Arquivos levantamento de aspectos e impactos ambientais | Grupo Verde Ghaia
×

Etapas para identificação e avaliação de aspectos ambientais conforme a ISO 14001

 

Podemos definir Aspectos Ambientais como elementos das atividades, produtos ou serviços de uma organização que podem interagir com o meio ambiente, causando ou podendo causar impactos ambientais, sejam eles positivos ou negativos.

identificação e avaliação de aspectos ambientais conforme a ISO 14001

Os impactos ambientais positivos são, como o próprio nome indica, aqueles que trazem modificações positivas ao ambiente, tais como o replantio de árvores, a limpeza de rios e o aumento da população de espécies sob risco de extinção. Já os impactos ambientais negativos, são os velhos conhecidos que temos tentado mitigar cada vez mais: despejo de resíduos poluentes em rios, aumento da emissão de gás carbônico, extinção de espécies da fauna e flora e muitos outros.

Quando avaliamos os aspectos ambientais de uma empresa, estamos analisando todos os fatores que de alguma forma podem afetar o meio ambiente, ou seja, causar algum tipo de impacto. O aspecto ambiental é a causa e impacto ambiental é o efeito.

O Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais (LAIA) de uma organização é umas das etapas mais importantes para a implementação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) eficaz, e um dos requisitos para uma empresa conseguir um licenciamento ambiental, por exemplo.

O Sistema de Gestão Ambiental tem como função exatamente amenizar o impacto ambiental negativo e, se possível, criar o impacto ambiental positivo.

Embora o LAIA não seja obrigatório por lei, sua execução não só evita multas e sanções legais devido ao descumprimento de leis ambientais, com também evita desastres.

No caso da tragédia de Brumadinho no início de 2019, podemos dizer que houve falha no Sistema de Gestão Ambiental. Mesmo sob a visão de um leigo, ficou evidente que a Vale do Rio Doce negligenciou os impactos ambientais de sua operação de armazenamento de rejeitos e não tomou as medidas corretas para minimizar os riscos de acidentes. O resultado todos nós conhecemos: uma tragédia ambiental e humana inenarrável.

Escopo do Sistema de Gestão Ambiental

Escopo do Sistema de Gestão Ambiental

Um sistema de Gestão Ambiental deve ser capaz de compreender todos os processos da atividade de uma organização, para assim avaliar e controlar os impactos ambientais significativos decorrentes de suas ações. Para isto, é necessário a montagem de um escopo.

O escopo de um SGA deve conter a descrição do objetivo do programa de gestão, cada requisito a ser cumprido, suas prerrogativas, suas restrições e a estimativa de tempo de implantação e execução. O acompanhamento das medidas implementadas deve ser constante.

O SGA pode ser aplicado apenas em algumas unidades, localidades ou departamentos de uma empresa, mas o ideal mesmo é que o Sistema de Gestão Ambiental abarque toda uma organização, já que impactos ambientais podem vir de qualquer lugar, até mesmo daquela inocente torneira pingando no banheiro dos colaboradores.

A criação de uma matriz também vai auxiliar na identificação de cada aspecto e seu respectivo impacto ambiental, fornecendo mais precisão nas informações, principalmente no que diz respeito ao grau de risco e grau de significância de cada um. Ao avaliar a significância você deve considerar alguns aspectos: o potencial daquele aspecto para causar dano ambiental; tamanho e frequência do aspecto; a importância daquele risco para as partes interessadas da organização; os requisitos de legislação ambiental relevante

Uma boa medida para criar o SGA é seguir os passos da ISO 14001, que fornece praticamente todas as diretrizes para se construir um Sistema de Gestão Ambiental adequado.

ISO 14001 – Levantamento de Aspectos e Impactos

ISO 14001 - Levantamento de Aspectos e Impactos

A ISO 14001 é responsável por especificar os requisitos mais relevantes de um Sistema de Gestão Ambiental, permitindo assim à organização desenvolver uma estrutura para proteger o meio ambiente com uma resposta rápida a quaisquer mudanças das condições ambientais. É uma norma que visa basicamente resolver, mitigar ou prevenir problemas ambientais.

