×

Futuro: o quanto ele influencia no seu legado?


 

Para ter essa percepção e descobrir se você fala de estratégia em relação ao futuro ou se discute apenas tempo com sua equipe de trabalho, é só fazer um teste simples, proposto por Philip Zimbardo, considerado por muitos como o melhor psicólogo do mundo. Zimbardo é autor do livro “The Time Paradox” e nele afirma que cada pessoa tem um algoritmo de tempo, enxergando-o de uma forma diferente. Ou seja, cada um tem a sua orientação temporal quando consideramos passado, presente ou futuro.

Sem olhar para o futuro é impossível fazer inovação, disrupção, e a organização sempre ficará presa no presente. Por isso, não veja o que é, veja o que pode ser. Ultrapasse essa barreira temporal que possa existir identificando como cada pessoa se comporta diante de cada período de tempo. Isso é essencial para que todos na empresa possam falar a mesma língua e terem a mesma visão de futuro, elaborando estratégias para alcançá-lo – e não desculpas para ficar estacionado no presente utilizando ferramentas do passado.

E esse foi o segundo aprendizado que tive com Tiago aquela noite: em que tempo eu vivo? Em que tempo as pessoas ao meu redor vivem?  E gostaria que você também pensasse: em que tempo você vive?  Em que tempo a sua empresa, a sua equipe vive? Se quer achar a resposta, leia também esse livro de Zimbardo, indicado por Tiago. Ele também já está na lista das minhas leituras obrigatórias.

Por fim, Tiago Mattos, futurista, dono de uma mente brilhante, fechou a sua apresentação com uma provocação sensacional: como está o nosso legado? Raríssimas vezes paramos para pensar nisso. E talvez nunca chegamos a pensar da forma correta.

Qual o seu legado?

Tiago Mattos e Deivison Pedroza

O legado é o que fica para as atuais e futuras gerações, é o que muda o mundo e é completamente diferente de propósito. Legado é aquilo que está no coração do nosso modelo de negócio. Legado é aquilo que os outros definem que seja, não você. Legado é algo muito maior que o próprio empreendedor e é o que dá sentido à nossa existência.

Então, o meu terceiro aprendizado foi: o meu legado tem que ser reconhecido pelos outros como tal, e eu devo fazer a diferença na vida das pessoas, hoje e no futuro, com algo que eu me orgulhe. Estou fazendo isso? O que me orgulha hoje que eu já fiz no passado? O que me dá motivos para querer sempre mais? Para ajudar nessa reflexão, cito a frase de Anne Lise Kjaer, também futurista, apresentada por Tiago na palestra: “Eu quero ver os líderes no futuro dizer: eu não quero ser o melhor no mundo, eu quero ser o melhor para o mundo”. Você está sendo melhor para o mundo?

E para deixar você mais tranquilo, saiba que quando se deixa de pensar no futuro presente para começar a pensar no futuro real, quando o foco passa a ser a disrupção da organização e a auto-disrupção de nós mesmos como lideranças e quando paramos para pensar em nosso legado, na forma como os outros veem nosso trabalho e o impacto dele na vida das pessoas, as inquietações são naturais e surgem porque fazem parte do processo de mudança. Então não se assuste. Você está no caminho certo.

Eu tive a certeza que estava no dia 05 de setembro. Uma palestra. Três perguntas. Três aprendizados para uma vida obtidos em apenas uma noite. Impossível terminar esse dia mais satisfeito.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *