Normas ISO: Por que é importante certificar seu negócio
×

ISO 45001: melhorias na segurança do colaborador

 

A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra no século XVIII foi sem dúvida um evento-chave para a humanidade e principal responsável por originar os processos de manufatura tal como conhecemos hoje. No entanto, os maquinários a vapor e a avidez por aumentar a produção também deram origem a uma série de condições inóspitas que lesionaram e mataram muitos trabalhadores.

As consequências se tornaram tão críticas, que as reivindicações em prol da saúde das pessoas se fizeram muito necessárias. E foi a partir daí que nasceram as primeiras medidas relacionadas à Saúde e Segurança Ocupacional dos Trabalhadores.

Obviamente, ao longo dos séculos fomos evoluindo cada vez mais — inclusive no sentido de proteger as pessoas em seu ambiente laboral. E é por isso que hoje temos normas como a ISO 45001, norma internacional para o Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional, que nasceu exatamente para auxiliar as empresas na prevenção de acidentes e de doenças ocupacionais.

 ISO 45001: a norma imprescindível

No Brasil, a ISO é representada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). As atividades de elaboração das Normas Internacionais, geralmente acontecem através do comitê técnico, que neste caso é a ISO/PC 283, bem como nas Organizações internacionais, públicas e privadas em participação com a ISO.   

A ISO 45001 possui uma estrutura que se conecta diretamente às outras normas de um sistema de gestão, sendo assim, pode ser aplicada sozinha ou junto a outras certificações — independentemente disso, devemos nos lembrar de que ela é uma das Normas mais importantes no ambiente laboral e que deve ser adotada em todas as organizações, sem exceção, independentemente do seu tamanho, tipo e atividades.

A ISO 45001 pode modificar totalmente uma dinâmica de uma empresa. Ela não apenas reduz afastamentos por problemas de saúde ou acidentes (que são muito custosos à gestão), como traz outros benefícios:

  • Identificação constante dos perigos (bem como a implementação de controles para gerenciá-los).
  • Aumento na produtividade e motivação dos funcionários, que certamente trabalharão mais felizes sabendo que estão sob condições melhores e mais seguras.
  • Demonstração de conformidade junto a clientes e fornecedores.
  • Alinhamento à conformidade legislativa.
  • Criação de condições extremamente favoráveis para conquistar outros selos ISO.

Além disso, quando você não adota um Sistema de Gestão em Saúde e Segurança Ocupacional, também pode ter alguns problemas, como seguros mais altos, aumento do custo da mão de obra (pois se um trabalhador se lesionar, será preciso pagar um substituto ou pagar horas extras àqueles que estiverem cobrindo a ausência do colega), além de elevação de gastos do Estado com Previdência Social, pensões e outros.

Devemos lembrar também que nossa legislação é bastante rígida em relação à saúde e segurança de nossos trabalhadores. Em caso de punição por descumprimento de normas legais, as multas podem ser altíssimas.

Conheça as mudanças e saiba como a sua empresa pode se adequar! Assista ao Webinar

Curso EAD Verde Ghaia – ISO 45001 – SSO

Se você deseja implementar um sistema de SSO em sua empresa, a Verde Ghaia oferece o curso ISO 45001:2018 – Sistema de gestão de saúde e segurança ocupacional. É um curso à distância – portanto mais barato e podendo ser realizado de acordo com o cronograma disponível de seus gestores – que aborda de forma clara e objetiva todos os requisitos da norma, buscando sempre contextualizá-los à realidade.

Você também terá acesso a materiais didáticos em vários formatos e mídias, tais como videoaulas explicativas, áudios das aulas para download, apostila teórica, slides ilustrativos e avaliação interativa.

Com o curso EaD de Interpretação ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional, o aluno irá aprender a interpretar e implementar os requisitos da norma dentro do contexto de sua organização, além de desenvolver habilidades para identificar e avaliar conceitos de Saúde e Segurança Ocupacional no ambiente de trabalho.

Também aprenderá a integrar os requisitos de SSO com os outros Sistemas de Gestão, como a ISO 9001:2015 (Sistema de Gestão de Qualidade) e a ISO 14001:2015 ( Sistema de Gestão de Meio Ambiente).

Fale com um dos nossos consultores sobre a implementação da Norma ISO 45001. Leia nosso e-book abaixo e conheça mais sobre os benefícios da norma.

ISO 45001 - e-book dos requisitos ISO 45001
Por que implementar a ISO 45001: conheça alguns benefícios!

Acidente de Trajeto: investigando os acidentes

 

Acidente de trabalho/ Acidente de trajeto: investigação de Acidentes.

A partir da segunda metade do século XVIII, com a Revolução Industrial na Inglaterra, surgiram algumas novas formas de trabalho, onde os trabalhadores eram expostos a uma serie de riscos, perigos e acidentes.

Acidente de trabalho/ Acidente de trajeto: investigação de Acidentes.

As circunstâncias tornaram-se tão críticas, que surgiram reivindicações dos trabalhadores para obterem melhores condições para o trabalho. A história mostra que os primeiros regulamentos para proteger a vida dos trabalhadores surgiram na Inglaterra, no início do século XIX.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) fundada em 1919, como parte do Tratado de Versalhes, que pôs fim à Primeira Guerra Mundial, teve como objetivo promover a Justiça Social. A OIT é a responsável por elaborar e aplicar as Normas Internacionais do Trabalho (Convenções e Recomendações).

Segurança e Saúde dos trabalhadores no Brasil

No Brasil, o cuidado com a segurança dos trabalhadores começou em 1919, quando Ruy Barbosa em sua campanha eleitoral defendeu a criação de leis e políticas favoráveis ao bem estar e a segurança do trabalhador.

Nesse contexto, a evolução significativa na indústria no Brasil ocorreu na década 1930, e em 1970 apresentando alto índice de acidentes laborais, com início de ideais de segurança e a saúde do trabalhador no país.

Em 1943, é publicado o Decreto Lei nº 5.452, que aprovou a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, cujo capítulo V é referente à Segurança e Medicina do Trabalho. Em 1977, a Lei 6.514 altera o Capítulo V Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho sendo posteriormente regulamentada pelas Normas Regulamentadoras da Portaria nº 3, 214 de 8 de junho de 1978.

Só no fim da década de 80 a saúde e segurança do trabalhador começou a ganhar espaço na sociedade brasileira, devido à grande influência da Medicina Social Latina na formação de profissionais de medicina e a movimentação de alguns sindicalistas a favor de melhores condições de trabalho que foram incentivados pela experiência positiva do movimento sindical italiano, onde essa influência teve papel fundamental para o desenvolvimento das primeiras ações articuladas dos sindicatos brasileiros nesta área.

reivindicações revolução industrial. Acidente de trabalho/ Acidente de trajeto: investigação de Acidentes.
Reivindicações da Revolução Industrial

Sugestão de leitura: Raio X dos acidentes de trabalho no Brasil

Acidente de Trabalho

É o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço de empresa ou de empregador doméstico, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. (Art. 19 da Lei 8.213, de 24-07-1991 / Lei Complementar nº 150, de 2015)

Considera-se acidente do trabalho a doença profissional produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade, conforme relação elaborada pelo Órgão Executivo competente (Ministério da Economia/Trabalho, e Previdência Social). A doença do trabalho adquirida ou desencadeada em virtude de condições especiais em que o trabalho é realizado.

Importante: Em caso de doença não incluída na relação prevista nos incisos I e II do art. 20 e esta, se relacione diretamente com as condições do trabalho, a Previdência Social deve considerá-la acidente do trabalho.

Equiparam-se também ao acidente do trabalho o acidente ligado ao trabalho que, embora não tenha sido a causa única, haja contribuído diretamente para:

  • a morte do segurado;
  • para redução ou perda da sua capacidade para o trabalho; ou
  • produzido lesão que exija atenção médica para a sua recuperação.

