitos de envolvimento em desvio de conduta do comando da empresa;

– Aumento de conselheiros independentes nos conselhos de administração;

– Revisão de todas as normas e procedimentos internos, incluindo políticas mais rígidas para recebimentos de brindes de fornecedores;

– Criação de um comitê̂ independente para apurar quaisquer casos de desvio de conduta;

– Implementação de um canal de denúncias anônimas (preferencialmente terceirizado, a fim de garantir a transparência);

– Desenvolvimento de programas para treinamento de todos os funcionários, o qual pode incluir um programa de prevenção à corrupção;

– Definição de metas de conformidade;

– Reavaliação da lista de fornecedores.

Lembrando que um programa de compliance jamais será eficiente se a alta liderança não estiver plenamente engajada. O compliance só́ funciona se houver conscientização, e comprometimento dos executivos sêniores e de todos os membros dos conselhos. Não adianta a empresa divulgar seu canal de denúncias, por exemplo, se sua alta cúpula realizar pagamentos de propinas às escondidas para disputar uma licitação.

Benefícios da ISO 37001

Bons motivos para implementar a ISO 37001 na sua empresa:

Minimizar o risco de ocorrência de suborno: A certificação ISO 37001 ajudará a sua organização a implementar ou melhorar controles de combate ao suborno, reduzindo ou até extinguindo a ocorrência deles.

Demonstrar publicamenente a existência de um “Programa de Integridade”: uma empresa transparente é uma empresa mais confiável.

Estabelecer a confiança entre as partes interessadas: Ao demonstrar a conformidade com a norma ISO 37001, todas as partes interessadas podem se sentir mais confiantes de que a organização tomou medidas razoáveis a fim de prevenir a corrupção.

A Lei Brasileira 12.846/2013: esta lei dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira. Como a certificação ISO 37001 exige que você implemente uma política antissuborno, ela ajuda a garantir que todos os colaboradores compreendam o que se espera deles, ajudando a organização a permanecer dentro da lei.

Proteção do Ministério Público: Em caso de investigação criminal, a certificação ISO 37001 permitirá que sua organização demonstre que foram tomadas medidas responsáveis a fim de prevenir a corrupção.

Vantagem competitiva: Ao realizar propostas comerciais, a certificação ISO 37001 deixará claro que sua organização trabalha com as melhores práticas da indústria, permitindo vantagem ante a concorrência.

Obviamente nenhum programa anticorrupção é completamente infalível, visto que o fraudador sempre busca brechas para burlar o sistema.

No entanto, a partir do momento em que se institui um processo de controle e análise dos riscos, a chance de estes ocorrerem é sempre menor. Ao implementar a ISO 37001, a organização demonstra sua preocupação em respeitar a legislação e seu compromisso no combate à corrupção. E do ponto de vista empresarial, agir de acordo com a lei é uma questão de sobrevivência.


Por que o envolvimento da Alta Direção influencia no desempenho de um sistema de gestão?


 

Durante o processo de evolução das normas ISO, desenvolveu-se em conjunto a importância do comprometimento e envolvimento da Alta Direção nos Sistemas de Gestão.

As normas que eram conhecidas em algumas organizações, por serem de responsabilidade exclusiva dos RDs (Representantes da Direção) das organizações, deixaram de ter essa característica para se tornarem normas estratégicas. E, portanto, serem implementadas através da tomada de decisão do negócio. Com as versões de 2015 da norma, a figura do RD deixa de ser obrigatória e se reforça a necessidade da participação da Alta Direção. Estabelecendo assim, claramente três níveis de gestão nas normas – estratégico, tático e operacional.

Resistência: mudanças são inevitáveis!

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Certamente alguém já escutou essa frase antes e fez cara feia. Acontece que as mudanças são inevitáveis e muitas vezes tensas para a Alta Direção.  Isso acontece, porque muitos colaboradores são obrigados a sairem de sua zona de conforto. Portanto, antes de fazer cara feia, pense se você está em sua zona e é por isso, que reluta mudar.

Quando se toma a decisão de implementar os Sistemas de Gestão na organização, mudanças são inevitáveis. E isso, gera resistência por parte dos colaboradores, principalmente quando existem muitos colaboradores antigos. Então, é fundamental que a Alta Direção participe ativamente em todo o processo, ajudando na conscientização de todos da organização.