A ISO 14001 é baseada no ciclo de melhoria PDCA (Plan-Do-Check-Act/Adjust), o método utilizado na Gestão da Qualidade para organização dos processos de uma empresa. Em bom português, podemos comparar à estrutura abaixo:

ISO 14001 - Levantamento de Aspectos e Impactos

AISO 14001 também aborda a questão de riscos e oportunidades, ou seja, efeitos potenciais adversos (ameaças) e efeitos benéficos (oportunidades) no escopo da Gestão Ambiental. No caso dos riscos, a gestão tem caráter preventivo.

E nas questões das oportunidades, o mapeamento dos processos ajuda a identificá-las e geri-las. Uma empresa que gera resíduos sólidos, por exemplo, pode vislumbrar maneiras de revendê-los como matéria prima a outra companhia, obtendo assim mais uma fonte de lucro e ainda mantendo o desenvolvimento sustentável. Tanto os riscos quanto as oportunidades identificados devem ser tratados, cada um dentro de sua pertinência — é comum muitas empresas cometerem a falha de abordar apenas os riscos negativos e ignorarem as oportunidades.

Já vimos que o Levantamento de Aspectos e Impactos ambientais não é obrigatório por lei, porém é obrigatório para toda empresa que deseja conquistar o certificado ISO 14001. Obter o selo ISO 14001 demonstra que a organização possui comprometimento com práticas sustentáveis, fortalecendo sua imagem e melhorando assim o fluxo de seus negócios como um todo. Além disso, abre a possibilidade de trabalhar com mercados no exterior, evita multas ambientais que podem inviabilizar o negócio e ainda provém a vantagem de obter financiamentos a juros mais baixos.

Quem pode realizar o levantamento de aspectos e impactos ambientais?

O levantamento de aspectos e impactos ambientais pode ser executado por funcionários da própria empresa, desde que este possua conhecimentos plenos sobre gestão ambiental. Mas caso não haja especialistas em meio ambiente, a empresa deve estar ciente de que estará mais vulnerável a riscos não controlados.

Além disso, um Sistema de Gestão Ambiental pode frequentemente se revelar mais complicado do que o necessário, por isso é sempre bom contar com um especialista.

Considerações Finais

Hoje, é impensável que uma empresa sobreviva sem se preocupar com a sustentabilidade ambiental de seu negócio.

A empresa que monta um bom Sistema de Gestão Ambiental e principalmente segue as diretrizes da ISO 14001, reduz de riscos de acidentes, de sanções legais, aumenta a qualidade de seus produtos, serviços e processos, economiza em matéria-prima, água e energia, capta mais e mais clientes, melhora sua imagem e, principalmente, preserva o planeta.


Informe-se mais sobre o tema

Entenda sobre o que é ciclo de vida de um produto e qual a importância para a organização

 

A nova versão da ISO 14001 veio com muitas vantagens e mudanças que tem o intuito de beneficiar ainda mais as empresas. No artigo de hoje, temos o objetivo de explicar uma das abordagens que está na norma: o Ciclo de Vida do Produto.

É muito importante que você entenda o conceito do Ciclo de Vida do Produto. Dessa forma, será mais fácil de enxergar como os impactos ambientais afetam as atividades da sua empresa de uma forma geral.

Também vamos explicar como o Ciclo de Vida do Produto, no ponto de vista da Norma ISO 14001 auxilia uma empresa. Além disso, também será elencado algumas situações, para que você entenda que há algumas que podem impactar os objetivos do seu negócio.

Não deixe de conferir e boa leitura!

O que é Ciclo de Vida do Produto?

A norma ISO 14001, define o termo Ciclo de Vida do Produto da seguinte forma:

“Estágios consecutivos e encadeados de um sistema de produto (ou serviço). Desde a geração ou aquisição da matéria-prima, por meio de recursos naturais até a disposição final. “

Na prática, o que significa, então, o Ciclo de Vida do Produto? Ele diz respeito ao input inicial até o output final do produto. Para que você entenda melhor essa definição, veja o exemplo mostrado logo abaixo:

Aquisição da matéria-prima → Projeto → Produção → Transporte / Entrega → Uso → Tratamento pós-uso → Disposição final

O exemplo acima mostra todos os itens do Ciclo de Vida de um produto que pertencem ao SGA, isto é, o Sistema de Gestão Ambiental. Pelo exemplo acima, ficou mais claro o que significa, não é mesmo?