(Art. 21, Lei 8.213 de 1991)

Equiparam-se também ao acidente do trabalho o acidente sofrido pelo segurado no local e no horário do trabalho, em consequência de:

  • ato de agressão, sabotagem ou terrorismo praticado por terceiro ou companheiro de trabalho;
  • ofensa física intencional, inclusive de terceiro, por motivo de disputa relacionada ao trabalho;
  • ato de imprudência, de negligência ou de imperícia de terceiro ou de companheiro de trabalho;
  • ato de pessoa privada do uso da razão;
  • desabamento, inundação, incêndio e outros casos fortuitos ou decorrentes de força maior;

Equiparam-se também ao acidente do trabalho

  • A doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício de sua atividade;
  • O acidente sofrido pelo segurado ainda que fora do local e horário de trabalho na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da empresa; e/ou na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa para lhe evitar prejuízo ou proporcionar proveito;

É considerado “estar” no exercício do trabalho nos períodos destinados a refeição ou descanso, ou por ocasião da satisfação de outras necessidades fisiológicas, no local do trabalho ou durante este. (De acordo com o art. 20, § 1º, Lei 8.213)

A alínea “d” do art. 21 da Lei 8.213 que estabelecia o acidente de trabalho “de trajeto” foi revogada pela MP – Medida Provisória nº 905 de 2019 (chamada de MP do contrato verde e amarelo)

d) no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado. (Revogado pela Medida Provisória nº 905, de 2019)

(Art. 21, “d”, Lei 8.213)

Acidente de Trabalho. Acidente de Trajeto: investigando os acidentes.

O que é Medida Provisória?

A Medida Provisória (MP) é um instrumento com força de lei, adotado pelo Presidente da República, em casos de relevância e urgência. A MP Produz efeitos imediatos, mas depende de aprovação do Congresso Nacional para transformação definitiva em lei.

O prazo de vigência é de 60 dias, prorrogáveis uma vez por igual período. Se não for aprovada no prazo de 45 dias, contados da sua publicação, a MP tranca a pauta de votações da Casa em que se encontrar (Câmara ou Senado) até que seja votada. Neste caso, a Câmara só pode votar alguns tipos de proposição em sessão extraordinária. 

Câmara só pode votar alguns tipos de proposição em sessão extraordinária.
Câmara só pode votar alguns tipos de proposição em sessão extraordinária. 

Investigação de Acidentes: não Conformidades

As organizações devem fazer uso de ferramentas de qualidade na análise na investigação de acidentes, buscando identificar a causa raiz do problema. Temos com o exemplo de ferramentas, o PDCA, Diagrama de Ishikawa (espinha de peixe), 5 Porquês, Pareto, Brainstorming, 6 Sigma, entre outros.

Identificação de Perigo, Avaliação de Riscos e Oportunidades. A ISO 45001 possui abordagem sobre a identificação de perigo, avaliação de risco e oportunidades.

Como definição de perigo, a norma de gestão ISO 45001, aponta como a fonte com potencial para causar lesões e problemas de saúde. Os perigos podem incluir fontes com potencial de causar danos ou situações perigosas, ou circunstâncias com potencial de exposição, levando a lesões e problemas de saúde.

A Verde Ghaia oferece ao seu cliente o módulo PRSSO – Gerenciamento de perigos e riscos de saúde e segurança ocupacional. Levantamento e identificação dos perigos deve ser contínuo e proativo, buscando sempre a prevenção e continuidade das ações.

Programa de Gestão em Saúde e Segurança Ocupacional

Um programa de gestão em saúde e segurança é essencial para uma organização que busca excelência em seus processos, reduzir os incidentes e acidentes. Estabelecer objetivos, metas e programas de prevenção e de qualidade, devem ser desenvolvidos levando em consideração o planejamento estratégico da organização.

ISO 45001 especifica requisitos para um Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional (SSO), e traz orientações para que a organização possa promover um ambiente de trabalho seguro e saudável, prevenindo lesões, doenças e fatalidades relacionadas ao trabalho e melhorando proativamente o desempenho de SSO. O tema segurança e saúde ocupacional deve “fazer parte do negócio” da empresa.

Gestão dos Requisitos Legais

A Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional deve estar totalmente alinhada com a Gestão de Requisitos Legais, uma vez que a elaboração de procedimentos deve seguir institutos normativos e leis. Ademais, o atendimento dos requisitos legais é a estrutura base para a excelência em um Programa de Compliance.

Edson Filho / Consultor Jurídico


Gostou desse tema?

Nosso treinamento referente sobre Acidentes do Trabalho, possui abordagem também sobre questões legais, doenças ocupacionais, conceitos prevencionistas, CAT – comunicação de acidente de trabalho, assistência médica hospitalar, indicadores de SSO, gestão de não conformidades (conforme ISO 45001), perigos e riscos, investigação de acidentes, ferramentas de qualidade, entre outros.

Entre em contato com a Verde Ghaia e saiba mais!

Curso EAD da Verde Ghaia - Sistema de Saúde e Segurança Ocupacional.
Curso EAD da Verde Ghaia – Sistema de Saúde e Segurança Ocupacional

Fontes e referências bibliográficas

  • http://trabalho.gov.br/
  • http://www.fundacentro.gov.br/
  • https://smartlabbr.org/sst
  • http://ambientesst.com.br/investigacao-acidentes/
  • CAMPUS, Vicente Falconi. TQC: controle da qualidade total (no estilo japonês). São Paulo: Campus, 2009
  • http://www.previdencia.gov.br/saude-e-seguranca-do-trabalhador/politicas-de-prevencao/fator-acidentario-de-prevencao-fap/
  • http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm
  • http://trabalho.gov.br/
  • http://www.fundacentro.gov.br/
  • https://smartlabbr.org/sst
  • http://ambientesst.com.br/investigacao-acidentes/
  • CAMPUS, Vicente Falconi. TQC: controle da qualidade total (no estilo japonês). São Paulo: Campus, 2009
  • INDG, Vicente Falconi. O Verdadeiro Poder. Nova Lima: INDG, 2009
  • http://www.previdencia.gov.br/saude-e-seguranca-do-trabalhador/politicas-de-prevencao/fator-acidentario-de-prevencao-fap/
  • http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm
  • PRAGMÁCIO FILHO, Eduardo. Rui Barbosa e os direitos sociais. Contribuições de um liberal para a construção dos direitos trabalhistas no Brasil. 
  • Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 14, n. 2166, 6 jun. 2009. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/12943. Acesso em: 12 fev. 2020.

Quais os benefícios da ISO 14001 as empresas?

 

A ISO 14001 é a Norma Internacional que define os parâmetros para se implementar um sistema de gestão ambiental nas empresas. Ela é projetada para ajudar as organizações a inserirem responsabilidades ambientais em seus processos internos, porém sem desconsiderar a necessidade de obtenção de lucro e de expansão dos negócios.

Assim como a ISO 9001, a ISO 14001 também é baseada no ciclo PDCA (plan-do-check-act/planejar-fazer-verificar-agir), ferramenta de gestão que visa promover a melhoria contínua dos processos, principalmente porque a ISO 14001 se concentra na causa do problema, e não em suas consequências (e quando falamos em gestão ambiental, prevenção é a palavra-chave).

Pode implementar Sistema de Gestão Ambiental

Sabemos que a implementação de um sistema de gerenciamento ambiental pode ser um desafio para as empresas de pequeno e médio porte, afinal nem sempre é possível adotar algumas medidas que exigem investimento e infraestrutura, como a instalação de painéis solares, por exemplo. Ou então o tempo da equipe é limitado, já que empresas menores normalmente contam com um quadro mais enxuto.