Se a Alta Direção não participa, transformações não acontecem.

É a Alta Direção quem detêm recursos, autoridade e poder de decisão sobre as transformações na empresa. E de acordo com as estratégias de negócios da organização, eles são os exemplos para todos os gestores. Promovendo assim, a excelência nos processos. O item 9.3 Análise Crítica pela Direção, estabelece que após implementado um Sistema de Gestão, a Alta Direção deve acompanhar o desempenho. Bem como, responsabilizar-se pelos resultados obtidos, analisando e definindo indicadores que realmente demonstrem a eficácia do sistema Não se deve esquecer do atendimento aos requisitos de seus clientes e outras partes interessadas. Entende-se que o desempenho do Sistema de Gestão é parte integrante do desempenho dos processos de negócio da organização.

A Alta Direção nas normas

Na primeira frase da norma ISO 9001:2015 (0.1 Generalidades), a característica estratégica se estabelece conforme abaixo.

“Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização que pode ajudar a melhorar seu desempenho global e a prover uma base sólida para iniciativas de desenvolvimento sustentável”.

Nas três normas que compõe um Sistema de Gestão Integrado: Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança, o Capítulo 5 das normas fala sobre a necessidade e importância da participação da Alta Direção, durante a implementação e manutenção do SGI. O item 5.1 Liderança e Comprometimento define que a Alta Direção deve demonstrar liderança e comprometimento com relação aos sistemas de gestão.

* Responsabilizando-se por prestar contas pela eficácia do sistema de gestão;
* Assegurando que a política e os objetivos são estabelecidos e compatíveis com o direcionamento estratégico e o contexto da organização;
* Assegurando a integração dos requisitos do sistema de gestão nos processos de negócios da organização;
* Assegurando que os recursos necessários para o sistema de gestão estejam disponíveis;
* Comunicando a importância de uma gestão eficaz e do mesmo estar conforme com os requisitos do sistema de gestão;
* Assegurando que o sistema de gestão alcance seu(s) resultado(s) pretendido(s);
* Dirigindo e apoiando pessoas a contribuírem para a eficácia do sistema de gestão;
* Promovendo melhoria contínua;
* Apoiando outros papéis pertinentes da gestão a demonstrar como sua liderança se aplica às áreas sob sua responsabilidade.
* Com itens voltados a Saúde e Segurança exclusivos na norma ISO 45001:2018
* Assumir a responsabilidade geral e a responsabilização pela prevenção de lesões e problemas de saúde, relacionados ao trabalho, bem como pelo fornecimento de locais de trabalho e atividades seguras e saudáveis;
* Desenvolver, liderar e promover uma cultura na organização que apoie os resultados pretendidos do sistema de gestão de SSO;
* Proteger os trabalhadores das represálias ao relatar incidentes, perigos, riscos e oportunidades;
* Assegurar que a organização estabeleça e implemente um processo de consulta e participação de trabalhadores;
* Apoiar o estabelecimento e o funcionamento dos comitês de saúde e segurança.

Conclusão

Quando observamos as exigências citadas nos itens acima, entendemos melhor sobre a decisão estratégica. Pode-se, portanto entender que a decisão tomada pela Alta Direção não se limita somente em optar pela certificação e destinar recursos. O texto das normas define a necessidade da participação efetiva da Direção e dos Gestores em todo processo. Sendo assim, deve-se incluir: planejamento, implementação, análise e verificação do Sistema de Gestão, independente da definição ou não de um RD.

A Direção pode delegar, mas tem que participar ativamente. Se no mundo dos negócio, o resultado é o mais importante, cabe a Alta Direção estabelecer um Sistema de Gestão que interaja com as decisões estratégicas do negócio E assim, estabelecer um Sistema mais robusto e verdadeiro aos propósitos da organização. Certamente, essa visão permeia pela busca de atingir o resultado de sucesso.

Para início da implementação dos Sistemas de Gestão é orientar, treinar e conscientizar a alta direção.

Importante: lembrar da decisão estratégica que levou a organização à essa busca por uma certificação e depois disseminar pela organização os fundamentos do SGI.