Em resumo, o Ciclo de Vida do Produto é todo o processo de transformação de uma matéria-prima, em um produto final. Até chegar ao cliente final. Sendo assim, o Ciclo de Vida se encerra quando o consumidor descarta o elemento usado.  

Por que o Ciclo de Vida do Produto é importante?

O conceito do Ciclo de Vida do Produto é importante porque ele ajuda as empresas na Gestão Ambiental, além dos seus limites ambientais. Com isso, a visão das empresas com relação ao Sistema de Gestão Ambiental torna-se mais ampla.

Antes a empresa tinha foco apenas no processo de fabricação. Com a mudança na norma da ISO 14001, a empresa pode sentir todos os impactos que o consumidor final possa vir a ter. Vamos a um exemplo prático para que você possa entender melhor.

Imagine que uma empresa é fabricante de um determinado produto que possui alto nível de impacto ambiental. Essa empresa não deve pensar somente em como evitar o contato desse componente com o meio ambiente. É preciso que a organização pense também em alertar o consumidor final sobre os perigos desse componente.

Foi por isso que o conceito de Ciclo de Vida do Produto foi colocado na nova versão da ISO 14001. Dessa forma, é possível que as organizações identifiquem os impactos que suas atividades possam vir a causar, independentemente de serem internos ou externos.

A relação do Ciclo de Vida do Produto com a ISO 14001

Na ISO 14001 existe a possibilidade de analisar, o tempo inteiro, a perspectiva do Ciclo de Vida do Produto. Isso acontece, especialmente, quando a empresa entende que existem vários acontecimentos diferentes. E isso vale para aspectos e impactos ambientais em diversas situações.

Podemos exemplificar para ficar mais fácil a compreensão. Vamos analisar o requisito 8.1 que verifica o planejamento e controle de uma operação. Mas, antes disso, vamos relembrar o que a norma diz.

A empresa “deve estabelecer, implementar, controlar e manter os processos necessários para atender os requisitos do Sistema de Gestão Ambiental…”.

Isso significa que uma empresa precisa ficar atenta e acompanhar de perto todas as operações que ocorrem dentro da organização. Além disso, vale ressaltar que tudo precisa estar conforme as exigências feitas pelo Sistema de Gestão Ambiental.

Agora vamos relacionar o requisito 8.1 com o Ciclo de Vida do Produto. Fazendo essa relação, você vai entender que algumas ações devem ser realizadas pela empresa.

  • Estabelecer os requisitos ambientais para a aquisição de serviços e produtos;
  • Determinar formas de controlar todos os requisitos ambientais no projeto de desenvolvimento de um produto ou serviço. É preciso levar em consideração todos os estágios do Ciclo de Vida do Produto;
  •  Avisar todos os requisitos ambientais para provedores externos, inclusive pessoas contratadas;
  • Comunicar sobre impactos ambientais ocasionados pelo transporte ou pela entrega, tratamento, utilização, pós-utilização e disposição final de todos os serviços ou produtos.

Vale ressaltar que as ações ditas acima são obrigatórias. Cabe a empresa pensar em formas de colocá-las em prática.

Uma breve explicação sobre o item anterior

Após entender sobre todos os pontos ditos anteriormente, acredito que você tenha percebido algo muito importante. O planejamento e o controle das operações não irão alcançar apenas a parte inicial, da entrada das matérias-primas. Eles também vão alcançar o consumidor final, referente a forma de utilização do produto ou serviço.

Exemplos de situações comuns que podem impactar os objetivos do seu negócio

Há algumas situações, que são bem comuns, que podem acabar prejudicando as organizações. E isso vale, independentemente, de serem empresas pequenas ou grandes. Por isso, é importante que as empresas tenham cuidado, não deixando de focar no controle e no planejamento.