A boa notícia é que existe um manual da ISO projetado exatamente para ajudar as pequenas e médias empresas a melhorarem seu desempenho ambiental sob as diretrizes da ISO 14001. O manual ISO 14001:2015 Sistemas de gestão ambiental – Um guia prático para as PME, é uma versão adaptada às organizações menores sem ignorar os aspectos mais importantes da edição mais recente da Norma.

Por que adotar a ISO 14001:2015?

Para que a adoção da ISO 14001:2015 funcione numa empresa de menor porte, é preciso estar atento a algumas diferenças em relação às companhias maiores.

Primeiro, você precisa compreender quais são os requisitos ambientais legais pertinentes à sua organização. Para fazê-lo, será preciso analisar como os processos de sua empresa interagem com o meio ambiente. Mesmo que sua empresa seja um escritório de contabilidade com dez funcionários, o impacto ambiental vai existir (consumo de água, de energia elétrica, desperdício de papel, reciclagem do lixo, uso de produtos químicos na limpeza etc).

Toda atitude é válida, já que toda ação realizada dentro da empresa pode impactar diretamente nos funcionários, que levarão o conhecimento para casa, aplicando junto a familiares, que por sua vez também disseminarão o aprendizado para amigos e conhecidos, criando assim uma corrente do bem para reduzir o impacto ambiental em diversos lugares!

É preciso também pensar no investimento disponível. Empresas de menor porte nem sempre têm capital para aplicar em inovações ou em grandes reformas. Mas nem por isso as ações devem ser limitadas. Calcule, por exemplo, a quantidade de folhas de papel não aproveitada pelos seus funcionários (impressões manchadas, duplicadas, rascunhos…); as sobras de papel podem seguir para uma empresa de reciclagem e se transformar em outras coisas (até mesmo em blocos de papel reciclado para sua própria empresa).

Vantagens da ISO 14001 para as Pequenas Empresas

E as empresas menores têm uma vantagem: são ambientes onde ações simples funcionam muito bem. Se você cortar o uso de copos descartáveis, por exemplo, não apenas economizará na compra do item, como vai ajudar muito a natureza. A Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos (ABRELPE) estima que cerca de 720 MILHÕES de copos descartáveis são consumidos no Brasil por DIA, o que corresponde a 1500 toneladas de resíduos plásticos produzidos diariamente. De acordo com dados da ONU, o plástico representa 80% do lixo do oceano [1].

Lembrando também que todas as empresas brasileiras precisam seguir a legislação, independentemente do seu tamanho. Esteja ciente de que, dependendo do seu negócio, você precisará obter a licença de operação, o certificado de movimentação de resíduos de interesse ambiental (Cadri), a licença para produtos químicos controlados etc.

Além disso, todo empresário deve estar ciente da Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei nº 12305 de 02 de agosto de 2010, que vigora desde 2014. Ela determina que nenhum resíduo a ser reaproveitado pode ser descartado como se fosse lixo domiciliar. A solução seria realizar um levantamento de todos os resíduos gerados em todos os setores da sua empresa, fazer a coleta de forma segregada e aí fazer a destinação final.

Benefícios da ISO 14001 para as pequenas e médias empresas

Mesmo precisando adaptar a metodologia para implementar a ISO 14001, as pequenas e médias empresas certamente são capazes de obter a mesma proporção de resultados de desenvolvimento sustentável que qualquer grande empresa. Veja alguns dos ganhos:

  • Minimização de impactos ambientais
  • Ganho e vantagem competitiva perante a concorrência
  • Possibilidade de abertura de novos negócios
  • Melhorias na eficiência operacional
  • Economia de custos, principalmente no que diz respeito ao consumo de energia, água e gerenciamento de resíduos
  • Ganho de credibilidade e confiança perante agências reguladoras, clientes e quaisquer outras partes interessadas

Lembrando que a ISO 14001:2015 pode ser adotada no todo ou apenas em parte para melhorar a gestão ambiental da sua organização.

Como a Consultoria Online pode ajudar?

A Verde Ghaia possui um sistema de consultoria online que oferece modelos de planos de ação, treinamento online e acompanhamento diário das atividades da sua empresa — porém, a um custo muito menor do que a consultoria presencial. Sua implantação pode ser realizada sob o menor tempo possível, sem necessidade de deslocamentos ou investimentos compatíveis com uma grande empresa. É o sistema ideal para empresas de pequeno e médio porte.

 A Verde Ghaia é especialista em Sistemas de Gestão, desde o planejamento à implementação, e ao longo dos anos tem auxiliado muitas organizações na conquista de certificações, oferecendo também tecnologia de ponta para o monitoramento de requisitos legais aplicáveis e conformidades legais.


Fonte: http://www.impactounesp.com.br/2018/05/copos-plasticos-qual-e-o-impacto-do.html


O que é Desenvolvimento Sustentável?

 

O Desenvolvimento Sustentável é um conceito criado em 1983 pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, da Organização das Nações Unidas (ONU), cuja proposta é aliar o desenvolvimento econômico à preservação e desenvolvimento ambiental. 

Em 2015, a ONU definiu 17 objetivos do desenvolvimento sustentável, os quais deverão reger as políticas nacionais e atividades de cooperação internacional dos Estados membros da ONU até 2030. São eles:

  1. Erradicar a pobreza
  2. Erradicar a fome
  3. Saúde de qualidade
  4. Educação de qualidade
  5. Equidade de gênero
  6. Água potável e saneamento
  7. Energias renováveis e acessíveis
  8. Trabalho digno e crescimento econômico
  9. Indústrias, inovação e infraestruturas
  10. Redução das desigualdades
  11. Cidades e comunidades sustentáveis
  12. Consumo e produção responsáveis
  13. Ação contra a mudança global do clima
  14. Vida na água
  15. Vida terrestre
  16. Paz, justiça e instituições eficazes
  17. Parcerias e meios de implementação

Desenvolvimento Sustentável proposto pela ONU

Embora bem-intencionados, alguns dos objetivos propostos pela ONU soam vagos em alguns aspectos. É como aquela pessoa que deseja muito “ser rica”, mas não faz a menor ideia de como chegar ao seu objetivo (ou não toma ações realistas para atingi-lo).

Se uma empresa deseja fazer sua parte e aderir ao desenvolvimento sustentável, ela necessita de ações mais objetivas. Sendo assim, selecionamos algumas medidas de fácil adesão:

  • Utilização consciente dos recursos naturais: podem ser desde ações simples no dia a dia – como incentivar funcionários a não desperdiçarem água nos banheiros ou na cozinha – a questões mais complexas, como um programa para gestão da matéria-prima ou a instalação de painéis solares na empresa.     
  • Mudança nos padrões de consumo: um bom jeito de fazer isso, é eliminando o uso de copos descartáveis e incentivando os funcionários a levarem suas canecas de louça para o escritório. Também pode-se reavaliar o consumo de papel, de energia elétrica etc.
  • Programas de conscientização: todos os funcionários devem receber instruções constantes sobre ações socioambientais. Uma boa ideia é instituir algum tipo de programa anual, como uma “Semana de Conscientização Ambiental”, com ciclos de palestras e dinâmicas. Ou então realizar programas nos quais os funcionários colaborem pessoalmente (montando grupos para ajudar a recolher lixos em parque e praias, por exemplo).
  • Reciclagem: se sua empresa ainda não possui um programa de reciclagem, está na hora de pensar no assunto. Inclusive, é possível converter resíduos em fonte de renda. A empresa VG Resíduos é um programa da Verde Ghaia que conecta diretamente fornecedores de resíduos e partes interessadas em utilizá-los como matéria-prima, a fim de incentivar o reaproveitamento de descartes.
  • Reflorestamento: Muitas empresas fazem parte de programas de reflorestamento. Procure os órgãos administrativos e governamentais de sua cidade ou estado para saber como participar.
  • Sistema de gestão ambiental: implemente um sistema de gestão ambiental. Se bem coordenado, ele pode modificar completa e positivamente as diretrizes ambientais de sua empresa. Se não faz ideia de como começar, uma boa ideia é seguir os tópicos da ISO 14001, a norma internacional voltada exatamente para a implementação de um sistema de gestão ambiental. Ela é projetada para ajudar as empresas a adequarem suas responsabilidades ambientais aos seus processos internos, tudo sem perder o sucesso comercial.

Medidas para o Desenvolvimento Sustentável

Lembrando que muitas medidas para o desenvolvimento sustentável se aliam às conformidades necessárias para se obter licenças ambientais, as quais muitas vezes são imprescindíveis para que uma empresa tenha  autorização para operar. Além disso, estando em dia com questões ambientais, você cumpre e legislação e evita prejuízos e multas desnecessárias por agressão à natureza.

Além disso, antes de fechar contrato, muitas empresas internacionais exigem a comprovação de medidas que prezam por valores ambientais.

Simplesmente não existe desvantagem em aderir a um programa de desenvolvimento sustentável. Basta adequar as medidas ao tamanho e capacidade de sua organização.

Como a consultoria especializada pode ajudar?

O Programa de Sustentabilidade da Verde Ghaia tem como premissa criar um ambiente colaborativo, solidário, consciente e que estimule o desenvolvimento e a produtividade. Para isso, ele está sendo desenvolvido por colaboradores voluntários da empresa, tendo como apoiadores as áreas de Gestão de Pessoas, Comunicação e Diretoria Técnica.

O programa tem como base os pilares ambiental, social e econômico/qualidade, sendo norteado pelas normas internacionais ISO 90001 (qualidade), ISO 14001 (meio ambiente), SA8000/NBR 16001/ISO 260001 (responsabilidade social), OHSAS 18001 (saúde e segurança ocupacional) e ISO 14064 (mudanças climáticas).

Fale conosco e saiba como obter uma empresa que adota em seu processos a sustentabilidade!


Indicadores de risco para atender Requisitos Legais?

 

No artigo de hoje, faremos uma explanação de como atender Requisitos Legais através de Indicadores.

Entenda sobre os Riscos do negócio

Risco é definido como “acontecimentos, condições ou circunstâncias futuras que podem provocar impacto, normalmente negativo, em um projeto ou empreendimento, como prejuízos ou danos”. É a probabilidade de algo vir a ocorrer. Mas ao contrário de ser algo apenas negativo, como a própria norma ISO 31000 afirma, o risco pode apresentar também uma oportunidade para o negócio.

Então, indicadores de risco são indicadores sobre os principais riscos aos quais uma organização está exposta. Explicando melhor, são as métricas utilizadas pelas empresas para verificarem qual é o potencial de exposição a um determinado risco, como se antecipar à ocorrência de um risco e reduzir seus impactos negativos ou, ainda, como maximizar alguma oportunidade.

Através desses indicadores, ou seja, dessas métricas, torna-se possível monitorar o nível de risco de uma área ou da própria organização como um todo. Assim sendo, os indicadores de risco fornecem informações significativas para o atingimento de metas estratégicas, sinalizando a necessidade de ações a serem tomadas, dando suporte à análise crítica dos resultados e às tomadas de decisão, e é exatamente por isso que devem estar alinhados aos objetivos da empresa.

O que os Indicadores de Risco geram para a empresa?

Os indicadores de risco atendem a cinco requisitos: são mensuráveis, previsíveis, comparáveis durante um período de tempo, devem ter uma pessoa responsável por cada indicador, e devem estar inseridos dentro do contexto do negócio.

Portanto, são os indicadores de risco os responsáveis por medirem os riscos potenciais e por permitirem ações em tempo hábil, garantindo, desse modo, o sucesso de uma organização. Nisso reside a sua extrema importância para todas as empresas. Por isso, os indicadores de risco devem estar sempre associados às áreas do negócio cujo não atendimento à legislação causa maior impacto no sucesso/desempenho da organização, podendo assim contribuir no gerenciamento e no atendimento aos requisitos legais aplicáveis.

Como avaliar os indicadores de risco?

Os indicadores de risco, ao permitir monitorar diversos processos internos e externos, o desempenho de cada um e da atividade como um todo, ajuda a identificar o que deve ser foco de atenção visando o atendimento dos requisitos legais. É por este motivo que se torna necessário buscar sempre por indicadores que possam contribuir realmente para tornar esse processo eficiente e garantir a manutenção do sistema de gestão.

Um dos pontos a ser destacado para que isso aconteça é que os gerentes/diretores das mais diversas áreas da organização se comuniquem entre si. Por exemplo, o gerente do departamento de qualidade deve falar com o da área ambiental e ambos com o da área de segurança e saúde ocupacional, que também precisam conversar com o administrativo e o financeiro. E assim por diante.

Todos os departamentos devem manter esse diálogo, de modo que todos deixem claro os gastos ocorridos com multas, sanções, retrabalho, corretivos. São esses dados que farão diferença para a alta direção compreender a importância de se investir num sistema de gestão que gere indicadores com dados assertivos para as tomadas de decisão.

Portanto, se toda a decisão estratégica é feita com base nos indicadores que se controla na gestão, é preciso que a organização sempre esteja em busca dos indicadores mais adequados para seu negócio, que sejam capazes de apontar para estratégias de crescimento e de novas oportunidades de negócio, bem como para o crescimento sustentável da organização.

Como usar os indicadores para gerenciar requisitos?

Hoje a modernidade e a tecnologia vieram para facilitar as nossas vidas. E com os indicadores de risco para o gerenciamento do atendimento aos requisitos legais de uma organização não foi diferente.

Há 20 anos a Verde Ghaia é referência no mercado nacional na assessoria e monitoramento dos requisitos legais. A empresa sempre está em busca do que existe de mais moderno e inovador, desenvolvendo metodologias próprias para simplificar a vida de seus clientes.

A Verde Ghaia desenvolveu o SOGI, o seu Software Online de Gestão Integrada, que já está em sua oitava geração e agora conta com inteligência artificial também para ajudar no processo de monitoramento de leis (se quiser saber sobre essa inovação da Verde Ghaia, é só clicar aqui).

Como atender requisitos legais?

O SOGI é uma ferramenta que ajuda as organizações no gerenciamento do atendimento aos requisitos, sendo capaz de gerar indicadores de riscos condizentes ao andamento dos atendimentos da organização, contribuindo assim para a gestão das obrigações mais críticas e mais personalizada. Por ser um software para a gestão integrada, ele agrega diversas funcionalidades, de modo que você possa fazer uma gestão baseada na prevenção de riscos.

Com o SOGI os clientes da Verde Ghaia que o utilizam conseguem administrar seus indicadores com mais assertividade e realmente fazer a sua gestão. Por exemplo, de maneira bem simples e intuitiva é possível verificar quais os requisitos de maior ou menor risco, que precisam ser atendidos prioritariamente, o custo do atendimento dos requisitos (e também do não seu atendimento), sendo possível também elaborar gráficos e relatórios que ilustram melhor o cenário atualizado da empresa em relação ao atendimento legal dos requisitos. E a gestão pode ser feita por cada unidade corporativa ou de todo o grupo de empresas, de forma geral.

São tantas vantagens e benefícios para uma organização que fica difícil falar tudo em um texto só. Então, para saber mais sobre o SOGI e sobre indicadores de risco, entre em contato com os consultores Verde Ghaia e descubra porque melhorar todos os seus resultados só depende de uma decisão sua!

