×

Cenários dos Recursos Energéticos – Gestão ISO 50001


 

A racionalização dos recursos energéticos é matéria que cada vez mais ganha destaque, seja entre as preocupações da sociedade, nas políticas públicas do governo ou no planejamento estratégico das empresas dos mais variados segmentos. Isso porque nos últimos tempos, passamos por uma crise energética como poucas vezes se te teve notícia no Brasil. Faltas de chuvas, escassez hídrica, aumentos discrepantes da conta de luz e criação da metodologia de bandeiras, que incluiu a dolorosa bandeira vermelha, que além de representar um aumento ainda maior no valor da conta para os consumidores, indica também (como uma das causas) o aumento da necessidade de maior uso (contratação) de energia advinda de termelétricas. 

Logo o Brasil, país cuja matriz energética é composta por mais de mil usinas hidrelétricas espalhadas pelo território nacional, que juntas produzem 65% da energia do país.

É realmente difícil de acreditar que em 2014 e 2015 chegamos ao estágio de escassez hídrica e crise energética, quando pensamos o quão privilegiado somos por termos grandes rios de planalto, que costumeiramente eram alimentados por chuvas tropicais abundantes (e chegaram a constituir uma das maiores reservas de água doce do mundo) e vemos países com muito menos recursos hídricos per capta e possibilidades energéticas inferiores em condições bem mais favoráveis.

Essas ocorrências devem servir para despertar a consciência de que estamos cuidando dos nossos recursos naturais de maneira errada.  Se compararmos as características de nossa matriz energética com a do mundo, podemos constatar que as fontes renováveis participam em média com apenas 13% da matriz energética dos países industrializados.

Recursos Energéticos: consumo e otimização

O percentual cai para 6% entre as nações em desenvolvimento, ou seja, temos uma disponibilidade desses recursos muito acima da média e estamos fazendo uma gestão sobre os mesmos bem abaixo da média. Faz-se necessário rever onde, como e quando estão sendo desperdiçados os recursos energéticos, e como é possível reduzir o seu consumo ou otimizar a forma de utilizá-lo.

Isso começa pela casa de cada cidadão, desde o banho demorado, ao uso de mangueira para “varrer” calçadas e pisos, passa pelo descaso do poder público pela falta de saneamento básico e cuidado com os rios, lagos e suas matas ciliares chegando também ao setor empresarial, principalmente às indústrias que não tenham uma cultura de preocupação com os impactos ambientais adversos para à sociedade que suas atividades representam ou não conseguem enxergar os benefícios que uma boa gestão ambiental e de eficiência energética  pode trazer para o planejamento estratégico da organização, fortalecimento de sua marca e principalmente redução de custos.

Há que se saber vislumbrar o lado bom de qualquer crise e aproveitar a experiência pela qual se pode vivenciar ao sentir na pele e no bolso os efeitos negativos do nosso descaso, para compreender que se não houver mudança de mentalidade, comportamento e prioridades continuaremos a pagar mais caro, por recursos que temos mais do que muitos, mas estamos desperdiçando como poucos.

De acordo com EPE – Empresa de Pesquisa Energética, o tipo de energia mais utilizada no Brasil são:

  • 39,4% de participação de renováveis na Matriz Energética Brasileira, mantendo-se entre as mais elevadas do mundo;
  • 60,6% da energia utilizada não é renovável.

Atividades que mais consomem energia do País

Que tipo de atividades mais usam a energia são elas: 

  • Indústrias 32,9%;
  • Transportes 32,5%;
  • Residências 9,3%;
  • Setor energético 10,3%;
  • Serviços 4,7%;
  • Agropecuária 4,2%;
  • Produção industrial, transporte de carga e mobilidade das pessoas respondem por 65%
  • Já o crescimento substancial de 85,5% no aumento na geração de eletricidade eólica.

A energia que movimenta a indústria, o transporte, o comércio e demais setores econômicos do País recebe a denominação de Consumo Final no Balanço Energético Nacional. Esta energia para chegar ao local de consumo é transportada por gasodutos, linhas de transmissão, rodovias, ferrovias, etc, processos que demandam perdas de energia.

De outro lado, a energia extraída da natureza não se encontra nas formas mais adequadas para os usos finais, necessitando, na maioria dos casos, de passar por processos de transformação (refinarias que transformam o petróleo em óleo diesel, gasolina, etc; usinas hidrelétricas que aproveitam a energia mecânica da água para produção de energia elétrica, carvoarias que transformam a lenha em carvão vegetal, etc). Estes processos também demandam perdas de energia.