Respondendo o nosso questionamento inicial, o sucesso da organização durante a implementação e manutenção dos Sistemas de Gestão é proporcional ao envolvimento da alta direção. Pois, é a Alta Direção que tem autonomia total para desenvolver um sistema de gestão eficaz, além de garantir engajamento das áreas e prover recursos necessários.

 

Juliana Martins da Silva
Consultora Externa Pleno SGI
Engenheira Química e MBA em Gestão de Qualidade e Produtividade


Acabe com suas dúvidas sobre a ISO 9001:2015


 

A Migração e Implementação da nova versão da ISO 9001:2015, está chegando ao fim. Com isso, os serviços de consultoria estão sendo super disputados no mercado.

Deivison Pedroza, Ceo do Grupo Verde Ghaia, comentou em um dos nossos posts sobre o assunto. E ainda deu dicas, para aquelas organizações que estão correndo atrás do tempo. E uma de suas dicas é a facilidade de se fazer implementação e migração através de Consultoria Online, devido a agilidade e redução de custos.

Acabe com suas dúvidas sobre a ISO 9001:2015

DÚVIDAS SOBRE A ISO 9001:2015 

A Verde Ghaia sempre foi adepta à Tecnologia, participando de muitos eventos sobre inovação e empreendedorismo. Portanto, para o Grupo quando se fala em consultoria online, estamos falando de redução de gastos, significativos. Contudo, mantendo a mesma qualidade de credibilidade de uma consultoria presencial.

Através dessa nova metodologia, muitas organizações têm aderido à consultoria Online. Principalmente as micro e pequenas empresas, pois perceberam a possibilidade de serem competitivas no mercado. Além disso, se conscientizaram que a certificação é muito mais que um papel dependurado na parede. É uma forma de viabilizar os processos internos e externos de maneira organizada, em conjunto com um plano de gestão eficiente e ágil, contribuindo para o crescimento da sua organização.

Apensar de ser um processo comum, ainda existem muitas dúvidas. Vale a pena conferir nosso post sobre o pós e os contras de uma consultoria 100% Online.

Perguntas feitas aos nossos Consultores

Com a nova versão da ISO 9001:2015, a caixa de e-mail dos nossos consultores ficaram lotadas. Além disso, o nosso chat choveu de perguntas. Com isso, pensamos em fazer tira dúvida para os nosso leitores. Afinal, essas perguntas podem também, fazer parte das dúvidas de vocês.

Confira: Como solucionar 13 dúvidas sobre a ISO 9001. Nesse link, você encontra perguntas e respostas sobre os mais diversos procedimentos. Tais como, certificação, indicadores, auditoria, plano de ação, Risco e oportunidades e muito mais. Aproveite par esclarecer suas dúvidas e realizar práticas mais assertivas.

Quer saber mais sobre as novas versões das normas?
Confira o material orientativo que a equipe de Consultoria Técnica e Jurídica da Verde Ghaia preparou:

Ebook – ISO 9001:2015

e-book iso 9001 versão 2015 grátis


Qual a diferença entre Auditoria de Conformidade Legal e Preenchimento do LIRA?


 

O que é Auditoria de Conformidade Legal?

A Auditoria de Conformidade Legal é um serviço realizado por experientes consultores jurídicos da Verde Ghaia em seus clientes. A atividade se concentra na verificação do atendimento dos requisitos legais, através de evidências objetivas e avaliam seus conteúdos fazendo uma análise crítica dos documentos/informações apresentadas, registrando as conformidades e os desvios. Esse serviço gera um relatório que fica salvo no SOGI. A auditoria verifica apenas os requisitos legais aplicáveis ao ramo de atividade do cliente, passando pelas principais obrigações ou as mais cobradas em auditorias externas.

O que é Preenchimento do Módulo Lira?

O serviço de Preenchimento do Módulo LIRA é voltado para os clientes que querem ter sua planilha toda preenchida. A realização desta atividade permite que o cliente consiga visualizar o percentual de atendimento de requisitos legais para iniciara elaboração de planos de ação. Nessa atividade, os consultores jurídicos da Verde Ghaia preenchem as obrigações de acordo com as evidências objetivas apresentadas, mas não fazem análise crítica, ou seja, não fazem avaliação de valor do conteúdo dos documentos apresentados. Essa parte será feita na elaboração do plano de ação. O objetivo principal desta atividade é ficar com o módulo LIRA totalmente preenchido. Mas é claro que também podemos auxiliar na elaboração dos planos de ação. O cliente pode contratar essa atividade!