Agora é a sua vez de definir com a sua equipe como atender requisitos legais do seu negócio. Se houver alguma dúvida, Fale conosco! A Verde Ghaia possui uma equipe capacitada para te auxiliar.


Certificação ISO: como agregar valor ao seu negócio?

 

Por que obter uma certificação ISO? Essa é uma das perguntas mais frequentes. Qual empresa não deseja ser reconhecida por sua ótima reputação, por ser confiável e oferecer produtos de qualidade?

No entanto, nem sempre basta alardear ao público sobre o quanto sua empresa é boa. E é preciso, mais do que simplesmente oferecer excelentes produtos e serviços. Estamos falando de uma comprovação internacionalmente reconhecida.

Certificação ISO: como manter o valor do seu negócio?

Por isso, a certificação é o recurso ideal para comprovar credibilidade e assim demonstrar que seu produto ou serviço atende às expectativas e segue padrões internacionais. Inclusive em alguns casos, a certificação é muito mais do que isso: ela é um requisito legal ou até mesmo contratual, ou seja, o fechamento de um contrato depende da existência de determinadas certificações.

Certificação ISO: padronização e qualidade

Quando falamos de certificação, falamos da ISO, cuja sigla significa International Standardization Organization (Organização Internacional para Padronização), uma entidade fundada em 1947 em Genebra, na Suíça, após 65 autoridades de 25 países se reunirem para discutir meios de facilitar internacionalmente a coordenação e unificação de padrões industriais.

A ISO em si não emite certificações, mas apenas determina os padrões industriais internacionais que devem ser seguidos pelas empresas. Alguns de seus selos são bem conhecidos, como a ISO 9001 (certificação do sistema de gestão de qualidade), e outros ainda não são tão difundidos, como a ISO 37001 (antissuborno) ou a ISO 8000 (padrão global para qualidade de dados e dados-mestre da empresa).

A ISO também não decide quando desenvolver um novo padrão, e sim responde a uma solicitação do setor ou de partes interessadas (que podem até ser formadas por grupos de consumidores). A partir de análise dessa solicitação, um conjunto de especialistas de um comitê técnico desenvolve os aspectos do padrão, incluindo seu escopo, principais definições e conteúdo.

Os benefícios de se conquistar a certificação

Sem dúvida obter uma certificação muda a maneira como sua empresa é vista, principalmente pelo mercado e por órgãos fiscalizadores. O selo ISO é um compromisso público que a empresa firma para com a sociedade. Veja os benefícios diretos obtidos ao se conquistar um selo de certificação:

  • Abertura junto ao comércio internacional – como a ISO é reconhecida internacionalmente, fica bem mais fácil realizar negociações junto a empresas no exterior, já que o selo contribui para a redução de barreiras técnicas.
  • Facilidade para atender a órgãos reguladores e governo – instituições oficiais costumam se basear nos padrões da ISO para desenvolver sua regulamentação. Se você possui certificação, fica naturalmente mais perto do cumprimento de muitos requisitos legais.
  • Vantagem competitiva e credibilidade da marca – uma empresa com selo ISO certamente está à frente daqueles concorrentes que não têm nenhum tipo de certificação.
  • Organização interna – toda empresa que deseja conquistar a certificação passa por dois processos importantes: 1) Implementação de sistemas de gerenciamento 2) Auditorias internas e externas.

Quais os benefícios para as organizações?

Ambos são extremamente benéficos para a organização dos processos e funções numa empresa.

  • Melhoria contínua – os sistemas de gerenciamento em si e as próprias auditorias estimulam a correção de erros e melhoria contínua dos processos.
  • Redução de custos – os sistemas de gestão em geral reduzem processos ineficientes e resultam num melhor gerenciamento de riscos. Como consequência, os custos caem.
  • Satisfação dos clientes – certificações Internacionais indicam que os consumidores podem confiar na segurança dos produtos e serviços da empresa certificada. Um cliente satisfeito sempre volta. Isto reflete diretamente nos lucros daquela empresa.
  • Colaboradores motivados – colaboradores que trabalham em empresas organizadas, dotadas de um sistema de gestão bem definido e que demonstra preocupação para com a saúde e segurança de seu pessoal, certamente são mais felizes. E já está mais do que provado: colaboradores felizes trabalham melhor.
  • Responsabilidade social – toda empresa que se certifica segue uma série de diretrizes que acabam refletindo diretamente em aspectos sociais, como a preservação ambiental.

As normas internacionais da ISO ajudam empresas de qualquer tamanho ou setor a reduzir custos, aumentar a produtividade e acessar novos mercados.

Como obter a certificação ISO?

Para obter a certificação de uma Norma ISO é simples e fácil. Fale com um dos nossos consultores e apresentaremos a vocês formas de implementar e agregar valor ao seu produto ou serviço. Seja destaque no mercado, saiba se diferenciar de seus concorrentes e oferecer qualidade, credibilidade e confiança a seus clientes.

A certificação ISO proporciona garantia e legitimidade ao seu negócio em conformidade com padrões internacionais, pois o seu negócio atenderá aos requisitos técnicos e de segurança do mercado globalizado.

Fale conosco e gere valor ao seu negócio!

Retrospectiva 2019: Requisitos de Segurança de Alimentos mais importantes

 

A Resolução N°331 estabelece os padrões microbiológicos de alimentos e sua aplicação. Ficou definido que os setores envolvidos na cadeia produtiva de alimentos devem realizar análises periódicas e assegurar que, durante todo o prazo de validade, os alimentos cumpram com os padrões microbiológicos estabelecidos na Instrução Normativa nº 60, de 23 de dezembro de 2019. Os planos de amostragem também devem seguir as determinações da Instrução Normativa e os métodos de análise devem ser estabelecidos por órgãos referenciados no artigo 10 da Resolução.

Resolução ANVISA Nº 332, de 23-12-2019

Define novos requisitos para uso de gorduras trans industriais em alimentos. Ficou estabelecido que não são mais permitidos a produção, a importação, o uso e a oferta de ácido linoleico conjugado sintético para uso em alimentos e de alimentos formulados com estes ingredientes.  Além disso, a norma estabeleceu prazos para redução dos teores de gorduras trans industriais em alimentos, sendo que, a partir de 1º de janeiro de 2023, ficam proibidos a produção, a importação, o uso e a oferta de óleos e gorduras parcialmente hidrogenados para uso em alimentos e de alimentos formulados com estes ingredientes.

Instrução Normativa ANVISA Nº 60, de 23-12-2019

Estabelece as listas de padrões microbiológicos para alimentos prontos para oferta ao consumidor, inclusive alimentos comercialmente estéreis, incluindo leite e derivados UAT (UHT), fórmulas infantis líquidas comercialmente estéreis e fórmulas enterais líquidas comercialmente estéreis.

Caroline da Silva Dias / Departamento Jurídico

Segurança Jurídica e o impacto nas relações do negócio

 

Entenda porque a segurança jurídica é essencial para garantir o crescimento do negócio, mas a seleção da empresa/profissionais é um dos grandes segredos para a eficiência da gestão de riscos.

Segurança Jurídica e o impacto nas relações do negócio

Quando um empreendedor começa um negócio, ele deseja crescer e obter sucesso. Contudo, sabe-se que ninguém vai investir no negócio ou querer expandi-lo se não houver levantamento dos riscos. Em outras palavras, qualquer investidor ou mesmo o dono do empreendimento, deseja saber quais são os riscos do negócios para investir onde for necessário. Todo o levantamento de riscos gera uma série de informações que apontam as mais diversas possibilidades ou chances de prejuízos, sejam elas mínimas ou não.

Desse modo, ao ter todo o levantamento dos possíveis riscos em mãos, é possível estar consciente dos resultados financeiros que se pode alcançar. E é o conhecimento dos riscos jurídicos que as empresas podem dar as respostas necessárias, mostrando onde é provável que ocorra os maiores prejuízos.