No Balanço Energético Nacional, a soma do consumo final de energia, das perdas na distribuição e armazenagem e das perdas nos processos de transformação, recebe a denominação de Oferta Interna de Energia – OIE, também, denominada de matriz energética ou de demanda total de energia.

Agora, vamos contextualizar um pouco a respeito da fonte de energia primária, ou seja, toda a forma de energia disponível na natureza antes de ser convertida ou transformada. Consiste na energia contida nos combustíveis crus, a energia solar, a eólica, a geotérmica e outras formas de energia que constituem uma entrada ao sistema. Se não é utilizável diretamente, deve ser transformada numa fonte de energia secundária.

Na indústria energética distinguem-se diferentes etapas: a produção de energia primária, seu armazenamento e transporte em forma de energia secundária, e seu consumo como energia final.

Assim, por exemplo, a energia mecânica de um salto de água é transformada em eletricidade e ao chegar ao utente final (aquele que possuiu ou desfruta de alguma coisa pelo direito de uso, mais conhecido como o termo, usuário de algo), esta pode ser empregue para diferentes usos (iluminação, produção de frio e calor, etc).

É hora de dar lugar à criatividade e à racionalidade – ISO 50001

Sair do lugar comum e tomar ações para se evitar o desperdício, incentivar mais o uso de energias limpas como a eólica e solar, de modo que o investimento nas mesmas garanta um retorno à médio prazo, e um resultado mais eficiente.  Pensar em outras formas de geração de energias, repensar processos e avaliar como fazer (produzir) mais com menos (recursos energéticos), identificar melhorias e priorizar as soluções mais eficientes.

Em tempos em que as receitas podem não crescer tanto como se pretendia o equilíbrio das contas ou o próprio lucro almejado pode ser alcançado também por meio da redução dos custos.

Para isso, um sistema de gestão de energia nos moldes da ISO 50001 devidamente implementado e mantido se mostra como uma ótima ferramenta para auxiliar qualquer organização a alcançar esses objetivos.

Quer implementar um gestão eficiente? Fale conosco!

Leia também


Como implementar um Sistema de Gestão de Energia eficiente?


 

Entenda as vantagens adquiridas pela empresa ao implantar um sistema de gestão de energia conforme os requisitos da ISO 50001 e os pontos chaves desse processo.

Publicada em 15 de junho de 2011, a norma ISO 50001 estabelece requisitos para um sistema de gestão de energia que podem ser usados por plantas industriais, instalações comerciais ou qualquer outro tipo de empresa para melhoria do seu desempenho energético.

É importante destacar que esse sistema de gestão não se restringe somente à energia elétrica. A norma aborda também outros tipos de energia como combustíveis, vapor e ar comprimido. Assim, implantar a ISO 50001 é fazer com que a empresa adote uma busca continua pela redução do seu consumo de energia, aumentando a eficiência energética de suas atividades e processos. Desse modo,contribui-se para a redução da emissão de gases que provocam o efeito estufa.

O Sistema de Gestão de Energia e o cenário atual

Em um cenário econômico cada vez mais competitivo, melhorar o desempenho energético significa não só reduzir impactos ambientais, mas também reduzir desperdícios financeiros, o que contribui de forma significativa para a sustentabilidade econômico-financeira das empresas, devido à redução de custos em processos produtivos, em áreas administrativas e até mesmo em transportes.

Na tendência mundial de aumento da preocupação com o meio ambiente e na necessidade cada vez maior das empresas de reduzirem gastos internos para se manterem vivas no mercado, a implantação do Sistema de Gestão de Energia tem se tornado objetivo de organizações de diversos ramos de atuação. Destaca-se nessa busca, as industriais, mas sem excluir os demais ramos de atividade como escritórios, hospitais e comércios.

Esse destaque não é difícil entender, quando se observa que, segundo levantamento da Empresa de Pesquisa e Energia – EPE em seu Relatório Síntese de 2018, Produção industrial e transporte de carga/passageiros, respondem por aproximadamente 66% do consumo de energia do país.

Quais os principais pontos da implantação da ISO 50001?

Os requisitos da norma trazem diversas exigências como o estabelecimento do escopo de certificação, a criação de uma Política Energética, o Planejamento Energético, dentre outros. É do planejamento que sairão objetivos, metas e respectivos planos de ação. Estes, por sua vez, serão o norte de trabalho da empresa para atingir os resultados pretendidos.