A Verde Ghaia presta ambos os serviços! Você sabia disso?

Para mais informações, entre em contato com nosso Departamento Comercial através dos contatos comercial@verdeghaia.com.br e 31 2127-9137.


Curso da ISO: por que devo fazer?


 

Será mesmo importante fazer o curso ISO?

Alguém da minha empresa precisa conhecer a norma? Estas são dúvidas frequentes e vamos responder agora! Faz parte das normas ISO o item Competência. Na nova versão das normas ISO 9001 e , este item é o 7.2.

Segundo ele, a organização deve elaborar uma série de etapas para garantir que todos colaboradores e terceiros, que possam afetar o desempenho ambiental da empresa, tenham condições de executar suas atividades com a devida destreza, habilidade e principalmente a sensibilização e o devido controle sobre a questão ambiental.

Quais procedimentos do requisito 7.2 – Competência?

A responsabilidade da organização, neste aspecto, deve ser a de identificar os conhecimentos, competência e aptidões necessários para atingir os objetivos ambientais.

Tais fatores devem ser considerados na seleção, recrutamento, treinamento, desenvolvimento de aptidões e educação contínua de pessoal, tendo como finalidade determinar a competência dos envolvidos que realizam os serviços relacionados aos controles ambientais. Isso porque, esses fatores podem afetar o desempenho ambiental e influenciar no atendimento aos requisitos legais e a outros requisitos da organização.

O que é Educação, Treinamento, Experiências e Habilidades segundo a ISO?

Para atendimento deste requisito normativo, as pessoas que executam as atividades devem ser competentes, ou seja, devem possuir educação, experiência, treinamento e habilidades específicos. Segue abaixo uma breve explanação sobre cada item:

1. Educação: é o estudo necessário para execução das atividades. A própria organização deve definir o nível de educação para desempenho das atividades, seguindo sempre, quando houver, requisitos legais que determinem a educação necessária. Por exemplo, no Brasil, a função Engenheiro de Processos exige que a pessoa que ocupa essa função, seja graduada em um curso de Engenharia, com o devido registro no conselho regional (CREA).

2. Treinamento: é a instrução necessária para aumento do conhecimento e desenvolvimento de habilidades sobre o desempenho de atividades. Podem ser feitas por meio de cursos e palestras, como, por exemplo, formação de auditores internos, operação de máquinas e equipamentos, controles de produção e de qualidade, dentre outros.

3. Experiência: é o conhecimento prático obtido ao longo da carreira. Ao se determinar a experiência necessária para o desempenho de uma função, a organização demonstra a preocupação com a minimização de riscos de erros, uma vez que as pessoas conhecem a essência das atividades a serem desenvolvidas.

4. Habilidades: é a demonstração de destreza no desempenho de alguma atividade. Mostra a capacidade de executar uma tarefa, bem-feita. Alguns exemplos: comunicação, liderança de equipes, gerenciamento de conflitos, habilidades manuais, dentre outras habilidades.

Como definir competências para desempenho das atividades?

São requisitos essenciais para atendimento e é importante que a organização defina as competências necessárias para desempenho das atividades relacionadas ao atendimento dos requisitos do cliente.

Uma das formas de fazer é estabelecer uma descrição de cargos, onde estão definidas qualificações necessárias, responsabilidades, atividades, dentre outros itens que a organização julgar necessário.

Por exemplo:

Modelo de descrição de cargo.

Estabelecidas as competências, a organização avalia o atendimento às competências, identificando as lacunas e realizando treinamentos ou outras ações que julgar necessárias.

Outra forma menos objetiva e mais empírica, mas também muito comum, é a organização fazer semestral ou anualmente, um levantamento dos treinamentos indispensáveis às pessoas, para atingir a competência necessária e criar um plano de desenvolvimento, com cronograma e definição de recursos financeiros para seu cumprimento.

A aprovação do plano de treinamento é feita pela Alta Direção, sendo esta uma forma de demonstrar o seu comprometimento com os requisitos.

Depois de realizadas as atividades de desenvolvimento de competência, tais como treinamentos, palestras, visitas técnicas, dentre outros, a organização deve avaliar a eficácia dessas ações. Isso significa, saber se a ação planejada trouxe os benefícios para a melhoria do desempenho das funções frente aos requisitos.