Como contratar a gestão de Riscos Jurídicos?

Toda organização precisa ter uma gestão de riscos jurídicos na empresa, visto que ela traz inúmeras vantagens para o crescimento do negócio. Além disso, o que a segurança jurídica traz de benefícios, tem relação direta com a empresa ou consultoria jurídica responsável pela sua elaboração. Portanto, é preciso saber fazer essa contratação é um dos grandes segredos para resguardar o crescimento de toda a organização.

E é sobre esse assunto que vamos falar neste artigo. Mas, antes vamos apresentar rapidamente o que seria a segurança jurídica relacionada à gestão de riscos, para então destacar três pontos essenciais a serem consideradas na seleção e contratação de empresas ou consultoria especializada para a realização de um trabalho mais eficiente.

A Gestão de riscos e a segurança jurídica

A gestão de riscos é uma estratégia antecipativa e preventiva de planejamento, organização, direção e controle dos recursos humanos e materiais de uma organização para reduzir os riscos que possam vir a causar danos à imagem e reputação da organização, aos colaboradores, às partes interessadas, ao meio ambiente e à sociedade.

Conhecendo estes riscos, o gestor pode avaliar a probabilidade da ocorrência de um dano e suas consequências, analisando quais as melhores estratégias a serem adotadas para priorizar os riscos que são mais prováveis que aconteçam ou os mais graves. E qual o custo disso tudo.

A gestão de riscos pode ser considerada também a necessidade de que instituições exerçam funções de autocontrole afim de prevenir fraudes e legalidades, tratando-se igualmente de um controle interno da empresa para prevenir, reduzir e mitigar riscos e crises. Neste caso, a gestão de riscos está muito ligada à ideia de “programas de integridade”, entendidos como um “conjunto de mecanismos e procedimentos internos de integridade, auditoria e incentivo à denúncia de irregularidades e na aplicação efetiva de códigos de ética e de conduta, políticas e diretrizes com objetivo de detectar e sanar desvios, fraudes, irregularidades e atos ilícitos praticados contra a administração pública” (artigo 41, caput do Decreto 8.420/2015)”.

Gestão de Riscos associada a Conformidade Legal

Entenda porque a segurança jurídica é essencial para garantir o crescimento do negócio, mas a seleção da empresa/profissionais é um dos grandes segredos para a eficiência da gestão de riscos.

Quando a gestão de riscos é associada à conformidade legal (meio ambiente, segurança e saúde ocupacional, responsabilidade social, qualidade, etc), ela permite que os gestores tenham elementos importantes e estratégicos para a tomada de decisões, considerando a necessidade de que elas ocorram sob uma perspectiva de segurança jurídica e diminuição dos seus riscos.

É neste sentido que uma das principais vantagens que uma gestão de riscos eficientes traz para qualquer organização é a segurança jurídica para proteger o negócio. Porém, não é tão simples assim.

A falta de clareza sobre direitos e deveres, as crescentes alterações nas legislações e nos marcos regulatórios, a falta de confiança em instituições, as muitas normas com redação confusa ou imprecisas que geram interpretações divergentes, todos estes fatos são prejudiciais à realização de uma gestão de riscos eficiente, comprometendo a própria segurança jurídica da organização.

E o que fazer nesse caso para garantir o crescimento do negócio? É preciso que a empresa busque orientações adequadas, através de empresas e pessoas qualificadas e experientes, para ter a certeza de uma consultoria jurídica especializada.

Pontos principais para Gestão de Riscos

1. Contrate experts em gestão de riscos

Reforce a contratação de empresa/profissionais capacitados, renomados e experientes que garantam a entrega das informações de forma clara e bem interpretada. Afinal, de nada adianta ter as informações em mãos e não saber entender o que elas estão dizendo.

Os profissionais necessariamente precisam ter grande conhecimento em legislação, expertises e experiência porque são eles que vão participar e auxiliar em decisões estratégicas da empresa, que vão precisar mapear todos os possíveis riscos à imagem da instituição, à saúde e bem-estar dos colaboradores, ao meio ambiente, entre outros fatores.

Vale lembrar ainda que esta contratação deve ser feita à base de confiança. Tanto confiança na empresa ou profissionais a serem contratados quanto confiança no tratamento das informações prestadas e dados disponibilizados.

2. Tenha uma consultoria jurídica especializada

Na seleção da empresa ou profissionais para auxiliar na gestão de riscos é importante que a consultoria seja especializada, com grande conhecimento das leis, normas e requisitos aplicáveis para ter a certeza de que nada vai deixar de ser considerado ou que serão propostas estratégias adequadas para a redução e mitigação dos riscos.

Portanto, a escolha da empresa/consultoria jurídica para realizar a gestão de riscos é de extrema importância para garantir o sucesso da organização. Isso porque é de responsabilidade desses profissionais fornecerem elementos para a tomada de decisões sob uma perspectiva da minimização dos riscos jurídicos para os negócios, garantindo assim segurança jurídica para o planejamento e a priorização de investimentos e esforços relacionados à conformidade legal e à programas de integridade.

3. Garanta sigilo das informações e segurança dos dados

Uma das coisas mais importantes que qualquer organização possui são seus dados e as suas informações. Por isso, é preciso ter a garantia de que todas as informações trocadas tenham sigilo e que os dados tenham total controle de que estão seguros. Se quando você for fazer uma contratação você não ter certeza sobre esses pontos, então desista e procure por outra.

O impacto da segurança jurídica nas relações do negócio

Sem dúvida, a segurança jurídica impacta positivamente qualquer negócio. Mas ainda traz muitas outras vantagens, como permitir que a empresa:

  • Tenha vantagem competitiva;
  • Esteja mais preparada para se antecipar a problemas;
  • Por saber se antecipar a problemas, estará mais sólida e será mais valiosa aos olhos do mercado;
  • Melhore o planejamento estratégico;
  • Melhore a performance e a produtividade;
  • Atenda às normas internacionais e requisitos legais e regulatórios pertinentes;
  • Melhore a governança;
  • Melhore a confiança das partes interessadas;
  • Melhore a eficácia e a eficiência operacional;
  • Melhore o desempenho em saúde e segurança, bem como a proteção do meio ambiente;
  • Melhore a prevenção de perdas e a gestão de incidentes;
  • Minimize perdas;
  • Melhore a aprendizagem organizacional;
  • Desenvolva uma mentalidade de risco na rotina operacional; e
  • Aumente a resiliência da organização.

Se você ainda não conta com esse serviço em sua organização, você está perdendo tempo e dinheiro. Você precisa hoje mesmo garantir a segurança jurídica do seu negócio para ter todos os seus benefícios.

Como implementar uma Gestão de Risco?

E se você não sabe por onde começar, ou precisa de uma indicação de confiança de uma empresa que realmente possa resolver os seus problemas e que ainda conte com profissionais especializados e qualificados em gestão de riscos, conformidade legal e compliance, então conheça a Verde Ghaia. Ela é referência no mercado nacional há mais de 20 anos na assessoria e monitoramento de requisitos legais, e conta com um corpo jurídico extremamente competente e capacitado.

A Verde Ghaia também possui o maior banco de dados de legislações do país, para que nenhuma lei ou requisito seja esquecido na hora de fazer a sua gestão de riscos. Outro ponto de destaque da Verde Ghaia é possuir o software mais moderno do país, o SOGI, ou Software Online de Gestão Integrada, que possui inteligência artificial para auxiliar no monitoramento das leis e no cumprimento de todas as suas obrigações legais.

Com a Verde Ghaia você garante uma excelente gestão de riscos, promove o crescimento sustentável e, claro, o sucesso da sua organização.

Entre em contato conosco e venha conhecer mais sobre nossos serviços!