Abaixo você confere alguns exemplos de situações que podem impactar os objetivos da sua empresa:

  • Uma matéria-prima que contenha alguma propriedade prejudicial ao meio ambiente precisa ser conduzida de forma correta para seu processo de fabricação;
  • Uma embalagem que precisa de anos para se decompor no solo, precisa ser descartada em locais apropriados pelo seu consumidor final;
  • Um produto que contenha níveis altos de periculosidade, precisam e devem ser transportados seguindo um grande rigor técnico;

Essas são apenas alguns exemplos de atitudes que seu SGA, Sistema de Gestão Ambiental, precisa englobar. Dessa forma, é possível evitar todo e qualquer impacto negativo que sua empresa pode causar ao meio ambiente.

Vale ressaltar ainda, que essa conscientização precisa acontecer tanto dentro, como fora da empresa, como no item 2. Não adianta a empresa tomar todas as precauções necessárias e o seu cliente final não seguir com as regras.

Se for preciso, além do Sistema de Gestão Ambiental, esses itens também podem ser englobados através de auditorias ambientais. O objetivo é apenas um: minimizar os impactos ambientais que possam aparecer durante o Ciclo de Vida do Produto.

O que se pode concluir sobre o Ciclo de Vida de um Produto?

Nesse artigo, percebemos a importância do Ciclo de Vida do Produto. Vamos recapitular as fases que ele possui?

Aquisição da matéria-prima → Projeto → Produção → Transporte / Entrega → Uso → Tratamento pós-uso → Disposição final

Entendemos ainda porque foi necessário que a norma ISO 14001 sofresse modificações. É possível concluir que essas mudanças foram importantes para que os impactos ambientais sejam cada vez mais minimizados por empresas de vários setores.

Vale ressaltar ainda que o Ciclo de Vida do Produto não ocorre apenas dentro da empresa. Como foi visto, ele precisa partir do início da fabricação da matéria-prima e deve seguir até o seu destinatário final. É dessa forma que os impactos ambientais serão evitados.

Espero que você tenha entendido como funciona o Ciclo de Vida do Produto e sua importância.

Qualquer dúvida, não deixe de entrar em contato conosco.

Até mais!

O que são controles operacionais no levantamento dos aspectos ambientais?

 

As empresas vêm enfrentando enormes cobranças com relação às suas responsabilidade para com o meio ambiente. Elas têm procurado estabelecer formas de gestão com objetivos explícitos de controle da poluição e de redução das taxas de efluentes, controlando e minimizando os impactos ambientais, como também otimizando o uso de recursos naturais.

O que são controles operacionais no levantamento dos aspectos ambientais?

O controle operacional tem como objetivo a identificação das operações e atividades adotadas por uma organização, para minimizar os efeitos dos seus impactos ambientais significativos. Esse controle procura identificar as situações que, se não controladas, podem acarretar desvio no cumprimento dos objetivos ambientais da empresa e legislação aplicáveis.

A norma ISO 14001:2015, propõe que a organização estabeleça e mantenha procedimentos para identificar potenciais acidentes e situações de emergência. Bem como para prevenir e mitigar os impactos ambientais que possam estar associados à eles. No Brasil, a razão pela busca da certificação, por parte das empresas é diferenciada. O fato é que as empresas se preocupam cada dia mais com o sistema de gestão ambiental – SGA.

Por que realizar o levantamento de aspectos e impactos?

Dentro do escopo do SGA, de acordo com a ISO 14001: 2015, a organização deve identificar e avaliar os aspectos ambientais associados às atividades, produtos e serviços os quais ela possa controlar e influenciar considerando a perspectiva do ciclo de vida.

Considerando o novo conceito de “Perspectiva do Ciclo de Vida”, a organização é corresponsável por todos seus insumos adquiridos. Isto é, desde sua obtenção até o final de vida, de maneira a exercer influência e/ou controle sobre suas atividades. Além das atividades de todas as partes interessadas, o que inclui seus terceiros. Dessa forma, os estágios do ciclo de vida que podem ser controlados ou influenciados, devem ser levados em consideração ao avaliar o aspecto ambiental.

A finalidade é buscar as melhores práticas socioambientais para gerenciar seus processos, entradas e saídas. De forma mais eficiente e sustentável, bem como influenciar e, quando possível, controlar a cadeia produtiva. Com base na implementação do conceito da perspectiva do ciclo de vida, a organização tem conhecimento dos impactos ambientais gerados por suas atividades, produtos e/ou serviços. Isto ocorre, devido a um maior controle do consumo de recursos naturais, geração de resíduos, emissão de efluentes líquidos, emissão atmosférica e outros impactos ambientais para o meio ambiente.