A etapa de realizar o planejamento energético é uma das mais extensas e importantes desta norma. É nesse momento em que a empresa deve entender quais são os tipos de energia utilizados, suas formas de consumo e a quantificação dessa demanda atual e passada. Quanto mais precisos esses dados, mais eficaz será a determinação dos usos significativos de energia, da linha de base energética e dos indicadores que medirão o desempenho energético da organização.

A empresa é livre para adotar a metodologia que seja melhor aplicável ao seu contexto, sendo, porém, fundamental comprovar a confiabilidade dos dados. Isto muitas vezes está atrelado à calibração de equipamentos de medição e ao acompanhamento dos planos de ação para garantir o seu comprimento. É ainda nesse requisito que são levantadas as legislações ou outros requisitos que sejam relacionados à eficiência energética da empresa ou ao seu consumo de energia, os quais deverão ser monitorados e atendidos.

Registros e controles dentro do Sistema de Gestão

A ISO 50001, assim como as outras normas ISO, irá demandar das empresas a elaboração de algumas documentações. Bem como, o seu controle e a garantia da competência e conscientização dos trabalhadores da empresa, em especial, os envolvidos com os usos significativos de energia. Trará também dois pontos chaves para a garantia de uma melhoria continua: as ações preventivas e as ações corretivas.

Essas ações são a forma de evitar que as não conformidades ocorram ou, caso ocorram, fazem com que elas sejam sanadas de forma a não ocorrerem novamente. Nesse ponto, ressalta-se a necessidade de boas analises de causas das não conformidades reais ou potenciais, de forma a garantir que as ações tomadas sejam proporcionais ao problema detectado e, consequentemente, o eliminem do sistema.

Vale ainda ressaltar a importância dos registros e seus controles dentro do Sistema de Gestão. São os registros que trarão as evidencias de conformidade ou não do sistema em relação a especificações ou planejamentos.

Por fim, a norma irá demandar a realização de auditorias internas que testem o sistema em relação às especificações da norma ou às regras criadas pela própria empresa e a realização de reuniões onde a alta direção avalie o desempenho energético da empresa em relação ao seu planejamento, sendo assim possível um replanejamento do sistema em relação à situação atual e a garantia da melhoria continua do sistema de gestão.

A mudança de cultura dentro da empresa

Assim como a implantação de qualquer outro sistema de gestão, é essencial que ocorra uma mudança na cultura dos colaboradores. Essa mudança está ligada, principalmente, à conscientização e ao envolvimento de todos trabalhadores em prol da melhoria do desempenho energético. Isso ocorre porque, além da economia de energia em pontos como projetos e substituição de equipamentos, é necessário que os colaboradores entendam que atitudes, às vezes pequenas, como reprogramar o tempo de equipamentos ligados, apagar luzes quando desnecessárias, desligar ar condicionado ao sair do setor, podem influenciar de forma significativa no contexto global da organização.

Integração com outras normas

Outro ponto favorável à implantação do Sistema de Gestão de Energia é que pode ser tranquilamente integrado a outros sistemas da empresa. Nessa proposta de integração, inclui-se as normas ISO9001, ISO 45001 e ISO 14001. Para esta última, percebe-se que muitas ações desempenhadas na rotina da empresa se fazem em conjunto, decorrentes da semelhança dos pontos observados. Exemplo disto, são as empresas que realizam “rondas” de vistorias de gestão ambiental e energética. Essas empresas visam encontrar, além de itens específicos exigidos pelas normas, pontos de vazamentos e desperdício de vetores energéticos. Estes por sua vez, podem geralmente influenciar nos da organização.

                                       EAD – Verde Ghaia – Cursos para você se capacitar!

Conheça nosso Curso à Distância sobre a ISO 50001 – Eficiência Energética!

O objetivo deste curso é colaborar no estabelecimento de sistemas e processos, visando melhoria no desempenho energético. Além disso, inclui-se a eficiência energética, uso e consumo. A implantação desta Norma, que é aplicável a todos os tipos de organizações. Sua proposta é a redução nas emissões de gases de efeito estufa e outros impactos ambientais relacionados à energia e aos custos/economia a que se destina o sistema de gestão de energia.

A norma é explicada através de apostila, slides e avaliação.
Aprenda a interpretar a nova norma de Eficiência Energética.
Possibilidade de download de apostila completa.

Fernanda Innecco
Consultora Externa
Engenheira Química Especialista em Segurança do Trabalho


Blog VG