Assessoria para gerenciar Requisitos Legais

 

É uma prática comum, as organizações contratarem empresas de assessoria para gerenciar os Requisitos Legais. Contudo é necessário se ater a alguns critérios, como know-how, por exemplo.

Quem contrata serviços de Assessoria para gerenciar requisitos?

Qualquer empresa, independente da sua área de atuação, tem requisitos legais a serem cumpridos. E se manter em conformidade é extremamente importante, pois a falta de controle dos requisitos legais pode ser devastadora, tanto econômica, ambiental e socialmente, e principalmente para a reputação da marca e da imagem organizacional. E tudo, pode ficar ainda pior, se você parar para pensar no universo gigantesco de leis, normas e requisitos a que uma empresa está submetida para que ela esteja em conformidade legal.

Vamos imaginar como exemplo uma organização da área de mineração que queira se instalar na cidade de Paracatu, estado de Minas Gerais. Para estar em operação legal, essa empresa necessariamente precisaria atender 447 leis federais, 187 leis estaduais, 14 leis municipais, 68 normas técnicas e 4.655 obrigações derivadas da legislação aplicável. Como realizar a gestão dessa enorme quantidade de requisitos legais de forma eficiente, segura e prática?

O que é gestão de requisitos legais?

A gestão de requisitos legais pode ser compreendida como uma assessoria no atendimento aos requisitos legais, pertinentes às atividades, processos, produtos e serviços de uma empresa, para o atendimento das obrigações identificadas, cujo objetivo é de facilitar o gerenciamento e a análise de desempenho e conformidade legal da organização.

Na gestão de requisitos legais, além de identificar a legislação aplicável, que inclui leis, decretos, portarias, resoluções e instruções normativas aplicadas à realidade das atividades, produtos e serviços, é necessário verificar constantemente seu texto atualizado e periodicamente avaliar se as obrigações estão sendo atendidas.

Como iniciar a gestão dos requisitos legais?

Para começar a gerenciar os requisitos legais, o gestor deve identificar o ramo de atividade da empresa, conhecendo o funcionamento dos seus processos para que ele seja capaz, também, de avaliar os perigos e riscos e os aspectos e impactos ambientais. Além disso, para que o gestor inicie o seu gerenciamento é fundamental que ele:

1. estabeleça, implemente e mantenha procedimento(s) para identificar e acessar os requisitos legais aplicáveis e a outros requisitos, relacionados à Segurança, Meio ambiente, Saúde, Responsabilidade Social e Qualidade;

2. determine como esses requisitos se aplicam a suas atividades; e

3. mantenha todas as informações atualizadas e comunicadas às pessoas que trabalham sob controle da organização e outras partes interessadas relevantes.

Por isso, outro ponto fundamental é que haja uma equipe de profissionais experientes na empresa, especialista em cada área que atuem, para que possam ficar responsáveis pelo monitoramento e por gerenciar os requisitos a serem cumpridos.

Talvez agora você possa estar pensando que não deve ser tão difícil assim fazer a gestão dos requisitos legais. Infelizmente você está enganado, e uma assessoria neste momento é praticamente o que vai determinar se o negócio vai conseguir se desenvolver ou não.

Por que contratar Assessoria para gerenciar os Requisitos?

Abordar a identificação dos requisitos legais aplicáveis é geralmente um trabalho extremamente desgastante para muitas organizações, uma vez que o porte e a complexidade de seus processos irão interferir nas leis que ela deverá atender. Lembra-se lá no começo no exemplo sobre a empresa de mineração? Então, foi só um exemplo, mas em menor ou maior grau a complexidade do processo de gestão estará sempre presente. E você pode se sentir perdido, se saber ao menos por onde começar.

Outro grande problema é que as leis, as publicadas no site oficial do planalto, contém erros de digitação. Isso sem falar das leis em desuso. Vale lembrar ainda, que os órgãos de fiscalização batem cabeça nas pilhas de atos administrativos, no planejamento de atividades e nos altos custos operacionais na sua gestão de requisitos legais, tornando tudo ainda mais burocrático e lento.

Portanto, ter um banco de leis sempre atualizado não é tarefa fácil. E se a empresa ainda opta, por utilizar planilhas de Excel e verificação manual das informações, o problema piora mil vezes!

Há uma luz no fim do túnel?

A maneira mais fácil, simples e segura para contornar todos esses problemas e se proteger de desvios de condutas, fraudes e penalidades é contar com uma assessoria técnica especializada, que possa identificar todos os requisitos aplicáveis à sua atividade, monitorar seu cumprimento e verificar o que ainda precisa ser cumprido, inclusive oferecendo a possibilidade de construir planos de ação para ajudar o gestor em todo esse processo.

A assessoria para gerenciar requisitos, ajuda você encontrar a mais completa e moderna ferramenta que existe hoje no Brasil para a gestão de requisitos legais. Esta ferramenta é o SOGI, o Software Online de Gestão Integrada da Verde Ghaia.

SOGI é um grande diferencial no mercado, visto que, se compará-lo a tudo o que existe hoje no mercado, nada se iguala a esse software, pois ele é capaz de agilizar sua gestão em até 80%.

Além disso, destaca-se o controle de banco de dados de legislações de todo o Brasil e seu serviço de inteligência Artificial na interpretação legal, sendo feito 24 horas por dia, utilizando-se do Big Data. E segundo, foi lançada a LIA, uma plataforma de IA que identifica toda a legislação aplicável a qualquer ramo de atividade, oferecendo respostas seguras sobre custos preventivos, corretivos e preditivos para o cumprimento dos requisitos legais.

O faz a Verde Ghaia?

A Verde Ghaia presta assessoria e consultoria no monitoramento de requisitos legais há mais de 20 anos, sendo referência no mercado nacional quando o assunto são sistemas de gestão. Seus clientes são empresas de todos os portes e segmentos, que se preocupam em se manterem em compliance e crescerem de forma sustentável ao longo do tempo. E claro, que não abrem mão da modernidade e segurança das suas informações.

Por isso a Verde Ghaia, através de metodologias próprias, desenvolveu o SOGI. Ao adquirir este software, o gestor passa a ter a tranquilidade de sempre contar com assessoria completa para gerenciar todos os seus requisitos. O SOGI, junto com a LIA, é o que há de melhor hoje para a assessoria de requisitos legais. Somente ele pode garantir uma gestão eficiente orientada para resultados, utilizando a modernização tecnológica, a regulação responsiva e o gerenciamento adequado da informação.


Se quiser saber mais sobre o SOGI, entre em contato agora mesmo com os consultores da Verde Ghaia, e saiba mais sobre a Assessoria para gerenciar os requisitos legais do seu negócio.


Sugestão de Leitura:

Prêmio Compliance Brasil: Saiba como participar em 2020

Como melhorar: o Gerenciamento dos Requisitos Legais do seu negócio?

Auditoria Jurídica e a Gestão de Risco para a Governança Corporativa

 

A relação entre Auditoria Jurídica e a Gestão de Risco é tão importante que será assunto deste artigo. Por isso, nas próximas linhas, vamos explicá-la melhor, demonstrando onde ela poder ser realizada e como obter esse serviço para melhorar os processos da sua empresa, visando economiza de tempo e dinheiro, e ainda contar com a certeza de estar sempre em Compliance. 


Sugestão de Leitura: Compliance Sustentável: preocupação da Renault do Brasil.


Primeiramente, questiono a você, leitor, se acha possível que as organizações evitem lesões por esforço repetitivo em seus colaboradores? Se é possível evitar o descarte irregular de resíduos de uma indústria? Ou ainda, se é possível evitar que um incêndio possa vir a ocorrer dentro de uma área na organização? As respostas podem parecer óbvias, claro. Mas, será que tudo pode ser, sempre evitado?