Como identificar os aspectos significativos?

A identificação dos aspectos ambientais é feita através da análise das ENTRADAS e SAÍDAS de cada atividade. Logo, para cada aspecto ambiental identificado, serão relacionados os seus respectivos impactos ambientais. Isto é, as potenciais consequências ao meio ambiente. Feito isso, a organização deverá classificar seus aspectos através de metodologias de  avaliação, como a elaborada pela Verde Ghaia. E assim, identificar aqueles que serão considerados significativos para a mesma.

Na norma o item 6.1.2, que diz respeito aos critérios de avaliação dos aspectos e impactos ambientais, é ainda muito subjetivo. Mas, ele menciona que a empresa deve identificar as condições anormais, situações de emergência, determinando aqueles aspectos que tem ou pode ter aspectos significativos. Em outras palavras, deve-se considerar os aspectos que podem causar um impacto significativo no meio ambiente.

Após a empresa identificar todos os aspectos e impactos significativos, a mesma deve determinar seus controles operacionais, afim de minimizar o impacto ao meio ambiente.

Planejamento e controles operacionais

Todas as atividades humanas deixam marcas sobre o meio ambiente. Embora algumas gerem mais impactos do que outras. Com a evolução da legislação ambiental, como por exemplo, a promulgação da Lei 9.605/98 (Lei de crimes ambientais), tem adotado medidas mais rigorosas. O objetivo é de se evitar os impactos de grande magnitude, tendo em vista as penalizações que poderão ser aplicadas ao empreendimento. Essas medidas podem ser consideradas controles operacionais, uma vez que visam a prevenção e minimização de impactos nocivos ao meio ambiente.

Nesse sentido, exercer controle é ter o domínio sobre os aspectos ambientais. Desse modo, minimizar os impactos e o risco de ocorrência de desvios, incidentes e acidentes ambientais. O controle normalmente é exercido nas fases de aquisição, produção e distribuição de um produto/serviço. Ou seja, está mais diretamente relacionada às atividades sob o domínio da empresa e vão desde instruções de trabalho e procedimentos que estabelecem as ações a serem tomadas, no dia a dia, para reduzir os impactos adversos de suas atividades. Bem como, até ao advento de tecnologias ecológicas, como sensores de presença e luz e torneiras automáticas com sensor, ambos para reduzir o desperdício de recursos naturais fundamentais. Sem falar também, nos controles adotados para situações de emergência, como bacias de contenção, impermeabilização de solos que possam vir a ter contato com substâncias contaminantes.

Conclusão

A implantação do Sistema de Gestão Ambiental é o primeiro passo da empresa em busca do desenvolvimento sustentável, convergindo seus interesses técnicos, econômicos e comerciais à prevenção da poluição ambiental e à redução dos impactos significativos causados por suas atividades.

O SGA permite que as empresas alcancem a sua excelência ambiental buscando a sua melhoria continua, que se concretizará através da otimização de seus processos, da redução de custos com desperdício, de distribuição, de consumo de energia e materiais ao mesmo tempo que melhora a sua imagem junto aos clientes, investidores, fornecedores e entidades regulamentadoras.

Desta forma, ao reconhecer a importância da qualidade ambiental na gestão de seus negócios, a empresa garante não só a melhoria do meio ambiente e a da população, mas também assegura a sua competitividade em um mercado altamente globalizado.

 

Ana Paula Lima Rocha
Engenheira ambiental
Verde Ghaia

Controles Operacionais: levantamento de aspectos e impactos

 

Os controles operacionais e o levantamento de aspectos e impactos ambientais devem ser vistos como um assunto sério pelas organizações, evitando qualquer tipo de risco. Visto que, os riscos se apresentam sob várias formas e em várias atividades distintas, é importante que a análise seja feita a partir do debate multidisciplinar com profissionais das diversas áreas do conhecimento.

Cabe lembrar que inúmeros são os problemas levantados, sendo necessários conhecimentos técnicos específicos para sua adequada avaliação.