Curso ISO 9001 e ISO 14001

Veja o material completo desse item no curso da ou ISO 9001, que inclusive devem ser de conhecimento dos responsáveis pelos seus gestores na empresa. Já se atualizou nas novas versões?

Não deixe para a última hora!

Cursos de auditores internos da ISO 14001 e ISO 9001 também estão disponíveis na plataforma de Cursos Online da Verde Ghaia. Aproveite!


Raio X dos acidentes de trabalho no Brasil


 

Hoje, dia 18 de julho, às 9 horas da manhã, 22.869.522.102 era o total de gastos da previdência com benefícios para acidente de trabalho desde 2012. Era, porque esse número é atualizado a cada milésimo de segundos. Veja outros números deste mesmo horário:

  • 282.671.851 – Dias de Trabalho Perdidos com Afastamentos Previdenciários
  • 3.665.991 – Acidentes estimados desde 2012 até hoje. 1 acidente estimado a cada 47 segundos
  • 13.784 – Mortes Acidentárias Notificadas
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mapa-acidentes-de-trabalho.png

Esses dados são do Observatório Digital, site do Ministério Público do Trabalho em parceria com a Faculdade de Saúde Pública da USP, que atualizam esses números em tempo real. O Observatório Digital foi criado pela Equipe do SMARTLAB de Trabalho Decente, uma iniciativa de cooperação internacional entre o MPT e a Organização Internacional do Trabalho e concebido através dos parâmetros científicos da pesquisa “Acidente de Trabalho: da Análise Sócio Técnica à Construção Social de Mudanças”, conduzida pela USP.

O SMARTLAB apresenta este serviço para estimular a transparência no acesso público a informações relacionadas à saúde e à segurança no trabalho atualizado da maneira mais precisa possível. Erros e problemas identificados são corrigidos com prioridade, além de documentados. Todas as informações pessoais ou de entidades são mantidas sob sigilo, sem presença na extração, exceto para identificar sua existência e sua participação nas agregações construídas.

A base informacional do Observatório foi desenvolvida para permitir a análise complementar de duas dimensões específicas relacionadas com a saúde e segurança no trabalho: a comunicação de acidentes de trabalho e a concessão de benefícios previdenciários.

Conheça  a Legislação de Saúde e Segurança do Trabalho do Brasil – clique aqui

Ficha de Emergência para o transporte terrestre de produtos perigosos
Cursos EAD – Verde Ghaia

Funcionalidades Principais

Principais funcionalidades de análise propostas pelo Observatório, destacam-se:

  • A utilização de filtros de tempo e espaço que permitem o refinamento e a granulação da análise para o Brasil como um todo, ao longo da série temporal e em torno das diversas unidades federativas;
  • A seleção de variáveis, para um diagnóstico preciso das características dos agravos, sobre as partes do corpo que são mais atingidas, agentes causadores, tipos e locais de acidentes;
  • A seleção de variáveis, para um diagnóstico preciso, no caso de benefícios previdenciários, sobre os tipos de afastamento e suas causas, categorias CID, classes de atividade econômica de maior incidência e análise de gênero sobre a cobertura previdenciária;
  • A definição de perfis municipais de incidência e prevalências em relação a Comunicações de Acidente de Trabalho e Benefícios Previdenciários;
  • Disponibilização de achados (findings) com potencial de informar políticas públicas, programas e projetos, corretivos e preventivos.

Estimativas do custo previdenciário da manutenção de benefícios derivados da ocorrência de acidentes e doenças no trabalho como ferramentas de sensibilização e conscientização da importância das ações preventivas.

Finalmente, a partir das análises produzidas pelo Observatório, é possível, desde logo, iniciar novas ondas de priorização da atuação do Poder Público em âmbito nacional, estadual, e municipal, com base nos princípios de gestão orientada para resultados e gestão baseada em evidências, conforme as características específicas de cada contexto ou território – o que permite a realização de ações imediatas com o objetivo preventivo.


Fonte: https://observatoriosst.mpt.mp.br/ 

Conheça alguns cursos na área de Saúde e Segurança no Trabalho – Cursos EAD da Verde Ghaia

Ficha de Emergência para o transporte terrestre de produtos perigosos


Blog VG