Embora, às vezes tenhamos a sensação de que nem todos sabem ou fingem não saber sobre os riscos às quais as atividades das empresas estão sujeitas, é preciso saber exatamente. Essa ignorância – proposital ou não – no entanto, pode gerar prejuízos enormes, especialmente financeiros e outros irreparáveis.

Por isso, consideramos esse artigo sobre a relação entre Auditoria Jurídica e a Gestão de riscos tão importante para os negócios continuarem em desenvolvimento e crescimento. Boa leitura!

Entendendo sobre os Riscos em uma empresa

Riscos são inerentes a qualquer atividade ou organização e, em uma empresa, eles são a principal causa de prejuízo econômico. Podemos citar os riscos que existem em relação ao patrimônio da empresa, como equipamentos, roubos, furtos, incêndios; os riscos de doenças e acidentes de trabalho que podem acontecer com os colaboradores; e também os riscos que podem causar uma indenização a terceiros, como os riscos ambientais, os problemas na qualidade de produtos e serviços, dentre outros.

Há vários exemplos de riscos, como os citados acima, que uma empresa está sujeita. E eles podem vir a acontecer devido aos fatores e influências internas e externas as quais a organização está sujeita, sendo esses passíveis de gerar consequências negativas. Contudo, os riscos podem ser evitados. E para isso é fundamental que a organização implemente uma gestão de riscos.

Primeiramente, deixa-se claro que, a Gestão de riscos é um processo pelo qual o risco é medido ou estimado, e a partir desses dados, elaboram-se as estratégias, desenvolvendo e aplicando-nas nos processos da organização, de modo que seja possível evitá-los, reduzi-los ou mitigá-los.

Além disso, a gestão de riscos ajuda a definir como a empresa deverá alinhar seu processo de planejar, organizar, dirigir e controlar os recursos humanos e materiais da organização, visando minimizar ou aproveitar os riscos, assim como as incertezas, que possam causar danos ao projeto, às pessoas, ao meio ambiente e a imagem da empresa.

Processos da Auditoria Jurídica e Gestão de Riscos

A implementação de um programa de gestão de riscos faz parte de um dos processos da Auditoria Jurídica (também chamada de Auditoria Legal) que permite, previamente, a identificação, qualificação, quantificação e monitoramento das ameaças à “saúde legal” da organização. Sendo assim, quando os riscos são identificados, eles passam a ter relevância para a tomada de decisão, orientando estrategicamente a organização a prevenir e/ou minimizar seu impacto no negócio.

Além disso, esses dados ajudam nas questões corporativas, ajudando a organização a sair da vulnerabilidade que o risco a leva ou que pode se transformado em um problema muito mais sério.

A gestão de riscos e a Auditoria Jurídica

A gestão de riscos faz parte da implementação da Auditoria Jurídica que, por sua vez, é uma das mais importantes ferramentas de gestão empresarial. Ela permite que se conheça todo o ordenamento jurídico de um negócio, passando por todos os seus setores e departamentos com o objetivo de potencializar a governança corporativa, de forma que a empresa desenvolva suas atividades com segurança e com o mínimo de intervenções litigiosas. 

É a Auditoria Jurídica que vai permitir conhecer os riscos a que um negócio está exposto. Conhecendo os riscos, é possível avaliá-los através da auditoria de conformidade legal, para verificar todas as não-conformidades, ou desvios, a que a empresa está sujeita e qual a sua correlação às penalidades administrativas, civis e penais que possam ser aplicadas.

Esta matriz de risco criada permite classificar os riscos de acordo com o nível de criticidade de cada um a fim de determinar quais são mais críticos, quais devem ser as prioridades e quais são as estratégias a serem adotadas para evitar possíveis danos ou penalizações mais severas.

Portanto, a Auditoria Jurídica e a gestão de riscos evidenciam os pontos frágeis existentes na organização de maneira que eles possam ser tratados e/ou minimizados, seja em áreas trabalhistas, tributárias, ambientais ou cíveis.

É possível, antecipar-se aos riscos da organização?

Conhecer estes riscos e poder se antecipar a eles, identificando-os antes mesmo deles virem a se tornar problemas ou mesmo anulando potenciais riscos futuros, traz a você vantagem competitiva diante do mercado, permite agir com mais confiança nas tomadas de decisão e oferece proteção para seu negócio.

Isso é a gestão de riscos e daí está a sua importância e relação com a Auditoria Jurídica, pois ambas permitem o crescimento saudável da empresa ao proporcionar um olhar mais assertivo e preventivo sobre o negócio para garantir mais segurança e sucesso à organização.

Onde é possível fazer uma Auditoria Jurídica?

Duas áreas se destacam quando se fala em Auditoria Jurídica. A primeira é a ambiental, na qual são analisados todos os requisitos legais aplicáveis à atividade desempenhada pela empresa, às normas, às autorizações envolvidas na atividade, verificando atividades potencialmente poluidoras e se tudo está em conformidade.

Outra área importante é a da governança corporativa. Nela são feitos acompanhamentos de manuais de compliance e códigos internos da empresa, verificando os códigos de conduta e ações de antissuborno e anticorrupção. Importante destacar que hoje clientes, fornecedores e investidores muitas vezes vêm promovendo diligências no sentido de verificar os programas de compliance e de gestão dos riscos legais relativos aos seus parceiros comerciais. Outras áreas também que podem sofrer atuação da Auditoria Jurídica são a trabalhista, a tributária, a societária e a cível.

Independente da área, o papel da Auditoria Jurídica na gestão de riscos tem como finalidade identificar quais leis a empresa precisa seguir, visando os trabalhos de due diligence, bem como os potenciais problemas e as melhores soluções para o crescimento do negócio. Esta é uma tarefa de cunho preventivo, a fim de evitar contenciosos, com o objetivo de instaurar uma cultura organizacional sustentável e uma mentalidade voltada para o compliance.


Sugestão de Leitura: Principais tendências de um Programa de Compliance


Contrate um serviço especializado de conformidade legal!

Você não precisa se preocupar com a gestão de riscos e a Auditoria Jurídica na sua organização porque a Verde Ghaia pode fazer isso por você! Com uma experiência de mais de 20 anos no mercado de assessoria e monitoramento de requisitos legais, ela possui profissionais experientes e qualificados em sistemas de gestão e conformidade legal que fazem com que a auditoria não seja apenas uma obrigação para a certificação, mas sim um importante e eficiente instrumento de gestão.

A Verde Ghaia também conta com o que existe de mais moderno quando o assunto são sistemas de gestão: o SOGI, ou o Software Online de Gestão Integrada. Ao contratá-lo, você tem disponível o serviço de Auditoria de conformidade legal da Verde Ghaia que faz exatamente tudo o que foi mostrado nesse artigo: apresentando as legislações aplicáveis ao seu negócio, informando se estão sendo cumpridas, priorizando ações necessárias para estar em conformidade, avaliando a existência de divergências entre a atividade desempenhada e as obrigações legais e vai oferecer uma análise de custos para uma melhor alocação de recursos financeiros. Além disso, a Verde Ghaia deixa a sua empresa preparada para fiscalizações e auditorias externas.


E ainda tem mais!

Por ser cliente Verde Ghaia, ao contratar o SOGI e realizada a Auditoria de Conformidade Legal, automaticamente a sua organização está apta a participar do Prêmio Compliance Brasil, um dos maiores prêmios do país que reconhecem e premiam as melhores empresas que estão em compliance.


Nós priorizamos não apenas cumprir tudo o que é exigido, mas sim fazer o reconhecimento a nível nacional por todo esforço e trabalho realizado ao longo do ano. Quer saber mais sobre o serviço de auditoria de conformidade legal da Verde Ghaia e o Prêmio Compliance Brasil?

Então entre em contato conosco!

Blog VG