Levantamento de Aspectos e Impactos: classificação de riscos residuais

Elaboração de critérios para levantamento Ambiental

Os critérios aqui adotados são apenas um exemplo, de forma a ilustrar o assunto, podendo ser modificados de acordo com a organização, seu ramo de atividade, política ambiental, objetivos e que deseja atingir. Aconselhamos a leitura de um outro post sobre Compliance aplicado a ISO 14001:2015!

Antes de coletar os dados, é aconselhável a elaboração de uma listagem ampla, embora não exaustiva, dos elementos que podem auxiliar a organização na identificação de seus aspectos ambientais e criar uma ordem lógica, como exemplificado abaixo:

Etapa 1:

A organização deve definir os critérios a serem usados na avaliação dos aspectos e impactos ambientais e valorar os critérios conforme graus de significância. A aplicação desta etapa tem como resultado a confecção de uma tabela contendo os critérios selecionados e a sua valoração.

Etapa 2:

A organização deve identificar os aspectos e impactos das suas atividades, produtos e serviços, mapeando os fluxogramas dos processos e identificando suas entradas. A aplicação desta etapa tem como resultado um mapa com os de cada processo e o destino dado aos aspectos identificados.

Etapa 3:

A organização deve avaliar os aspectos e impactos ambientais identificados na etapa 2, juntamente com o uso da tabela de critérios da etapa 1. A aplicação desta etapa tem como resultado o registro documentado das avaliações em planilhas.

Etapa 4:

A organização deve priorizar os aspectos e impactos ambientais avaliados na etapa 3, elaborando o relatório de avaliação ambiental que contém os aspectos ambientais classificados como prioritários. A aplicação desta etapa tem como resultado o relatório de avaliação ambiental da organização documentado e aprovado pela alta administração.

Aspecto e Impacto Ambiental e a importância da ISO 14001

As organizações que buscam por processos mais sustentáveis, implementando ações que vão além de uma atuação ecologicamente correta, atuam fortemente na gestão ambiental, como uma estrategia de buscar pelo desenvolvimento sustentável do negócio.

Além disso, ao implementar um sistema de gestão com base na ISO 14001:2015, os ganhos econômicos são bem maiores e benéficos para toda a organização, visto que a certificação traz consigo uma série de benefícios que são incorporados às questões estratégicas, tais como a preocupação com a cadeia de valor, ciclo de vida dos produtos, gestão de resíduos, dentre outros..

Desse modo, realizar a identificação dos aspectos ambientais com base nas Normas ISO 14001, é importante para a organização, visto que suas análises críticas, principalmente no que se refere aos aspectos ambientais indiretos, que estão fora do controle da empresa, são tratados com mais seriedade, obedecendo os requisitos legais.

Como gerenciar Aspectos e Impactos ambientais?

Através do Módulo GAIA, é possível gerenciar todos os aspectos e impactos ambientais da sua organização. Esse ferramenta auxilia na avaliação e criação de planos de ação, voltados para a melhoria e adaptação às exigências, principalmente com relação à legislação aplicável.

Dessa forma, é possível ter certeza que os controles estão sendo eficazes, analisar quais os riscos mais relevantes para seu negócio e também avaliar se há oportunidades de redução de custo ou de novos investimentos para sua organização.

O GAIA gera relatórios e gráficos gerenciais onde todas as informações ficam registradas. Além disso, identifica os riscos e as oportunidades, a severidade, a frequência, a probabilidade, a incidência, o nível de controle, o risco residual de todos os aspectos e impactos ambientais existentes para seu negócio evitando a ocorrência e melhorando sua gestão ambiental. Tenha tudo isso e muito mais em suas mãos com o Módulo GAIA!

Gerencie seus aspectos e impactos utilizando o módulo GAIA da plataforma SOGI.


Saiba mais, assistindo ao Café Conectado sobre Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais.

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais

 

Quais os aspectos e impactos ambientais gerados nos processos e áreas de sua organização?

Para responder a essa pergunta, a Verde Ghaia oferece o serviço de Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais, que permite a identificação, avaliação e definição de controles e medidas de mitigação.

Blog VG